Aplicação farmacêutica de inibidores de proteases: uma prospecção tecnológica

Authors

  • Kátia da Conceição Machado Universidade Federal do Piauí
  • Keylla da Conceição Machado Universidade Federal do Piauí
  • Antonio Luiz Gomes Júnior Universidade Federal do Piauí.
  • Rivelilson Mendes de Freitas Universidade Federal do Piauí.

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v4i2.219

Abstract

As proteases são enzimas proteolíticas que degradam proteínas por quebra de ligações peptídicas específicas. Muitas proteases estão associadas com doenças como o câncer, a osteoporose, doenças inflamatórias e neurodegenerativas, bem como doenças parasitárias, virais ou bacterianas. Essas proteases estão envolvidas na patogênese de várias doenças e podem ser bons alvos terapêuticos, juntamente com os seus inibidores específicos. Essa prospecção teve como objetivo analisar as patentes que envolvem inibidores de proteases com aplicações farmacêuticas. A prospecção foi realizada tendo como base os pedidos de patente depositados em 4 bancos de dados analisados, sendo eles, Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), no European Patent Office (EPO), United States Patent and Trademark Office (USPTO) e World Intellectual Property Organization (WIPO). Após a pesquisa foi constatado apenas 13 patentes, demostrando que em 2007 ocorreu o pico de depósito e que os Estados Unidos e a França são os maiores depositários. Quanto a classificação internacional de patentes, a maioria corresponde a A61K, que trata de preparações para finalidades médicas, odontológicas ou higiênicas. Contudo, foi observado que ainda existe um pequeno número de patentes, sendo necessário um interesse maior na aplicação farmacêutica para os inibidores de proteases

Author Biographies

Kátia da Conceição Machado, Universidade Federal do Piauí

Programa de Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Piauí.

Keylla da Conceição Machado, Universidade Federal do Piauí

Programa de Pós Graduação em Farmacologia da Universidade Federal do Piauí.

Antonio Luiz Gomes Júnior, Universidade Federal do Piauí.

Programa de Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Piauí.

Rivelilson Mendes de Freitas, Universidade Federal do Piauí.

Programa de Pós Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Piauí.

Published

2014-06-12

Issue

Section

Artigos (Ativos de 2011 até 2014)