Mecanismos de transferência de conhecimento e tecnologia nas instituições de ensino superior

Authors

  • Andréia Antunes da Luz Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Doutoranda
  • João Luiz Kovaleski Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor
  • Pedro Paulo Andrade Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor
  • Alexandre Zammar Prefeitura Municipal de Ponta Grossa / Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Diretor de Ciência e Tecnologia e Mestrando
  • Rosângela F. Stankowitz Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v3i2.96

Abstract

Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT), na visão dos gestores dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) e Incubadora de Empresas de Base Tecnológica (IEBT). Realizou-se uma pesquisa básica com abordagem qualitativa. O questionário semiestruturado foi o instrumento utilizado para a coleta de dados. O método científico foi o fenomenológico, a realidade presente nas duas ICT, população da pesquisa. Os resultados revelaram dificuldades, as ICT da população, não dispõem de um setor/departamento ou mesmo site que consolide ou agrupe os dados e informações relativos aos mecanismos, estes estão dispersos, sendo encontrados em vários departamentos. A pesquisa apontou cinquenta e sete (57) mecanismos, conforme o tópico Mecanismos para a inovação do referencial teórico. Constatou-se que as ICT, apresentam estratégias internas, na visão dos gestores dos NIT e IEBT, estes mecanismos permitem às universidades empreendedoras administrar as pesquisas e seus resultados como um negócio, essas ICT estão assumindo o papel de promotoras do desenvolvimento social, econômico e tecnológico. Dentre os cinquenta e sete (57) mecanismos, apenas um (01) foi desconsiderado pela ICT1 e quinze (15) pela ICT2.  Nesta perspectiva apresenta-se importante consolidar e fortalecer políticas de apoio e incentivo à disseminação da cultura empreendedora e dos mecanismos para a inovação. A partir da análise da forma com que esses atores diferiram em relação ao objetivo, constata-se a necessidade de interação entre os gestores dos NIT e IEBT, em um nível de cooperação a ciência e tecnologia, uma postura de avanço de modo a tornar as políticas de ciência e tecnologia mais coerentes às particularidades de cada ICT da população, com as especificidades da região. Por fim, o aspecto da formação de redes de cooperação, que transcenda o âmbito de cada ICT, rede interinstitucional, essa formação possibilitará um estímulo de desenvolvimento sustentável a longo prazo, estímulo ao desenvolvimento do Parque Ecotecnológico da cidade de Ponta Grossa, Paraná, passo decisivo para o alcance do desenvolvimento regional e de atividades de P&D.

Author Biographies

Andréia Antunes da Luz, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Doutoranda

Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2012). Especialista em Gestão Industrial: Conhecimento e Inovação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2009). Graduação em Administração pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2006) e mestrado em . Doutoranda e bolsista do Programa de Pós-Graduação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Atualmente é professora do curso de Administração do Instituto Educacional de Castro (INEC). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Empresas, atuando principalmente nos seguintes temas: incubadoras de empresas de base tecnológica, transferência de tecnologia, empreendedorismo, parque tecnológico e inovação. Possui 2 capítulos de livros publicados e 30 artigos científicos em periódicos especializados e em anais de eventos.

João Luiz Kovaleski, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor

Departamento de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Pedro Paulo Andrade Junior, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor

Departamento de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Alexandre Zammar, Prefeitura Municipal de Ponta Grossa / Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Diretor de Ciência e Tecnologia e Mestrando

Secretaria de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional / Departamento de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Rosângela F. Stankowitz, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Ponta Grossa/Professor

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2006), Especialização em Gestão Industrial: Conhecimento e Inovação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2008). Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Tecnológica Federal do Estado do Paraná (2010). Doutoranda em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2011). Pesquisadora do Núcleo de Gestão de Tecnologia e Inovação NGT (grupo de pesquisa CNPq). Atua na área de Engenharia de Produção, com ênfase em Gestão de Ideias e Inovação. Na contextualização da produção científica os termos mais frequentes são: Inovação, Gestão da Inovação, Gestão do Conhecimento, Cultura Organizacional, Programa de Sugestões, Geração de ideias e Inovação aberta.

Published

2013-06-24

Issue

Section

Artigos (Ativos de 2011 até 2014)