Management of Research and Development Assets Based on Innovation Cycles

Authors

  • José Carlos Toniazzo Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ
  • Claudio Alcides Jacoski Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ
  • Marcelo Fabiano Costella Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ
  • Francieli Dalcanton Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Keywords:

Inovação, Ciclos, Gestão da inovação, Implementação

Abstract

Diante da crescente ênfase para a gestão da inovação nas organizações é fundamental compreender os processos e ciclos ligados à inovação. Esse tema é abordado por normas internacionais, com destaque para a série de normas espanholas AENOR UNE 166000, consideradas de grande relevância no cenário internacional. No Brasil, a ABNT NBR 16501 é a norma que define as principais diretrizes para a inovação. Nesse contexto, este artigo tem o objetivo de sintetizar os conceitos de inovação e propor um modelo de implementação da gestão da inovação no contexto das organizações. Quanto ao método de pesquisa, foi realizada uma pesquisa teórica-conceitual para definir um modelo de processos para implementação da gestão da inovação. Assim, o resultado da pesquisa é a proposição de um modelo que permita que a gestão da inovação seja de fato implementada,  melhorando os processos, produtos e serviços oferecidos pelas empresas a fim de aumentar sua competitividade. Assim, com base na revisão conceitual e na definição do modelo para ciclos de inovação foi possível observar os principais aspectos a serem considerados na gestão da inovação. Nesse prisma, observa-se que a correta definição dos processos somada a uma governança de inovação alinhada aos interesses da alta direção das empresas permite que a implementação da inovação torne-se mais efetiva na prática. Tudo isso em consonância com as normas nacionais e internacionais e demais diretrizes de gestão da inovação, o que permite que as empresas adquiram conhecimento teórico sobre o tema bem como consigam aplicá-lo na prática.

Author Biographies

José Carlos Toniazzo, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Professor dos cursos de Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Engenharias da Área de Ciências Extatas e Agroambientais (ACEA). Mestrando em Tecnologia e Gestão da Inovação da Unochapecó.

Claudio Alcides Jacoski, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Professor Titular da Unochapecó na ACEA e reitor da Universidade.

Marcelo Fabiano Costella, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Professor Titular da Unochapecó na ACEA.

Francieli Dalcanton, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Professora Titular da Unochapecó na ACEA.

References

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 16501: diretrizes para sistemas de gestão da pesquisa, desenvolvimento e da inovação. Brasília, 2011. 34 p.

AENOR. Asociación Española de Normalización y Certificación. UNE 166002: gestión de lá I+D+i: requisitos del sistema de gestión de lá I+D+i. Madrid, 2006. 19 p.

AENOR. Asociación Española de Normalización y Certificación. UNE 166001: gestión de lá I+D+i: requisitos de un proyecto de I+D+i. Madrid, 2006. 10 p.

BAPTISTA, Paulo. A inovação nos produtos, processos e organizações. Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação, 1999.

BARDIN, L. L’analyse de contenu. Paris: PUF, 1986.

CANONGIA, Claudia et al. Inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Gestão e Produção, São Carlos, v. 2, n. 11, p.231-238, 18 mar. 2004.

CHRISTENSEN, Clayton. The innnovator's dilemma: the revolucionary book that will change the way you do business. New York: Harper Paperbacks, 2003.

FERREIRA, A. G. C. Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, v. 11, n. 3, jun. 2010. Disponível em: < http://www.dgz .org.br/jun10/F_I_art.htm>. Acesso em 17 nov. 2015.

FERREIRA, R. T. F.; CAUCHICK Miguel, P. A. Análise comparativa sobre processos de inovação da literatura com a norma brasileira de gestão da inovação. São Paulo: Exacta – EP, v. 11, n.3, p. 285-297, 2013.

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, São Carlos, v. 16, n. 4, p. 624-638, 2009.

MIR, M.; CASADESÚS, M.; Normas para lá gestión de lá inovación. Un análisis comparativo. Revista Dyna, v. 86, n. 1, 2011a.

MIR, M.; CASADESÚS, M.; Standardised innovation management systems: a case study of the spanish standard UNE 166002: 2006. Revista Innovar Journal, v. 21, n. 40, 2011b.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. Paris: OCDE, 2005.

_____________. Manual de Frascati: Metodologia Proposta Para a Definição da Investigação e Desenvolvimento Experimental. Coimbra: OCDE, 2007.

PELLICER, et al. Mejorando la I+D+i mediante la normalización y la certificación: el caso del sector de la construcción español. Revista Ingeniería de Construcción, v. 23, n. 2, p. 112-121, 2008.

SCHUMPETER, Joseph A. A teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SERAFIM, Luiz. O poder da inovação: como alavancar a inovação na sua empresa. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

SOFTSUL. Associação sul-riograndense de apoio ao desenvolvimento de software. MGPDI: Metodologia de Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Guia Geral de Inovação. Porto Alegre: SOFTSUL, 2015.

Published

2020-04-13

Issue

Section

Innovative science and technology