ORIENTAÇÃO PARA APRENDIZAGEM, INOVATIVIDADE ORGANIZACIONAL E DESEMPENHO ORGANIZACIONAL SOB A ÓTICA DE EMPRESAS INTERNACIONALIZADAS

Nathalia Berger Werlang, Daiane Follman Orth

Resumo


A orientação para aprendizagem e a inovatividade organizacional vem contribuindo para que as empresas obtenham melhor desempenho organizacional. Afirma-se que estes elementos são importantes para que a empresa torne-se inovadora e receba destaque no mercado. Este trabalho teve como objetivo identificar a importância da orientação para aprendizagem e da inovatividade para o desempenho organizacional de empresas internacionalizadas do Estado de Santa Catarina. Para atingir os objetivos propostos por esta pesquisa, foi utilizada a abordagem quantitativa e descritiva. Para a coleta de dados, adotou-se a técnica survey, e como ferramenta de aplicação, foi empregado o questionário de Likert 5 pontos. Obteve-se como amostra final da pesquisa 15 questionários válidos, tabulados com o auxílio do Google Drive e Microsoft Excel. Para análise dos dados utilizou-se da estatística descritiva e univariada com auxílio do software IBM SPSS Statistics 21.0. Os resultados apontam que as empresas exportadoras encontram-se no município de Joinville, são indústrias que atuam principalmente no setor de têxteis/ calçado/moda e madeira/mobiliário. As empresas em sua maioria exportam para o Paraguai e Uruguai, por meio da exportação direta, utilizando a modalidade de transporte rodoviário. Quanto a orientação para aprendizagem, pode-se concluir que o gestor possui acesso aos dados que precisa para desempenhar o trabalho de maneira eficiente e eficaz. As dimensões da inovatividade organizacional com maior destaque foram a criatividade, abertura para mudanças, orientação futura e proatividade. Finalizando, pode-se afirmar que os gestores encontram-se satisfeitos com o desempenho organizacional dos seus negócios.


Texto completo:

PDF

Referências


ABBADE, E. B.; VIZZOTTO, T. P.; NORO, G. B. Avaliação da orientação para a aprendizagem: Um estudo de caso na empresa Supertex de Santa Maria/RS. Revista de Negócios, v.17, n.2, p.21–40, Blumenau, 2012.

ANTUNES, J.; et al. Uma revolução na produtividade: a gestão lucrativa dos postos de trabalho. Porto Alegre: Boockman, 2013. Disponível em:< http://books.google.com.br/books?id=y_rbKk7CvUgC&pg=PA4&dq=inovatividade&hl=ptBR&sa=X&ei=Tf42U6CQEbIsASg14KQDw&ved=0CDwQ6AEwAg#v=onepage&q=inovatividade&f=false> Acesso em: 29 de Março de 2014.

CALANTONE, R. J.; CAVUSGIL, S. T.; ZHAO, Y. Learning orientation, firm innovation capability, and firm performance. Industrial Marketing Management, v.31, p. 515–524, 2002.

CAROLINO, F. S. Aprendizagem organizacional no progresso mundial. Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS, Brasília, 2012.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. São Paulo: Publifolha, 1999.

DOGSON, M. Organizational learning: a review of some literatures. Organization Studies, v.14, n. 3, p. 375 – 394, 1993.

FLORIANI, D. E. O grau de internacionalização, as competências e o desempenho da PME brasileira. Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, 2010.

FORTE, S. H. A. C.; MARINHO, A. C. S.; OLIVEIRA, O. V. Estratégia e desempenho: um estudo sobre a internacionalização das maiores empresas exportadoras de castanhas de caju. Revista Gestão e Planejamento, v. 11, n. 1, p. 44-59, Salvador, 2010.

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE. Questionário para Identificação dos Gargalos às Exportações de Micro e Pequenas Empresas: Avaliação dos Resultados. 2010. Disponível em:< http://www.desenvolvimento.gov.br/arquivos/dwnl_1292933024.pdf> Acesso em: 04 de Maio de 2014.

GARCIA, R.; CALATONE, R. A critical look at technological innovation typology and innovativeness terminology: a literature review. The Journal of Product Innovation Management, p. 10 —132, 2002.

GARVIN, D. A.; et al. Aprender a aprender. In: HSM Management, 1998. Disponível em: < http://www.perspectivas.com.br/p8.htm> Acesso em: 06 de Abril de 2014.

GODOY, A. L. Tutorial: Indicadores de Desempenho Organizacional. Centro de Desenvolvimento Profissional e Tecnológico, 2009.

GUPTA, A. K.; GOVINDARAJAN, V. Business Unit Strategy, Managerial Characteristics, and Business Unit Effectiveness at Strategy Implementation. Academy of Management Journal, v. 27, n. 1, p. 25-41, 1984. HÜBNER, S. B. A Learning Organization. Harvard Business Review, v. 75, n.5, p.1- 20, 2002.

HULT, G. T. M.; KETCHEN JR; D. J.; NICHOLS JR., E. L. Organizational learning as a strategic resource in supply management. Journal of Operations Management, v. 21, p. 541–556, 2003.

HURLEY, R. F.; HULT, G. T. M. Innovation, market orientation, and organizational learning: An integration and empirical examination. Journal of Marketing, v. 62, p. 42–54,1998.

LUITZ, M. P.; REBELATO, M. G. Avaliação do desempenho organizacional. In: XXIII ENEGEP- Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2003. Anais... Ouro Preto, 2003.

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academic of Management Review, v. 21, n.1, p.135-172, 1996.

NETO, E. A. N. Gestão do Conhecimento como Meio de Alavancagem do Desempenho Organizacional e Obtenção de Vantagem Competitiva. In: SEGeT, 2011, Resende. Anais... Resende: VIII Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, p. 1 – 15, 2011.

REED, R.; DEFILLIPPI, R. J. Causal ambiguity, barriers to imitation and sustainable competitive advantage. Academy of Management Review, v. 15, n.1, p. 88 - 102, 1990.

ROEHRICH, G. Consumer innovativeness Concepts and measurements. Journal of Business Research, p. 671 – 677, 2004.

SEBRAE. Estudo das Indústrias exportadoras e potenciais exportadoras da Bahia. Disponível em: http://www.fieb.org.br/Adm/FCKimagens/file/SDI/2012/OUTUBRO/Pesquisa%20CIN%2030_out_FINAL.pdf> Acesso em: 04 de Maio de 2014.

SHOHAM, A.; et al. Testing an organizational innovativeness integrative model across cultures. Journal of Engineering and Technology Management, v, 29, n. 2, p. 226 – 240, 2012.

SILVA, J. C. G. Avaliação do Desempenho organizacional. Universidade de Aveiro – Departamento de Gestão, Economia e Engenharia Industrial, 2005.

SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia valor econômico de inovação nas empresas. São Paulo: Globo, 2003. Disponível em:< http://books.google.com.br/books?id=jnka43VmmwsC&printsec=frontcover&dq=gest%C3%A3o+da+inova%C3%A7%C3%A3o&hl=pt-BR&sa=X&ei=T-kuU6qUB4u0kAe2kYC4BQ&ved=0CCwQ6AEwADgK#v=onepage&q=gest%C3%A3o%20da%20inova%C3%A7%C3%A3o&f=false> Acesso em: 23 de Março de 2014.

SKROBOT, L. C. A gestão do conhecimento na pequena empresa. Brasília: SEBRAE, 2010. Disponível em:< http://www.sebrae.com.br/uf/roraima/acesse/boletim-inovacao-e-tecnologia/cartilha_gestao_do_conhecimento.pdf> A cesso em: 12 de Abril de 2014.

SUJAN, H.; WEITZ, B. A.; KUMAR, N. Learning orientation, working smart, and

effective selling. Journal of Marketing, v. 58, n. 3, p. 39 - 52, 1994.

WERLANG, N. B. Orientação para aprendizagem, inovatividade organizacional e desempenho organizacional em meios de hospedagem. Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2014.

ZILLI, J. C.; CZARNOBAY, A.; TOÉ, R. A. D. O processo de internacionalização das empresas exportadoras de pedras preciosas de soledade – RS. In: Convibra Administração, 2012, Anais... IX Convibra Administração – Congresso Virtual Brasileiro de Administração, 2012.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v7i3.866

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com