Prospecção Tecnológica e Científica do Milho Roxo (Zea Mays L.) Technological and Scientific Exploration of Purple Corn (Zea mays L.)

Rejane Teixeira do Nascimento

Resumo


O milho (Zea mays L.) é uma gramínea pertencente à família Poaceae. O milho roxo, uma variedade diferenciada de milho, é conhecido por apresentar alto conteúdo de antocianinas, grupo de pigmentos pertencentes à classe dos flavonoides. O objetivo dessa pesquisa foi realizar uma prospecção, baseada na busca de patentes e produção científica, a fim de avaliar toda a informação e apresentar uma visão geral de desenvolvimento tecnológico e científico e com isso perceber o estado da técnica, as áreas de interesse e aplicações do milho roxo. As buscas foram realizadas nas bases de patentes INPI, EPO, WIPO e USPTO e nas bases de periódicos Web of Science e Scopus. Apenas um pedido de patente foi encontrado na base do INPI.  E de acordo com o CIP (Classificação Internacional de Patentes), a classe A23 foi a mais abrangente. Com o refinamento das buscas, observa-se que os termos medicina, câncer e aditivo alimentar são os que se destacam, o que demonstra que o milho roxo tem potencial para ser explorado. A maioria dos artigos publicados no Brasil são voltados para a Agricultura e tecnologia dos alimentos com exploração da atividade antioxidante, sendo que o baixo número de publicações (apesar do acréscimo de estudos na última década) relacionados ao milho roxo, pode ser devido ao fato de a variedade não ser bem difundida. De um modo geral, a prospecção mostra que o milho roxo tem potencial para ser explorado de forma bastante promissora.


Texto completo:

PDF

Referências


CHANG,Y.C.; HUANG, K.X.; HUANG, A.C.; HO, Y.C.; WANG, C.J., Hibiscus anthocyanins- rich extract inhibited LDL oxidation and oxLDL-mediated macrophages apoptosis, Food and Chemical Toxicology, v. 44, n.7, p. 1015, 2006.

CHEN, P.N.; KUO, W.H.; CHIANG, C.L.; CHIOU, H.L.; SHOU, Y.S.; CHUC, S.C. Black rice anthocyanins inhibit cancer cells invasion via repressions of MMPs and u-PA expression, Chemico-Biological Interactions, v. 163, n.3, p. 218, 2006.

DUETE, R. R. C.; MURAOKA, T.; SILVA, E. C S.; TRIVELIN, P. C. O.; AMBROSANO, E. J. Viabilidade econômica de doses e parcelamentos da adubação nitrogenada na cultura do milho em LATOSSOLO VERMELHO Eutrófico. Acta Scientiarum Agronomy. v. 31, n. 1, p. 175-181, 2009.

ESCRIBANO-BAILÓN, M.T.; SANTOS-BELGA, C.; RIVASGONZALO, J.C. Anthocyanins in cereals. Journal of Chromatography A. 1054, 129-141 (2004).

FLESCHHUT, J.; KRATZER, F.; RECHKEMMER, G.; KLLING, S.E. Stability and biotransformation of various dietary anthocyanins in vitro. European Journal of Nutrition, v.45. p.7-18, 2006.

GAMARRA, F.M.C; LEME, G.C; TAMBOURG, E.B; BITTENCOURT, E. Extração de corantes de milho. Ciência e Tecnologia de Alimentos. 28, 62-69 (2009).

GRIFFITHS, A. J. F.; WESSLER, S. R. LEWOTIN, R. C; CARROLL, S. B. Introdução a Genética. 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 712p.

HULSHOF, P.J.M.; KOSMEIJER-SCHUIL, T.; WEST, C. E.; HOLLMAN, P.C.H. Quick screening of maize kernels for provitamin A content. Journal Food Composition Analysis., v. 20, p. 655–661, 2007.

KHAMPAS. S.; KAMOL LERTRA, T.; LOMTHAISONG, K.; SIMIA, S.; SURIHAM, B. Effect of location, genotype and their interactions for anthocyanins and antioxidante activities of purple waxy corn cobs. Turkish Journal of Field Crops. Volume 20, issue 1, 2015, pages 15-23.

KUHNEN, S.; LEMOS, P.M.M.; CAMPESTRINI, L.H.; OGLIARI, J.B.; DIAS, P.F.; MARASCHIN, M. Carotenoid and anthocyanin contents of grains of Brazilian maize landraces. Journal Science Food Agricuture. v. 91, n. 9, p. 1548-1553, 2011.

LANE, J.R. Microdetermination of Falone residues in food crops. Journal of Agricultural and Food Chemistry. Volume 9, Issue 5, 1961, Pages 377-380.

MAYERHOFF, Z. D. V. L. Uma análise sobre os estudos de Prospecção Tecnológica. Cadernos de Prospecção. v 1. n. 1. p.7-9. 2008.

PAES, M C. D. Aspectos Físicos, Químicos e Tecnológicos do Grão de Milho. Sete Lagoas: EMBRAPA-CNPMS, 2006. 6 p. (EMBRAPA-CNPMS. Circular Técnica, 75).

PEDRESCHI, R.; CISNEROS-ZEVALLOS, L. Phenolic profiles of andean purple corn (Zea mays L.). Food Chemistry, v. 100, n. 3, p. 956-963, 2007.

PRIOR, R.L.; W.U, X. Anthocyanins: Structural characteristics that result in unique metabolic patterns and biological activities. Free Radical Research, v.40, n10. P.1014-1028, 2006.

STANQUEVIS, R. Otimização de um extrato aquoso de milho roxo (Zea mays L.) rico em antocianinas e perfil de degradação. Dissertação de Mestrado. 2013, 118p. Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. Departamento de Alimentos e Nutrição Animal.

SOUSA, C.M.M.; SILVA, I.R.; VIERA-JR, G.M.; AYRES, M.C.C.; COSTA, C.L.S.; ARAUJO, D.S.; CAVALCANTE, L.C.D.; BARROS, E.D.S.; ARAUJO, P.B.M.; CHAVES, M.H. Fenóis totais e atividade antioxidante de cinco plantas medicinais. Química Nova 30, 351-355 (2007).

TEIXEIRA, L. P. Prospecção tecnológica: importância, métodos e experiências da Embrapa Cerrados. Embrapa Cerrados, Planaltina, DF. 2013. 34p.

TOUFEKTSIAN, M.C., LORGERIl, M. de; NAGY, N.; SALEN, P.; DONATI; M.B.; GIORDANO, L.; MOCK, H.P.; PETEREK, S.; MATROS, A.; PETRONI, K.; PILU, R.; ROTILLO, D.; TONELLI, C.; LEIRIS,J. de; BOUCHER, F.; MARTIN, C. Chronic dietary intake of plant-derived anthocyanins protects the rat heart against ischemia reperfusion injury, Journal of Nutrition, 138(4), 747 (2008).

WATTANATHORN, J.; THIRAPHATTHANAVONG, S. M.; THUKHAMMEE, W.; LERTRAT, K.; SURIHARN B. The Combined Extract of Zingiber officinale and Zea mays (Purple Color) Improves Neuropathy, Oxidative Stress, and Axon Density in Streptozotocin Induced Diabetic Rats. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. Volume 2015 (2015), Article ID 301029, 11 pages. http://dx.doi.org/10.1155/2015/301029.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v9i4.856

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]