Características das FAPS e atuação da FAPESC como instrumento de fomento à Ciência, Tecnologia e Inovação

Authors

  • Guilherme Paraol de Matos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Paulo Cesar Leites Esteves Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v7i3.794

Abstract

Esse artigo apresenta as características das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPS) e atuação da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) como instrumento de fomento à Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I) no Estado Catarinense. Corresponde a uma pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental. A pesquisa consiste no levantamento dos conceitos de Sistema de Inovação, as características das FAPs e a estruturação da FAPESC. Para o cumprimento dos objetivos foram analisados os dados de 2012 e 2013 referentes a atuação da FAPESC. Esses dados revelam um investimento de R$ 62 milhões em 2013. A FAPESC é um importante ator estruturante que compõe o Sistema Regional de inovação, constituindo um agente importante de fomento e descentralização de recursos para C,T&I em Santa Catarina.

 

 

Author Biographies

Guilherme Paraol de Matos, Universidade Federal de Santa Catarina

Aluno do PPGTIC - Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação. Integrante do Grupo de Pesquisa CNPq - Tecnologia, Gestão e Inovação.

Paulo Cesar Leites Esteves, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação de Tecnologias da Informação e Comunicação. Pesquisador no Grupo de Pesquisa - CNPq - Tecnologia, Gestão e Inovação.

References

ALBUQUERQUE, E. M. e. Idéias fundadoras. Rev. Brasileira de Inovação v. 3, n. 1, p.9-13, 2004.

BORGES. M. N. As fundações estaduais de amparo à pesquisa e o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Rev. USP. n.89. São Paulo. mar/mai. 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 07 out. 2014.

BRASÍLIA - DF. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012 – 2015: Balanço das Atividades Estruturantes 2011. Brasília: Secretaria Executiva do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, p. 220, 2012.

CAPES. História e missão. 2008. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/historia-e-missao>. Acesso em: 27 ago. 2014.

CNPq. O CNPq. 2013. Disponível em: <http://www.cnpq.br/web/guest/o-cnpq;jsessionid=8 EA28358DE9FF3F 650EC9FC0797AAF69>. Acesso em: 25 ago. 2014.

CONFAP. Informações sobre FAPS. 2014. Disponível em: <http://confap.org.br/news/informacoes-sobre-faps/>. Acesso em: 05 abr. 2014.

COOKE, P. Regional Innovation Systems: Competitive Regulation in The New Europe. Geoforum, 23, p. 365-382, 1992.

FAPESC. HISTÓRICO: Breve histórico da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (FAPESC) e das instituições que a originaram. 2011. Disponível em:<http://www.fapesc.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=16&Itemid=27>. Acesso em: 08 abr. 2014.

FAPESC. Resumo de Atividades 2013. 2014. Disponível em: <http://www.fapesc.sc.gov.br/resumo2013/>. Acesso em: 02 jul. 2014.

FAPÈSP. Criação e Estruturação da FAPESP. 2014. Disponível em: <http://www.fapesp.br/28>. Acesso em: 06 abr. 2014.

FINEP. A EMPRESA. 2014. Disponível em: <http://www.finep.gov.br/pagina.asp?pag=insti tucional_empresa>. Acesso em: 28 ago. 2014.

FREEMAN, C. e Soete, L. 3ª ed. The economics industrial innovation. MIT Press, 1997.

LAKATOS, Fundamentos de Metodologia Cientifica, 7ª ed. São Paulo, ed. Atlas, p. 185, 2010.

LIST, George F. Sistema Nacional de Economia Política. São Paulo. Abril Cultura. 1983.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LUNDVALL, Bengt-Ake. Políticas de inovação na economia do aprendizado. Parcerias Estratégicas. mar. 2001.

Manual de Oslo. 3ª ed.: OECD. p. 1-184, 2005.

Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE). 2013. Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secret arias/sctie>. Acesso em: 09 jul. 2014.

RIO GRANDE DO SUL. FAPERGS. Histórico. 2010. Disponível em: <http://www.fapergs.rs.gov.br/conteudo_puro.php?cod_menu=41>. Acesso em: 05 abr. 2014.

SANTA CATARINA. Constituição do Estado de Santa Catarina. Disponível em: <http://www.alesc.sc.gov.br/portal/legislacao/constituicaoest adual.php>. Acesso em: 09 abr. 2014.

SANTA CATARINA. FAPESC. Secretária de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável. Relatório de Atividades - 2012. Florianópolis: Dioesc, 2012. Disponível em:<http://www.fapesc.sc.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=48:0501-turismo-cientifico-descaracteriza-ritual-indigena-afirma-d=20>. Acesso em: 05 abr. 2014.

SCHUMPETER, Joseph A. (1911) A teoria do Desenvolvimento Econômico: Uma investigação Sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e o Ciclo Econômico. Abril Cultural, São Paulo, 1982.

VACAREZZA, S.V. Ciência, Tecnologia e Sociedade: o Estado da Arte na América Latina. Londrina. Iapar, 2004.

Published

2017-09-28

Issue

Section

Innovative science and technology