INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA: CAMINHOS PARA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Francisco Rapchan, Úrsula Maruyama, Araken Lima

Resumo


Esse artigo busca analisar aspectos da relação entre as diversas abordagens teóricas sobre a interação universidades-empresas, no âmbito dos membros da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (RFEPCT) e sua possível contribuição para a inovação no Brasil. A pesquisa bibliográfica e documental de cunho qualitativo, histórico-metodológico baseou-se nos Relatórios FORMICT (Formulário das Instituições Científicas e Tecnológicas) ano-base 2009 – 2014. Esta análise foi feita por meio da interação Universidade – Empresa, com enfoque na importância de sua contribuição e da função catalisadora exercida, mais recentemente, pelos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs), da RFEPCT. Os resultados indicam que embora haja um relativo empenho da Rede Federal na formação de redes e na aproximação com as empresas em busca de desenvolvimento de inovações, ainda há um longo caminho a ser percorrido principalmente na participação em redes de colaboração.


Texto completo:

PDF

Referências


ARBIX, G.; CONSONI, F. Inovar para transformar a universidade brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 26 (77), p. 205-251, 2011.

BONACCORSI, A.; PICCALUGA, A. A theoretical framework for the evaluation of university-industry relationships. R&D Management, 24 (3), p. 229-247, 1994.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2004.

BRITTO, G.; SANTOS, U.; KRUSS, G.; ALBUQUERQUE, E. Global innovation networks and university-firm interactions: na exploratory survey analysis. Rev. Bras. Inov. Campinas (SP), 34 (1), p. 163-192, 2015.

CASSIOLATO, J.; RAPINI, Márcia Siqueira; BITTENCOURT, Pablo. A relação universidade-indústria no sistema nacional de inovação brasileiro: uma síntese do debate e perspectivas recentes. Rio de Janeiro: RedeSist, 2007.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. MIT Sloan Management Review. 44 (3), p. 35–41, 2003.

DAGNINO, R. A Política de C&T Brasileira: três alternativas de explicação e orientação, Revista Brasileira de Inovação, 6 (2), julho/dezembro. 2007.

DAGNINO, R. A Relação Universidade-Empresa no Brasil e o Argumento da Hélice Tripla. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, 2 (2), p. 267-307, 2003.

DAGNINO, R.; MOTA, L. A rede de instituto federais como vetor de transformação sociotécnica, 10/2013, V Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade, 1 (1), pp.617-625, Curitiba, PR, Brasil, 2013.

ETZKOWITZ, H.; MELLO, J.; ALMEIDA, M. Towards ‘meta-innovation’ in Brazil: the evolution of the incubator and the emergence of a triple helix. Research Policy, 34, 411–424. 2005.

ETZKOWITZ, H. MIT and the Rise of Entrepreneurial Science. London: Routledge. 2002.

ETZKOWITZ, H. The evolution of the entrepreneurial university. In: International Journal of Technology and Globalisation, 1(1), 2004.

ETZKOWITZ, H. The triple helix: university-industry-government innovation. New York: Taylor & Francis E-library, 2008.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A Economia da Inovação Industrial. Campinas: Editora UNICAMP, 2008.

FREEMAN, C. Technology and economic performance: lessons from Japan. London: Printer, 1987.

GASSMANN, O.; ENKEL, E.; CHESBROUGH, H. The future of open innovation. R&D Management, [s.l.], 40(3), p.213-221, 2010.

GUERRERO, M. ; URBANO, D. The development of an entrepreneurial university. The Journal of Technology Transfer, 37(1), p.43-74, 2012.

LEMOS, D.; CARIO, S. Análise da interação universidade-empresa para o desenvolvimento inovativo a partir da perspectiva teórica institucionalista-evolucionária. Rev. Bras. Inov. Campinas (SP), 14 (2), p.361-382, 2015.

LEYDESDORFF, L.; ETZKOWITZ, H. The Triple Helix as a model for innovation studies. Science and Public Policy, 25 (3), p. 195-203, 1998.

LUNDVALL, B.A. National innovation systems – analytical concept and development tool. Industry and Innovation, 14 (1), p. 95119, 2007.

LUNDVALL, B.A. National System of Innovation: towards a theory of innovations and interactive learning. London.:Printer Publishers, 1992.

MACULAN, A-M., MELLO, J. M. C., University start-ups for breaking lock-ins of the Brazilian economy, Science and Public Policy, v. 36, n. 2, p. 109 – 114. 2009.

MARTINS, O. M. Os Núcleos de Inovação Tecnológica como estratégia das Políticas de Inovação do MCT (2004-2010). Latin American Journal of Business Management, 3(2), p. 226-247, 2012.

MCTI. FORMICT: Formulário de Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil: Relatório Formict 2014. Brasília: MCTI, 2010-2015.

MEDEIROS, J. A.; STAL, E.; SOUZA NETO. A difícil relação pesquisa-produção: experiência brasileira dos núcleos de inovação tecnológica (1981-1987). In: Seminário Latino Americano de Gestion Tecnologica, Anais. Cidade do México, p. 85-101, 1990.

MIRANDA, E. C.; FIGUEIREDO, P. N. Dinâmica da acumulação de capacidades inovadoras: evidências de empresas de software no Rio de janeiro e em São Paulo. Revista de Administração de Empresas - FGV, São Paulo, 50 (1), p. 075-093, 2011.

NELSON, R. National innovation systems: a comparative analysis. New York, Oxford: Oxford University, 1993.

OECD. Governance of Innovation Systems, Volume 1: Synthesis Report, Paris, OECD. 2005.

OLIVEIRA, R.M.; VELHO, L. Benefícios e riscos da proteção e comercialização da pesquisa acadêmica: uma discussão necessária. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., 17 (62), p. 25-54, 2009.

PACHECO, E.M. (Org.). Os institutos federais: uma revolução profissional e tecnológica. Brasília, DF: Fundação Santillana; São Paulo: Moderna, 2011.

PERUCCHI, V.; MUELLER, S. Estudo com as patentes produzidas e o perfil dos inventores dos Institutos Federais de educação, ciência e tecnologia. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, 12 (1), p.191-213, 2014.

PINTEC - Pesquisa de Inovação Tecnológica 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2008

PÓVOA, L. Patentes de universidades e institutos públicos de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil. 2008. 153 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Ciências Econômicas, UFMG, Belo Horizonte, 2008.

PUFFAL, D.; TEIXEIRA, R. Effects of University-Industry Interaction on Firm’s Innovation: Empirical Evidence from Brazilian Firms. RIAE, [s.l.], 13(01), p.07-21, 2014.

SCHWARTZMAN, Simon. Pesquisa universitária e inovação no Brasil. In: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogo entre experiências internacionais e brasileiras. Brasília: CGEE, 2008.

SCHWARTZMAN, S. Um espaço para a Ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. Brasília, Ministério da Ciência e Tecnologia, Centro de Estudos Estratégicos, 2001.

SCHWARTZMAN, S.; BOMENY, H.M.B.; COSTA, V. Tempos de Capanema. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra: Fundação Getúlio Vargas, 2000.

SOUZA, A. Gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Anais II IGLU/XI CIGUAS. Gestão universitária, cooperação internacional e compromisso social. XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Florianópolis. 7 a 9 de dezembro de 2011.

STAL, E.; FUJINO, A. A interação universidade-empresa no Brasil: o que mudou em 30 anos?. In: Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão de Tecnologia, Porto. XV ALTEC, 2013.

TEECE, D. J. Profiting from technological innovation: implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, 15 (1), p. 285-305, 1986.

TIGRE, P. Gestão da inovação: a economia da tecnologia do Brasil. São Paulo: Elsevier, 2008.

TORKOMIAN, Ana Lúcia Vitale. Panorama dos Núcleos de Inovação Tecnológica no Brasil. In: Transferência de Tecnologia: Estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi, 2009.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v7i3.931

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com