Technological prospection of Morus nigra L.

Authors

  • Pedrita Alves Sampaio UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • José Marcos Teixeira de Alencar Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Nathália Andrezza Carvalho de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Hyany Andreysa Pereira Teixeira UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Tarcísio Cícero de Lima Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Pedro José Rolim Neto UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
  • Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO
  • Larissa Araújo Rolim UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v8i2.1204

Keywords:

Morus nigra L., technological prospection, patents.

Abstract

Este estudo teve como objetivo analisar o potencial inovador da planta medicinal Morus nigra L. a partir  do número de patentes depositadas nos bancos de dados European Patent Office (EPO), World Intellectual Property Organization (WIPO) e Instituto Nacional de Propriedade Industrial do Brasil (INPI). Morus nigra L. é conhecida popularmente como “amora-miúra”, sendo bastante utilizada para o tratamento de diabetes, dislipidemia, problemas cardiovasculares e gota. A pesquisa foi realizada utilizando como descritores os termos: “Morus nigra”, “medicament” ou “medicamento” e “food supplement” ou “suplemento alimentar”. Os resultados demonstraram um  elevado número de documentos envolvendo o termo “Morus nigra”, com predominância para o World Intellectual Property Organization (24) em comparação ao European Patent Office (23) e ao INPI (4). No entanto, combinando os descritores “Morus nigra and medicament” esse número decresceu (WIPO – 8; EPO – 3; INPI – 0). Considerando os dados coletados, verificou-se que a Organização Mundial de Propriedade Intelectual é a maior detentora de número de patentes, com destaque para os depósitos nas subclasses da Classificação Internacional de Patentes em A61K e A61P, em ambos os bancos tecnológicos. A Morus nigra apresenta potencial inovador considerando-se as atividades farmacológicas atribuídas a esta espécie e as patentes até o momento depositadas no WIPO, EPO e INPI.

Author Biographies

Pedrita Alves Sampaio, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

José Marcos Teixeira de Alencar Filho, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Produtos Naturais

Nathália Andrezza Carvalho de Souza, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

Hyany Andreysa Pereira Teixeira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

Tarcísio Cícero de Lima Araújo, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

Pedro José Rolim Neto, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Produtos Naturais

Larissa Araújo Rolim, UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO

Farmácia e Tecnologia Farmacêutica

References

ARAÚJO, S.S.; SANTOS, M.I.S.; LIMA, C.A.; DIAS, A.S.; ANTONIOLLI, A.R.; ESTEVAM. Prospecção de patentes biotecnológicas com óleo essencial em microemulsão como agente anti-inflamatório. Revista GEINTEC, v.5, n. 2, p. 2058- 2065, 2015.

FREITAS, F.F.B.P.; LOPES, E.M.; SOUSA, D.P., ALMEIDA, F.R.C. Prospecção científica e tecnológica: monoterpeno gama terpineno e atividades farmacológicas. Revista GEINTEC, v.5, n. 2, p. 2103- 2112, 2015.

GUIA IPC, 2015. Guia de classificação internacional de patentes. Disponível em: <http://ipc.inpi.gov.br/ipcpub/static/pdf/guia_ipc/br/guide/guide_ipc.pdf> Acesso em: 17 de maio. 2016.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A.C.; VEIGA-JUNIOR, V.F.; GRYNBERG, N.F.; ECHEVARRIA, A. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, v. 25, n. 3, 2002.

OLIVEIRA, A.C.B.; OLIVEIRA, A.P.; GUIMARÃES, A.L.; OLIVEIRA, R.A.; SILVA, F.S.; REIS, S.A.G.B.; RIBEIRO, L.A.A.; ALMEIDA, J.R.G.S.., Avaliação toxicológica pré-clínica do chá das folhas de Morus nigra L. (Moraceae). Revista Brasileira de Plantas Medicinais. Campinas, v.15, n.2, p.244-249, 2013.

OZGEN, M.; SERC, E, S.; KAYA, C.. Phytochemical and antioxidant properties of anthocyanin-rich Morus nigra and Morus rubra fruits. Sci. Hortic. n.119, p.275–279, 2009.

OZRENK, K.; GAZIOGLU SENSOY, R.I.; ERDINC, C.; GULERYUZ, M.; AYKANAT, A. Molecular characterization of mulberry germplasm from Eastern Anatolia. African J. Biotechnol. v.9, n.1, p. 001–006, 2010.

PADILHA, M. M.; MOREIRA, L.Q.; MORAIS, F.F.; ARAÚJO, T.H.; SILVA, G.A. Estudo farmacobotânico das folhas de amoreira-preta, Morus nigra L., Moraceae. Revista Brasileira de Farmacognosia., Curitiba, v.20, n.4, 2010.

SILVA, J.C.; OLIVEIRA-JUNIOR, R.G.; RIBEIRO, F.P.R.A.; SANTOS, M.R.M.C.; QUINTANS-JÚNIOR, L.J.; ALMEIDA, J.R.G.S. Prospecção tecnológica de alcaloides usados no tratamento da dor. Revista GEINTEC, v.5, n. 3, p. 2284- 2295, 2015.

WIPO INTERNATIONAL PATENT CLASSIFICATION (Version 2016.1). WIPO. Disponível em: < http://www.wipo.int/portal/en/index.html > Acesso em: 10 de fevereiro de 2016.

Published

2018-06-19

Issue

Section

Management and Social Science