Gestão da propriedade intelectual no processo de incubação de empresas da região centro-oeste

Jardel Pauber Matos e Silva, Eduardo Winter

Resumo


Incubadoras de empresas são habitats de inovação dinâmicos capazes de fomentar empreendimentos, dispondo de infraestrutura gerencial, intelectual e física adequada, de maneira a propiciar ao empreendedor (nascente ou em crescimento) estabilidade inicial para gerar emprego e renda impactando positivamente no desenvolvimento econômico e social no mercado em que se encontra inserido. Inovar, empreender e proteger a produção tecnológica contribui para o desenvolvimento econômico e social. Assim, este artigo tem como objetivo analisar a gestão da propriedade intelectual gerada no processo de incubação de empresas (compreendido as fases de incubação e graduação) nas incubadoras da Região Centro-Oeste brasileira. Com os dados obtidos na pesquisa verificou-se que a relação entre o número de empreendimentos incubados (e graduados), e a proteção de ativos de PI ainda é muito baixa na Região. Fatores como a falta de conhecimento dos gestores, além de pouco incentivo para a proteção e ausência de NIT em Universidade foram considerados relevantes para o quadro de tal escassez.


Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, J. E. A propriedade intelectual no processo de incubação de empresas. 2006. 30f. Monografia (Faculdade de Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG. Disponível em: Acesso em: 28/05/2014.

ANPROTEC. Estudo, Análise e Proposições sobre as incubadoras de Empresas no Brasil – relatório técnico. Brasília: ANPROTEC, 2012.

ARANHA, J. A. S. Modelos de Incubadoras. infoDev Incubator Support Center. Brasília: iDISC, 2003.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Boletim Regional. Brasília. 2010. Disponível em:

Acesso em: 24/03/2016.

CHERUBINI, E. Propriedade Intelectual como ferramenta da gestão da tecnologia em Universidades. Revista ADMpg Gestão Estratégica, Ponta Grossa, v. 1, n. 1, p.85-90, 2008.

COOPER, A. C. The role of incubator organizations in the founfing of growth-oriented firms. Journal of Business Venturing 1, 75-86, New York: Elsevier Science Publishing, 1985.

DORNELAS, J. C. A. Planejando incubadoras de empresas – Como desenvolver um plano de negócios para incubadoras de empresas. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

ETZKOWITZ, H. From knowledge flows to the triple helix: The transformation of academic-industry relations in the USA. Industry and Higher Education, London, v. 10, n. 6, p. 337-342, dez. 1996. Disponível em: . Acesso em 09/09/2015.

ETZKOWITZ, H; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National System and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. Research Policy, 29(2), p. 109-123, 2000.

FIATES, G. G. S. et al. Fatores fundamentais para o desempenho de incubadoras. In: XIII Seminário em Administração – SEMEAD. Anais. São Paulo, SP, 2010.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da Inovação Industrial. Clássicos da Inovação. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

IBGE. Produto Interno Bruto a Preços Correntes e Produto Interno Bruto per capita segundo as Grandes Regiões, as Unidades da Federação e os Municípios 2010-2013. Disponível em: . Acesso em 25/03/2016.

KRAEMER, M. E. P. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva. Gestiopolis, 2004. Disponível em: http://www.gestiopolis.com/recursos3/docs/ger/capintel.htm> Acesso em: 12/10/2015.

IBGE. Estimativas da População Residente no Brasil e Unidades da Federação. Disponível em: < ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2014/estimativa_dou_2014.pdf>. Acesso em 25/03/2016.

LUZ, A.A.; et al. Habitats de inovação e a sinergia do potencial acadêmico, tecnológico e inventivo em Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Revista Espacios, Vol. 35, n.6. 2014.

MCTI. O seminário “A Gestão da Propriedade Intelectual pelas Instituições de Fomento a Ciência, Tecnologia e Inovação”. Grupo de Trabalho de Assessoramento Interno em Propriedade Intelectual do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. 2013.

MELLO, J. M. C. A Abordagem Hélice Tríplice e o Desenvolvimento Regional. II Seminário Internacional Empreendedorismo, Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local. Rio de Janeiro, RJ, Brasil 02 a 04 de agosto de 2004. Disponível em: Acesso em: 15/04/2015.

NBIA. Benchmarking of Business Incubators. Centre for Strategy & Evaluation Services. 2002.

OCDE. MANUAL DE OSLO. Terceira Edição. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Finep, 2005.

PEREIRA, L. B. Processo empreendedor de spin-offs universitárias – principais fatores determinantes. Dissertação. (Mestrado em Administração) – Centro de Pós-graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

RASOTO, V. I. Estrutura de referência para incubadoras pertencentes a rede de habitats de inovação tecnológica e vinculadas a instituições de ensino. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SANTOS, R. F.; SCHLINDWEIN, M. M. Análise de Indicadores de Desenvolvimento da Região Centro-Oeste do Brasil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 1, p. 936-946, jan./jul. 2014.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SEBRAE. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília. 2014.

SENHORAS, E. M. As redes do desenvolvimento econômico e social no sistema de ensino superior brasileiro. Liinc em Revista, v.4, n.1, p. 138-153. Rio de Janeiro, RJ, 2008.

SPOLIDORO, R. et al. (sixty-two co-authors) New models for Science and Technology Parks in response to the growing role of the cities as Innovation Habitats: perspectives from South America, Proceedings of the 30th World Conference on Science and Technology Parks, International Association of Science Parks and Areas of Innovation - IASP, Recife, Brazil, 2013, Tradução em português por SPOLIDORO, R., 2014.

SPOLIDORO, R. Habitats de inovação e empreendedores: agentes de transformação das estruturas sociais. TECBAHIA. Revista baiana de tecnologia. v. 14. n. 3, p. 9-21. 1999.

VERGARA, S. C. Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VILLELA, Taís Nasser. A gestão da propriedade intelectual gerada no âmbito do processo de incubação de empresas na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC RJ. 174f. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) – Academia de Propriedade Industrial, Inovação e Desenvolvimento. Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2011.

SOUZA, D. L. O. de. Ferramentas de gestão de tecnologia: um diagnóstico de utilização nas pequenas e médias empresas industriais da região de Curitiba. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia. Curitiba: CEFET-PR, 2003.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v6i2.896

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]