Argilas na cosmetologia: prospecção tecnológica baseada em patentes e artigos

Authors

  • Rogério Almiro Oliveira Silva Universidade Federal do Piauí
  • Lana Grasiela Alves Marques Universidade Federal do Ceará
  • Maria Rita de Morais Chaves Santos Universidade Federal do Piauí
  • Cláudia do Ó Pessoa Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v2i2.37

Abstract

O uso das argilas com propriedades tecnológicas tem despertado grandes interesses nas indústrias de diversos ramos, por ser um argilomineral abundante no Brasil e economicamente viável, como também, ao ser descartado não agride o meio ambiente. Dentre suas aplicações, destaque na cosmetologia, que está relacionada com o ajuste das propriedades reológicas, estabilidade de emulsões e suspensões e na liberação controlada de substâncias específicas. Esta prospecção foi realizada, usado as bases de patentes do INPI, EPO e USPTO e científica Web of Science. Os dados mostram a China como maior detentora de patentes na área de cosméticos, tendo 26 depósitos de patentes, o Brasil com 12 patentes depositadas, encontra-se em terceiro lugar, o que mostra o avanço das pesquisas na proteção desses produtos. O maior número das patentes encontradas nas preparações cosméticas é para uso em hidratantes e em formulações de detergentes. As publicações científicas mostram que os Estados Unidos lideram o ranking de publicações. A prospecção mostra que a pesquisa com argilas na área de cosmético é promissora.

 

Author Biographies

Rogério Almiro Oliveira Silva, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Licenciatura em Química - UFPI, mestrando em Engenharia dos Materiais - IFPI. Possui experiência na área de Química Inorgânica, Ciência e Engenharia dos Materias - Cerâmica - argilominerais. Trabalha com prospecção tecnológica e propriedade Intelectual.

Lana Grasiela Alves Marques, Universidade Federal do Ceará

Possui mestrado em Química e é Doutouranda pelo RENORBIO. Desenvolve atividade de bioprospecção de produtos naturais.

Maria Rita de Morais Chaves Santos, Universidade Federal do Piauí

Possui doutourado em Química Inorgância, é coordenadora do Núcleo de Inovação e Transferência de tecnologia da UFPI. Desenvolve pesquisas em prospecções.

Cláudia do Ó Pessoa, Universidade Federal do Ceará

Desenvolve atividade de bioprospecção de produtos naturais e sintéticos utilizando ensaios automatizado : High Throughput Screening (HTS).

Published

2012-06-22

Issue

Section

Artigos (Ativos de 2011 até 2014)