A inovação aberta na perspectiva da hélice tríplice: observações da relação universidade-empresa na transferência tecnológica

Authors

  • Paulo Henrique Martins Desidério Universidade Federal de Mato Grosso - Professor Efetivo - Curso de Administração Universidade Presbiteriana Mackenzie - Doutorando em Administração de Empresas
  • Moisés Ari Zilber Universidade Presbiteriana Mackenzie -Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas - PPGAE

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v6i2.846

Abstract

A relação universidade-empresa com foco no desenvolvimento de inovação pode proporcionar recortes teóricos relacionados aos papéis de cada instituição no processo de pesquisa tecnológica e suas aplicações no mercado. A hélice tríplice que envolve governo-universidade-empresa promove demandas de cada elo em uma inovação. No entanto, essa sinergia não é linear quando se trata de interação dos elos da hélice, em que governos buscam desenvolvimento econômico com ênfase social, universidades direcionam suas pesquisas à academia e as empresas maximizam seus mercados com foco na lucratividade. Dessa forma, a inovação aberta surge como terminologia que estimula as empresas na busca de tecnologias externamente em universidades, centros de pesquisa, fornecedores e outras empresas. Na realidade brasileira, a intensidade da pesquisa inovativa transita nos campi universitários, um caminho natural às empresas interagirem com foco em absorção tecnológica. Por esse contexto, esta pesquisa objetivou identificar como é o processo de inovação aberta em empresas que interagem com escritórios de transferência tecnológica em universidades brasileiras. Foram analisadas as interações entre as demandas das empresas por licenciamento de tecnologias através dos escritórios e as potenciais barreiras pela percepção dos gestores dos escritórios e das empresas. A orientação metodológica da pesquisa foi qualitativa e descritiva, com identificação de categorias que apontam as barreiras em ambos os atores pesquisados. Os resultados apresentaram que os dois atores integrantes da hélice tríplice, universidade e empresa, possuem focos diferenciados em uma relação de transferência e, em muitos casos, são estimulados por incentivos governamentais para potencializar a interação em demandas muito específicas.

 

Author Biographies

Paulo Henrique Martins Desidério, Universidade Federal de Mato Grosso - Professor Efetivo - Curso de Administração Universidade Presbiteriana Mackenzie - Doutorando em Administração de Empresas

Graduação em Administração de Empresas pela Fundação de Ensino Superior de Itumbiara (1997), MBA pela Fundação Getúlio Vargas-FGV (2001), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Uberlândia-UFU (2012) e doutorando em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie-UPM. Atualmente é professor efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Rondonópolis. Foi professor convidado de Pós-Graduação - MBA na UFT. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Micro e Pequena Empresa e Planejamento Estratégico. Atuou no Grupo Algar, do interior de Minas Gerais, nas suas regionais e matriz em Uberlândia(MG) como Analista de Processos de Telecom. Foi sócio-proprietário da Logocell Telecomunicações e Serviços Ltda, franquia de telecomunicações. Linhas de pesquisas em empreendedorismo, inovação tecnológica, inovação aberta, projetos de negócios, redes globais de inovação, parques tecnológicos e gestão de pequenas empresas.

Moisés Ari Zilber, Universidade Presbiteriana Mackenzie -Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração de Empresas - PPGAE

Economista pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Doutor e Mestre em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração pela FEA/USP. Curso de especialização na França, BEICIP - Bureau dÉtudes Industrielles et du Petrole. Professor Doutor da área de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Atualmente exerce o cargo de Decano (Pró Reitor) de Pesquisa e Pós Graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Preside a Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie é membro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão e do Conselho Universitário da mesma Universidade. Foi diretor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie que congrega as escolas de Administração, Economia e Ciências Contábeis e os cursos de Mestrado e Doutorado em Administração de Empresas e o Mestrado Profissional em Controladoria Empresarial. Foi editor da RAM - Revista de Administração Mackenzie classificada pela CAPES como um periódico no estrato B1, na área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo. No CCSA - Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Mackenzie, exerceu a função de Coordenador de Pesquisa envolvendo 13 núcleos de estudos e pesquisas. Atuou também como Coordenador do NEPEI - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Estratégia e Inovação. É membro do Conselho Editorial Acadêmico da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Além de ser parecerista da- RAUSP. Revista de Administração,- PIBIC, -, RAE - Revista de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas - RAM. Revista de Administração Mackenzie, - RAC. Revista de Administração Contemporânea, Revista Gestão e Regionalidade do IMES, - GEPROS, - ENANPAD, - BALAS, - 3 Es - ENCONTRO DE ESTUDOS EM ESTRATÉGIA , ACADEMY OF MANAGEMENT, IBEROAMERICAN, CLADEA, entre outros. É consultor ad hoc do CNPq e da FAPESP. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Estratégia, Planejamento Estratégico e Inovação. Desenvolve estudos nos setores hospitalar, eletroeletrônico, planos de saúde, alumínio, energia elétrica, petroquímica, entre outros. Em trabalho bibliometrico apresentado e constante dos anais do SIMPOI de 2010 pelos professores Ropelato M.; Silveira A.; Machado Denise Del Pra da Universidade Regional de Blumenau foi considerado como um dos cinco autores que mais publicaram trabalhos na área de inovação no período 2006/2009 no Brasil em eventos e revistas. Teve no ENANPAD de 2007 trabalho indicado entre os três melhores na área de estratégia de organizações. No ENANPAD de 2008 foi considerado dentre os cinco melhores avaliadores das revistas da ANPAD.

References

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2002. Título original: Qualitative researching with text, image and sound: a practical handbook.

BRITO CRUZ, C. H.; PACHECO, C. A. Conhecimento e inovação: desafios do Brasil do século XXI (2008). Disponível em: <http://www.inovacao.unicamp.br/report/inte-pachecobrito.pdf>. Acesso em 30 mai. 2014.

BURCHARTH, A. L.; KNUDSEN, M. P.; SØNDERGAARD, H. A. Neither invented nor shared here: the impact and management of attitudes for the adoption of open innovation practices. Technovation, v. 34, p. 149-161, 2014.

BURLEM, W. S. Motivations for technology transfer. Journal of Technology Transfer, v. 1, n. 2. 1977.

CHESBROUGH, H. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press, 2003. 272 p.

______. Business model innovation: it´s not just about technology anymore. Strategy & Leadership, v. 35, n. 6, p. 12-17, 2007.

CRESWELL, J. H. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CHRISTENSEN, J. F. Whiter core competency for the large corporation in an open innovation world? In: CHESBROUGH, H; VANHAVERBEKE, W.; WEST, J. Open innovation: researching a new paradigm. London: Oxford University Press, 2006. p. 35-61.

DESIDÉRIO, P. H. M.; ZILBER, M. A. Barreiras no processo de transferência tecnológica entre agências de inovação e empresas: observações em universidades públicas e privadas. Revista Gestão & Tecnologia, v. 14, n. 2, p. 101-126, 2014.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Como a USP transfere tecnologia? Revista O&S, v. 21, n. 70, p. 489-508, 2014.

DODGSON, M.; GANN, D.; SALTER, A. The role of technology in the shift towards open innovation: the case of Procter & Gamble. R & D Management, v. 36, n. 3, p. 333-346, 2006.

DU, J.; LETEN, B.; VANHAVERBEKE, W. Managing open innovation projects with science-based and market-based partners. Research Policy, v. 43, p. 828-840, 2014.

ETZKOWITZ, H. Entrepreneurial scientists and entrepreneurial universities in American Academic Science. Minerva, v. 21, n.2, p. 198-233, 1983.

______. The capitalization of knowledge: the decentralization of United States industrial and science policy from Washington to the States. Theory and Society, v. 19, n. 1, p. 107-121, 1990.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The future location of research and technology transfer. The Journal of Technology Transfer, v. 24, n. 2-3, p. 111-123, 1999.

FLORES, J. G. Análisis de datos cualitativos - aplicaciones a la investigación educativa. Barcelona: PPU, 1994.

FRIEDMAN, J.; SILBERMAN, J. University technology transfer: do incentives, management, and location matter? Journal of Technology Transfer, v. 28, p. 17-30, 2003.

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, v. 16, n. 4, p. 624-638, 2009.

GREINER, M. A.; FRANZA, R. M. Barriers and bridges for successful environmental technology transfer. Journal of Technology Transfer, v. 28, p. 167-177, 2003.

HUNG, K. P.; CHOU, C. The impact of open innovation on firm performance: the moderating effects of internal R&D and environmental turbulence. Technovation, v. 33, p. 368-380, 2013.

LAURSEN, K.; SALTER, A. Open for innovation: the role of openness in explaining innovation performance among U.K. manufacturing firms. Strategic Management Journal, v. 27, p. 131-150, 2006.

LEYDESDORFF, L.; ETZKOWITZ, H. The triple helix as a model for innovation. Science and Public Policy, v. 25, n. 3, p. 195-203, 1998.

LEYDESDORFF, L.; ZAWDIE, G. The triple helix perspective of innovation systems. Technology Analysis and Strategic Management, v. 22, n. 7, p. 789-804, 2010.

LUNDVALL, B. Å. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G.; FREEMAN, C.; NELSON, R.; SILVERBERG, G.; SOETE, L. Technical change and economic theory. London: Pinter Publishers, 1988. p. 349-369.

MACHO-STADLER, I.; PÉREZ-CASTRILLO, D.; VEUGELERS, R. Licensing of university inventions: the role of a technology transfer office. International Journal of Industrial Organization, v. 25, p. 483-510, 2007.

O´KANE, C.; MANGEMATIN, V.; GEOGHEGAN, W.; FITZGERALD, C. University technology transfer offices: the search for identity to build legitimacy. Research Policy, v. 44, n. 2, p. 421-437, 2015.

RODRIGUES, C.; MELO, A. I. The triple helix model as inspiration for local Development policies: an experience-based perspective. International Journal of Urban and Regional Research, v. 37, n. 5, p. 1675-1687, 2013.

ROTHAERMEL, F. T.; THURSBY, M. University-incubator firm knowledge flows: assessing their impact on incubator firm performance. Research Policy, v. 34, p. 305-320, 2005.

SÁBATO, J.; BOTANA, N. La ciencia y la tecnologia en el desarollo futuro de America Latina. Revista de La Integracíon, n. 3, p. 15-36, 1968.

STAL, E.; FUJINO, A. As relações universidade-empresa no Brasil sob a ótica da lei de inovação. Revista de Administração e Inovação, v. 2, n. 1, p. 5-19, 2005.

WEST, J.; SALTER, A.; VANHAVERBEKE, W.; CHESBROUGH, H. Open innovation: the next decade. Research Policy, v. 43, p. 805-811, 2014.

Published

2016-06-14

Issue

Section

Engineering and Technology