Simulações semi-empíricas em acústica: inovação tecnológica na predição de níveis de pressão sonora no interior de edificações

Jhonatha Junio Lopes Costa, Lucas Nonato de Oliveira

Resumo


A poluição sonora é um problema onipresente que beira o intolerável, causando danos à saúde das pessoas e ao meio ambiente. Dessa forma, dentre as estratégias para avaliar e combater a poluição sonora destacam-se as simulações computacionais. Nessa pesquisa, o programa Enhaced Acoustic Simulator for Engineers-EASE foi pela primeira vez utilizado em conjunto com dados experimentais visando simular o nível de pressão sonora (NPS) em dois ambientes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) – Campus Goiânia, sendo que, em ambientes educacionais a poluição sonora pode provocar prejuízos tanto para docentes como para discentes. As simulações foram comparadas com resultados experimentais mostrando-se eficientes para predizer o NPS em ambientes fechados, tendo como parâmetros apenas os níveis de pressão sonora da área externa. Portanto, o EASE pode ser utilizado como uma ferramenta útil para determinar NPS com dados provenientes de medições experimentais reduzindo assim custos operacionais e consequentemente investigando inovações na área de acústica.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Acústica Avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade - Procedimento: NBR 10151:2000. Rio de Janeiro: ABNT, 2000.

______. Níveis de ruído para conforto acústico: NBR 10152:1987. Rio de Janeiro: ABNT, 1987.

______. Requisitos gerais para a competência de laboratórios de ensaio e calibração: NBR ISO/IEC 17025, 2005.

BRASIL, Lei 11.892 de 29 de dezembro de 2008 - Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, 2008.

DE CAMARGO.; T. F. BARBOSA, D. A.; TELES, L. C. S. Características da fonetografia em coristas de diferentes classificações vocais. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. V. 12, nº1, p. 10-17, 2007.

FLETCHER, G.; MUNSON, W. A. Loudness, Its Definition, Measurement and Calculation. The Bell System Technical Journal. V. 12, nº 4, p. 377-410, 1933.

HÜMMELGEN, I. A. O Clarinete – Uma introdução à análise Física do instrumento. Caderno Brasileiro de Ensino de Física. V. 13, nº 2, p. 139-153, 1996.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 226: Acoustics — Normal equal – loudness - level contours, 2003.

MÖSER, Michael. Trad. Stefan Zimmenrmann and Rebecca Ellis. Engineering Acoustics: An Introduction to Noise Control. 2ª Ed. Springer Science & Business Media, Berlin, Germany, 2009.

PACHECO, E. M; PEREIRA, L. A. C. SOBRINHO, M. D. Educação profissional e tecnológica: das Escolas de Aprendizes Artífices aos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. T&C Amazônia, Ano VII, nº 16, p. 2-7, 2009.

PEREIRA, R. P; TOLEDO, R. N; DO AMARAL, J. L. G; GUILHERME, A. Qualificação e quantificação da exposição sonora ambiental em uma unidade de terapia intensiva geral. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia, V.69, nº 6, p. 766-771, 2003.

PEREIRA, R. N. Caracterização Acústica de Salas. 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia Física e Tecnológica). Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal, 107 p.

PEREIRA, J. V. O PROEJA no Instituto Federal de Goiás – Campus Goiânia: Um estudo sobre os fatores de acesso e permanência na escola. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília, Brasília, 154 p.

SOARES, P.; RIBEIRO, R.; DOS SANTOS, G.; CONSTANTINI, A.; ZANNIN, P. H. T. Análise espectral do ruído no entorno do Campus Politécnico da Universidade Federal do Paraná. RA'E GA: O Espaço Geográfico em Análise. V. 32, p. 73-94, 2014.

TAMANINI, C. A. M. Reconstrução acústica das salas de cinema projetadas pelo arquiteto Rino Levi. 2011. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade de São Paulo, São Paulo, 152 p.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v6i2.908

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]