Criação de uma ferramenta para verificação do conceito de arranjo produtivo local: Aplicação no APL da indústria de calçados do estado da Paraíba

Authors

  • Kathyana Vanessa Diniz Santos UFPB
  • Ana Camila Rodrigues de Oliveira UFPB
  • Ricardo da Silva Moreira UFPB

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v7i3.737

Abstract

Existem nuances no conceito de arranjos produtivos locais (APL’s) que nem sempre são percebidas e compreendidas quando da aplicação prática. Neste trabalho, foram apresentadas e analisadas as nuances existentes com o objetivo de verificar se a utilização do termo APL adotado pelo Sebrae em seus projetos é congruente com a literatura acadêmica. Como método tem-se um estudo de caso, visto que registrado no órgão existe um único projeto de APL ativo e em gestão (em maio de 2015) de acordo com o SIGEOR (Sistema de Informação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados) do próprio Sebrae/PB. O APL analisado foi o da Indústria de Calçados do Estado da Paraíba, com base nos elementos cruciais constituintes de um APL e concluiu-se que este arranjo não apresenta todos os elementos necessários para ser considerado um APL e assim, o Sebrae necessita rever o termo utilizado, não só para corrigir uma divergência conceitual em relação a literatura da academia, mas também para otimizar os processos existentes na própria organização.

References

ABICALÇADOS – Associação Brasileira das Indústrias de Calçados. Exportações brasileiras de calçados. Disponível em: http://www.abicalcados.com.br/site/inteligencia.php. Acesso em: 15 de maio de 2015.

AMATO NETO, J. Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais. São Paulo: Atlas, 2000.

AQUINO, A. L.; BRESCIANI, L. P. Arranjos produtivos locais: uma abordagem conceitual. In: Organizações em contexto, Ano 1, n. 2, dezembro de 2005. São Paulo: 2005.

ARIMOTO, Yutaka; NAKAJIMA, Kentaro; OKAZAKI, Tetsuji. Sources of productivity improvement in industrial clusters: The case of the prewar Japanese silk-reeling industry. Regional Science and Urban Economics 46, pags. 27–41, 2014.

BAIXAR MAPAS. Mapa da Paraíba. Disponível em: <http://www.baixarmapas.com.br/mapa-da-paraiba-mesorregioes/>. Acesso em: 01 jun. 2015.

CASSIOLATO, J. E. & LASTRES, H. M. M. Arranjos e Sistemas Produtivos Locais na Indústria Brasileira. Revista de Economia Contemporânea. UFRJ, Rio de Janeiro, 2001.

CASSIOLATO, J., LASTRES H. E SZAPIRO, M. Arranjos e sistemas produtivos locais e proposições de políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. NT 27 - Projeto de pesquisa arranjos e sistemas produtivos locais e as novas políticas. Rio de Janeiro, 2000.

CASSIOLATO, José E., SZAPIRO, Marina. Arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais no Brasil. [s.l. s.n.], 2002.

DINIZ, C. C.; LEMOS, M. B. (Org.). Economia e território. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

FANG, Yongheng; LIANG, Qian; Jia Zhouping. Knowledge Sharing Risk Warning of Industry Cluster: an Engineering Perspective. Procedia Systems Engineering, pags. 412 – 421, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estados. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=pb. Acesso em: 10 de maio de 2015.

KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia. Economia Industrial: Fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

KELLER, P. F. Clusters, distritos industriais e cooperação interfirmas: uma revisão da literatura. Revista Economia & Gestão, Belo Horizonte, v. 8, n. 16, p. 1-18, 2008.

LASTRES, H. M. M., ARROIO, A. e LEMOS, C. Políticas de apoio a pequenas empresas: do leito de Pro custo à promoção de sistemas produtivos locais. In: Pequena Empresa (org. Lastres, Cassiolato e Maciel), Relume Dumará, Rio de Janeiro, 2003.

LIRA, Maria Gomes da Conceição; QUEIROZ, Rodrigo Bezerra Remigio de; AZEVEDO, Luciana Cavalcanti de; SILVA, Gracieti de Souza. Levantamento do caráter inovador da pesquisa aplicada desenvolvida no IF SERTÃO-PE. Revista Geintec, São Cristóvão/SE, v. 3, n. 5, p.62-72, 2013.

LOPES, F. D.; BALDI, M. Laços sociais e formação de arranjos organizacionais cooperativos – Proposição de um modelo de análise. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 2, p. 81-101, abr-jun, 2005.

MDIC - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO. Observatório Brasileiro de Arranjos Produtivos Locais. Disponível em: <http://portalapl.ibict.br/>. Acesso em: 10 de maio de 2015.

NIE, Pu-yan; SUN, Peng. Search costs generating industrial clusters. Revista Cities. 2014.

PORTER, M. E. Competitive strategy. New York: Free Press, 1980.

QING, Zhang. The research on influence of industrial clusters on regional economic development. Procedia IERI, 2012.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, v. 27, n. 9, 1999.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2015.

VIEIRA, Eliciana Selvina Ferreira Mendes. Aglomerações produtivas e estudos prospectivos: um exercício sobre suas convergências. Revista Geintec, São Cristóvão/SE, v. 3, n. 5, p.221-233, 2013.

WANG, T. A Simulation on Industrial Clusters’ Evolution: Implications and Constraints. Systems Engineering Procedia, 366 – 371, 2012.

Published

2017-09-28

Issue

Section

Innovative science and technology