Economia criativa na produção científica brasileira em administração: mapeamento bibliométrico nas bases Anpad, Capes e Spell.

Patricia Grenfell Oliveira, William Brito Freitas Filho, Renata Aquino Ribeiro, Augusto César Aquino Cabral, Sandra Maria Santos

Resumo


A economia criativa ganhou grande repercussão nos últimos anos, devido a seu forte papel dinâmico, onde sua principal característica é o impacto de seus bens e serviços em vários setores da economia, o que tem provocado processos de mudanças sociais, políticas, econômicas e organizacionais profundas. Contudo, na perspectiva da gestão, o tema tem sido pouco explorado. Este artigo visa mapear a produção científica brasileira sobre economia criativa, tema que tem se destacado cada vez mais, tanto por suas características voltadas para inovação, como por ser objeto de estudo na abordagem da teoria institucional e pelo papel de destaque na economia mundial. A metodologia do estudo compreende ainda o uso da análise bibliométrica, com foco em produções sobre a economia criativa nos anais da ANPAD, no portal de periódicos SPELL e no banco de teses da CAPES, com o suporte do software Zotero. Tem-se como objetivo geral desta pesquisa catalogar e caracterizar das produções científicas nas bases mencionadas com identificação de suas temáticas. São objetivos específicos: classificar as produções conforme as principais dimensões sobre economia criativa; e evidenciar as áreas de economia criativa em que os estudos mais se concentram. Os resultados desta pesquisa apontam caminhos principais que a produção científica brasileira tem trilhado nos estudos sobre a economia criativa e o que ainda é necessário investigar nestas atividades que crescem cada vez mais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. M. O centro antigo da cidade de Salvador como território criativo. 2011. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Gestão Social) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2011.

BARDIN, I. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

DARIO, N. CARVALHO, J. Uma introdução à temática das indústrias criativas: definições, características e panorama brasileiro In: Anais XVIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste - Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Bauru, São Paulo. 2013. DisponÌvel em: . Acesso em: 28 out. 2014.

BENDASSOLLI, Pedro F. et al . Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Rev. adm. empres., São Paulo, v.49, n.1, Mar. 2009. Disponível em . Acessado 28. Out. 2014

BERGER, P.L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis, Vozes, 2005.

CAMPOS, R. B. M. Comunidades criativas: O papel estratégico do designer. 2011. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

COELHO, D. P. Aprendizagens, orientação por erros e perfil do empreendedor: Um estudo em empreendedores de PME de Gastronomia de Fortaleza-CE. 2011. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011.

COLI, J. O que é arte 15. ed. São Paulo, Brasiliense, 1995.

COSTA, A. D.; DE SOUZA; SANTOS, E. R. Economia criativa no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Rev Eco& Tec, Curitiba, v. 7, n. 4, p. 151-159,Out./Dez 2011. Disponível em: < http://migre.me/ewgQh > Acessado 03. ago.2014.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios Rio de Janeiro, Elsevier, 2008.

FIRJAN. Indústria criativa: mapeamento da indústria criativa no Brasil. 2012. Disponível em: < http://www.firjan.org.br/economiacriativa/pages/default.aspx> Acessado 03. Ago. 2014.

FLORIDA, R. Cities and the creative class. 2005. Ed. Routledge, New York. Disponível em : Acessado 03. ago.2014.

FUNARI, P. P. A.; ARAÚJO, S. S. C.. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2009.

JEFFCUTT, P. Management and the creative industries. Studies in Culture, Organizations and Society, v.6, n.2, p.123-127, 2000. Disponível em: < http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10245280008523543#.VFE3IfnF9XU> Acessado 03. Ago. 2014.

LIMA, B. C. C. Economia Criativa no estado do Ceará: estudo da institucionalização do campo do humor. 2012. Dissertação (Mestrado em Administração e Controladoria) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

KOTLER, Philip; DE BES, Fernando Trias. Marketing lateral: uma abordagem revolucionária para criar novas oportunidades em mercados saturados. São Paulo : Campus, 2004.

LUGOBONI, L. F.; ZITTEI, M. V. M.; MORAES, C. F. M.; KAVESKI, I. D. S. Economia criativa: aplicação nas empresas de TI. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 6, n. 1, p. 152-171, 2014.

MACHADO-DA-SILVA, Clóvis L.; GUARIDO FILHO, Edson R.; ROSSONI, Luciano. Campos organizacionais: seis diferentes leituras e a perspectiva de estruturação. Rev. adm. contemp., Curitiba, v.14, n.spe, Sept. 2010. Disponível em . Acessado 03. Ago. 2014.

MINC - MINISTÉRIO DA CULTURA. Cultura em Números: Anuário de Estatísticas Culturais. Brasília: Ministério da Cultura, 2010.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília: Ministério da Cultura, 2011. Disponível em: Acessado em 03. Ago. 2014.

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. O talento jovem, a internet e o mercado de trabalho da "economia criativa". Psicol. Soc., Florianópolis, v.23, n.3, Dec. 2011. Disponível em . Acessado 03. Ago. 2014.

PIRES, Vladimir Sibylla; ALBAGLI, Sarita. Estratégias empresariais, dinâmicas informacionais e identidade de marca na economia criativa. Perspect. ciênc.inf., Belo Horizonte, v.17, n.2, Jun 2012. Disponível em Acessado em: 03. Ago. 2014.

REIS, A. C. F. Economia criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2008.

ROLIM, G. F. Os resultados da inovação e o desempenho das empresas inovativas cearenses. 2011. 99 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2011.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. Teoria institucional e dependência de recursos na adaptação organizacional: uma visão complementar. Revista de Administração de Empresas - RAE-eletrônica, v. 4, n. 1, Art. 7, jan./jul. 2005.

SAKAMOTO, C. K. Criatividade: uma visão integradora. 2000, 58f. Tese (Doutorado em psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2000.

SEBRAE. Termo de referência Atuação do Sistema Sebrae na Economia Criativa. 2012. Disponível em Acessado em: 02. ago. 2014.

SELZNICK, Philipe. Liderança e administração. Rio de Janeiro: FGV, 1974. pp.1-52.

SILVA, J. S. O capital social como ativo nas redes interorganizacionais: a visão de empreendedores sobre a inovação no setor de games de Pernambuco. 2012. 139 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

TEPPER, S. J. Creative Assets and the Changing Economy. Journal of Arts Management, Law & Society. v. 32 n. 2. 2002.

UNCTAD- United Nations Conference on Trade and Development. Creative Economy Report 2010. a feasible development option. Genebra: UNCTAD/ DITC, 2010. Disponível em: Acesso em: 31 nov. 2012.

VERGARA, S.V. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2000.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v6i1.841

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com