Spin-off Acadêmica: Um Estudo de Caso Rio Norte Sementes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v10i4.1457

Keywords:

spin-off acadêmica, empreendedorismo, incubadora, inovação.

Abstract

O presente artigo tem como objetivo descrever a criação e implantação da spin-off acadêmica Rio Norte Sementes no município de Campos dos Goytacazes com o intuito de incentivar a criação de novas spin-offs e indicar possíveis caminhos para o desenvolvimento e implantação destas. Para tal foi utilizado como escopo metodológico o estudo de caso, com a coleta dos dados através de entrevistas semiestruturadas. Os resultados demonstram as dificuldades encontradas para a formalização da spin-off na instituição em questão, representando fatores críticos para a lentidão do processo de execução da inovação, e evidenciam a criação de formas mais eficientes de convênios comerciais e aplicação de novas práticas pedagógicas para o desenvolvimento do pensamento empreendedor dos discentes.

Author Biographies

Laura Cobuci Silva, UENF

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2010). Atualmente encontra-se cursando Pós-Graduação Lato Senso em Educação Ambiental pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercia

Alexandre da Silva Azeredo, Instituto Federal Fluminense

Atua com larga experiência nas áreas comercial, marcas, inovação, desenvolvimento de negócios, branding, e inteligência de mercado, provendo consultoria e mentoria para startups e empresas incubadas na TecCampos RJ incubadora de negócios certificada pela Anprotec.

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação pelo Instituto Federal Fluminense do Rio de Janeiro, graduado em Gestão de Marketing pela Faculdade de Tecnologia do Norte Fluminense, pós graduado em Logística Internacional pelo Isecensa(Campos -RJ) e especialização em Business Management pela Martin College (Sydney - Australia).

CEO Founder da skiuhub, startup selecionada pela BootUp Ventures Aceleradora de negócios do Vale do Silício.

No campo acadêmico, Professor universitário que desenvolve pesquisa sobre Spin Offs Acadêmicas, incubadoras tecnológicas, inovação e Startups.

Alexandre Pio Viana, UENF

Alexandre Pio Viana concluiu o doutorado em Produção Vegetal pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro em 2001. Atualmente é Professor Associado I da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, no Laboratório de Melhoramento Genético Vegetal. Cientista Jovem do Estado do Rio de Janeiro, sendo bolsista entre 2007 a 2012. Cientista do Estado do Rio de Janeiro a partir de 2012. Participa de 8 projetos de pesquisa, sendo que coordena 6 destes. Atua na área de Agronomia, com ênfase em Melhoramento Genético de Plantas Perenes, Genética Quantitativa, Estatística Experimental, Marcadores de DNA. Atua em disciplinas de pós-graduação com foco em técnicas experimentais, modelagem mista, mapeamento de QTls e seleção genômica ampla. Coordena projetos de pesquisa nas áreas de melhoramento intrapopulacional do maracujazeiro amarelo via seleção recorrente, melhoramento de maracujazeiro para resistência ao Cowpea aphid-born mosaic virus - CABMV, via populações segregantes, melhoramento da goiabeira para atributos agronômicos via estudos em populações segregantes e procedimentos de seleção genômica ampla, melhoramento da goiabeira para resistência ao Meloidogyne enterolobii, com foco em desenvolvimento de populações segregantes de Psidium, focando o controle do declínio da goiabeira, melhoramento e manejo da videria em parceria com a University of California, com foco em populações segregantes com resistência ao míldio e Oídio. Realizou Pós-doutorado na Universidade da California, em Davis (EUA), no Departamento de Viticultura e Enologia, na equipe do Prof. Andrew Walker com ênfase em mapeamento de QTLs e seleção assistida por marcadores de DNA, para resistência ao Oídio, Míldio e Pierce Disease e caracteres agronômicos em uvas de mesa e para a produção de vinhos de alta qualidade. É membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Fruticultura 2014-2019. Presidente da regional -RJ da Sociedade Brasileira de Melhoramento de Plantas - 2017-2019. É um dos idealizadores e fundadores da revista científica Functional Plant Breeding Journal, sendo seu atual editor executivo. É editor de área das Revista Brasileira de Fruticultura a Acta Amazonica.

Edson Terra Azevedo Filho, UENF

Doutorado em Sociologia Política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF (CCH), Mestrado em Engenharia de Produção pela UENF (CCT) e Graduação em Administração pela Universidade Federal Fluminense - UFF. Professor Associado na UENF do Laboratório de Engenharia de Produção - LEPROD. Diretor Administrativo da incubadora TecCampos na gestão 2019-2022. Possui como áreas de interesse: empreendedorismo, desenvolvimento regional, inovação tecnológica, gestão estratégica e análise prospectiva.

Henrique Rego Da Hora, IFF

Henrique Rego Monteiro da Hora, graduado em Tecnologia em Informática pelo então CEFET-Campos (2004), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2007) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal Fluminense (2013). Atualmente é diretor-presidente da TECCAMPOS - Incubadora de empresas de base tecnológica (gestão 2016-2019 e 2019-2021), coordenador Adjunto do Mestrado em Sistemas Aplicados à Engenharia e Gestão (SAEG) do IFFluminense, e no PROFNIT. Atua com abordagem interdisciplinar entre Pesquisa Operacional, Estatística e Probabilidade e Ciência de Dados (Data Analytics) na solução de problema complexos, e retorna à sociedade o investimento em pesquisa por meio do empreendedorismo.

References

ANPROTEC, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Estudo, Análise e Proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil – relatório técnico / Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. – Brasília, 2012.

ANPROTEC, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Incubadoras e Parques, 2019a. Disponível em: <http://anprotec.org.br/site/sobre/incubadoras-e-parques/>. Acesso em 24 de novembro de 2019.

ANPROTEC, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores; SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). Planejamento e implantação de incubadoras de empresas. Brasília, 2002.

ARAÚJO, M. H., LAGO, R. M., OLIVEIRA, L. C. A., CABRAL, P. R. M., CHENG, L. C., BORGES, C., & FILION, L. J. (2005). "Spin-off" acadêmico: criando riquezas a partir de conhecimento e pesquisa. Química Nova, 28(Suplemento), 26-35.

BAILETTI, T. (2011) Fostering Student Entrepreneurship and University Spinoff Companies. Technology Innovation Management Review, p. 7-12.

BERCOVITZ, J. AND FELDMANN, M. Entpreprenerial universities and technology transfer: a conceptual framework for understanding knowledge‐based economic development. Journal of Technology Transfer, 31, 175– 188. (2006)

BONI, V; QUARESMA, S. J.(2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia.

BORGES, C. (2010) Os Spin-offs Universitários e seus Principais Componentes. In: Empreendedorismo e estratégia de empresas de pequeno porte – 3Es2Ps. Organizado por Fernando Gimenez, Jane Mendes Ferreira, Simone Cristina Ramos; Curitiba: Champagnat.

CAMPELLI, MAGALI GEOVANA RAMLOW; FILHO, NELSON CASAROTTO; BARBEJATT, MYRIAM EUGÊNIA RAMALHO PRATA; MORITZ, GILBERTO DE OLIVEIRA. Empreendedorismo no Brasil: situação e tendências. Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 29, p. 112-132, jan/abr 2011.

CHAN K. F.; LAU, T. Assessing technology incubator programs in the Science park: the good the bad and the ugly. Technovation, Amsterdam, v. 25, n. 10, p. 1215- 1228, 2005.

CLARK, BURTON R. Pursuing the entrepreneurial University. In: AUDY, Jorge L. N.; MOROSINI, Marília C. (Org). Inovação e Empreendedorismo na Universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006

CLAUSEN, T. H., & RASMUSSEN, E. (2013). Parallel business models and the innovativeness of research-based spin-off ventures. Journal of Technology Transfer, 38, 1–14.

COSTA, L. B., TORKOMIAN, A. L. V. (2008). Um estudo exploratório sobre um novo tipo de empreendimento: os spinoffs acadêmicos. Revista de Administração Contemporânea, 12(2), 395-427.

COZZI, A.; JUDICE, V.; DOLABELA, F.; FILION, L. J. Empreendedorismo de base tecnológica. Spin-off: criação de novos negócios a partir de empresas constituídas, universidades e centros de pesquisa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CRIACO, G., MINOLA, T., MIGLIORINI, P., & SERAROLS-TARRÉS, C. (2014). “To have and have not”: Founders’ human capital and university start-up survival. Journal of Technology Transfer, 39, 1–27.

DAVEY, T., ROSSANO, S. AND VAN DER SIJDE, P. Does context matter in academic entrepreneurship? The role of barriers and drivers in the regional and national context, The Journal of Technology Transfer, Vol. 41 No. 6, pp. 1457-1482. 2016.

DRUMMOND, P.H.F. O Planejamento Tecnológico de uma Empresa de Base Tecnológica de Origem Acadêmica por Intermédio dos Métodos Technology Roadmapping [TRM], Technology Stage-Gate [TSG] e Processo de Desenvolvimento de Produtos [PDP] Tradicional. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

ETZKOWITZ, H. (2009), Hélice Tríplice: Universidade – Indústria – Governo, inovação em movimento. Porto Alegre: Editora PUCRS.

ETZKOWITZ, H. Silicon Valley at risk? Sustainability of a global innovation icon: An introduction to the Special Issue. Social Science Information Journal, 52, 515– 538. doi:10.1177/0539018413501946 (2013b).

ETZKOWITZ, H., (2002), MIT and the Rise of Entrepreneurial Science. Routledge, London and New York.

EUROPEAN COMMISSION. Benchmarking of business incubators, Brussels – 2002.

FIGLIOLI, A. AND PORTO, G.S. Mecanismos de transferência de tecnologia entre universidades e parques tecnológicos. XXIV Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, ANPAD, 17–20 October 2006, Gramado, Brazil. (2006)

FROMHOLD‐EISEBITH, M. AND WERKER, C. Universities' functions in knowledge transfer: a geographical perspective. The Annals of Regional Science, 51, 621– 643. doi:10.1007/s00168-013-0559-z (2013)

GENENTECH. In: <http://www.gene.com/>. Acesso em: 24/11/2019.

GOOGLE. In: <https://about.google/intl/pt-BR/>. Acesso em 24/11/2019.

GRANT, R.M. AND BADEN‐FULLER, C. A knowledge accessing theory of strategic alliances. Journal of Management Studies, 41, 1– 24. 2004.

GREINER, M.E., BÖHMANN, T., AND KRCMAR, H. A strategy for knowledge management. Journal of Knowledge Management, 11, 3– 15. doi:10.1108/13673270710832127. 2007.

GRIMALDI, R., KENNEY, M., SIEGEL, D. S., & WRIGHT, M. (2011). 30 years after Bayh–Dole: Reassessing academic entrepreneurship. Research Policy, 40, 1045–1057.

GUARANYS, L. R.; Universidade empreendedora: conceito em evolução, universidade em transformação. In Educação empreendedora: conceito, modelos e práticas / Rose Mary A. Lopes, organizadores. Rio de Janeiro: Elsevier; São Paulo: Sebrae, 2010.

HACKETT, S.M.; DILTS, D.M. A systematic review of business incubation research. Journal of Technology Transfer, Netherlands, v.29, n.1, p.55-82, 2004.

HEIRMAN, A.; CLARYSSE, B. (2007). Which tangible and intangible assets matter for innovation speed in start-ups. The Journal of Product Innovation Management, 24(4), 303-315.

HINDLE, K., & YENCKEN, J. (2004). Public research commercialisation, entrepreneurship and new technology based firms: An integrated model. Technovation, 24, 793–803.

JIANG, X., LI, M., GAO, S., BAO, Y., AND JIANG, F. Managing knowledge leakage in strategic alliances: the effects of trust and formal contracts. Industrial Marketing Management, 42, 983– 991. doi:10.1016/j.indmarman.2013.03.013. (2013).

KARNANI, F. The university's unknown knowledge: tacit knowledge, technology transfer and university spin‐offs findings from an empirical study based on the theory of knowledge. The Journal of Technology Transfer, 38, 235– 250. doi:10.1007/s10961-012-9251-1(2012).

KENNEY, M. The chicago handbook of university technology transfer ands academic entrepreneurship, Academy of Management Learning & Education, Vol. 16 Nº1, pp. 167-169. 2017

KESSELS, J. AND KWAKMAN, K. Interface: establishing knowledge networks between higher vocational education and businesses. Higher Education, 54, 689– 703. doi:10.1007/s10734-006-9018-4 (2006).

KIM, YOUNHEE. 2011. The ivory tower approach to entrepreneurial linkage: productivity changes in university technology transfer. Publisher: Springer Netherlands. The Journal of Technology Transfer, 1-18

KINGMA, B. Academic Entrepreneurship and Community Engagement: Scholarship in Action and the Syracuse Miracle. Cheltenham, UK; Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. (2011)

KRONBERGA, G. Latvian Regional Universities as Agents of Science and Practice. (2013)

LAWTON SMITH, H., ROMEOA, S., & BAGCHI-SENB, S. (2008). Oxfordshire biomedical university spin-offs: An evolving system. Cambridge Journal of Regions, Economy and Society, 1, 303–319.

MAES, KATRIEN et al. Universities, Research and the “Innovation Union”. Procedia Social and Behavioral Sciences 13, 2011, 101–116

MCQUEEN, D. H., & WALLMARK, J. T. (1982). Spin-off companies from chalmers-university-of-technology. Technovation, 1, 305–315.

NBIA. Disponível em <http://www.nbia.org/ about_nbia/>. Acesso em 24 de novembro de 2019.

PHILPOTT, KEVIN, LAWRENCE DOOLEY, CAROLINE O’REILLY, GARY LUPTON. The entrepreneurial university: Examining the underlying academic tensions, Technovation, Volume 31, Issue 4, Managing Technology, April 2011, p. 161-170, ISSN 0166-4972, DOI: 10.1016/j. technovation.2010.12.003.

PIRNAY, F., SURLEMONT, B., & NLEMVO, F. (2003). Toward a typology of university spin-offs. Small Business Economics, 21(4), 355-369.

RAMACIOTTI, L., CONSIGLIO, S., AND MASSARI, S. Competenze, Innovazione, Impresa. Dal Concepimento Alla Costituzione di Imprese Innovative: Il Caso Spinner. Bologna: Il Mulino. (2011)

ROTHAERMEL, F.T., AGUNG, S.D. AND JIANG, L. University entrepreneurship: a taxonomy of the literature, Industrial and Corporate Change, Vol. 16 No. 4, pp. 691-791. 2007

SAXENIAN, A. Regional Advantage. Culture and Competition in Silicon Valley and Rote 128. 5o Edição. Cambridge, Massachusetts and London, England, Harvard Univesity Press. 1998.

SCHMITZ, A., URBANO, D., DANDOLINI, G.A., DE SOUZA, J.A. AND GUERRERO, M. Innovation and entrepreneurship in the academic setting: a systematic literature review, International Entrepreneurship and Management Journal, Vol. 13 Nº 2, pp. 369-395. 2017.

SENHORAS, E. M. As redes do desenvolvimento Econômico e Social no Sistema de Ensino Superior Brasileiro. LiincemRevista, v.4, n.1, p. 138-153, março, 2008.

TEC CAMPOS. Disponível em: < https://teccampos.com.br/>. Acesso em 02/12/2019.

VINCETT, P. S. (2010). The economic impacts of academic spin-off companies, and their implications for public policy. Research Policy, 39, 736–747.

YIN, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (D. Grassi, Trad.) (3ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Published

2020-10-15

Issue

Section

Innovative science and technology