Aplicação do Modelo Cerne para o estabelecimento de critérios de seleção de incubação em empresas de base tecnológica: Um estudo nas incubadoras de base tecnológica do país/ Application of the Model Cerne for the establishment of criteria incubation selec

Clobert Jefferson Passoni, Izabel Cristina Zattar, Rosangela Rosa Luciane da Silva, Jessica Werner Boschetto

Resumo


Incubadoras de empresas representam uma grande fonte de estímulo para empreendimentos inovadores, possibilitando o desenvolvimento de novas tecnologias, disponibilizando infraestrutura, assessoria e apoio, os quais são aspectos fundamentais para o sucesso de novos empreendimentos. As incubadoras de empresas de base tecnológica (EBTs) somam 154 no país, sendo que cada uma possui seu próprio mecanismo de seleção de empresas para incubação. Em virtude das diferentes formas de gestão das incubadoras, foi criado pela Anprotec e Sebrae, o modelo de gestão CERNE – Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos – com o intuito de uniformizar os procedimentos e favorecer o aumento das chances de sucesso nas incubações. O objetivo deste trabalho foi propor critérios de seleção para incubação, considerando as 5 dimensões do CERNE, visando auxiliar a tomada de decisão na avaliação do potencial de sucesso das empresas candidatas, em uma incubadora de EBTs. O trabalho foi desenvolvido a partir dos editais de 21 incubadoras de EBTs, as quais tiveram 38 critérios de seleção identificados e classificados. Destes, foram validados 26 critérios, considerando o grau de importância atribuído pelos gestores destas incubadoras por meio de questionários. Como resultado, foram obtidas avaliações favoráveis a 25 critérios, sendo que apenas um foi avaliado desfavoravelmente.


Texto completo:

PDF

Referências


ANPROTEC, Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estudo, análise e proposições sobre as incubadoras de empresas no Brasil – relatório técnico. Brasília, 2012.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e Empreendedorismo: Administração. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BORGES, J.C.V.; BERNASCONI, M.; FILION, L. J. La création des entreprises de haute technologie (EHT) Examen de la documentation. Cahier de la Recherche de la Chaire d´Entrepreneurship Maclean Hunter,11, 39-50, 2003.

CERNE, Manual de Implantação. Volume 1, Brasília, DF: ANPROTEC, 2011a.

CERNE, Manual de Implantação. Volume 2, Brasília, DF: ANPROTEC, 2011b.

COSTA, M. S; OLAVE, M. E. L. Inovação Tecnológica nas Micro e Pequenas Empresas de Sergipe: uma visão dos Agentes Locais de Inovação do Sebrae em Aracaju, SE. In: EGEPE- 2014- Encontro De Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão De Pequenas Empresas, 8. 2014, Goiânia. Anais..., v. 1. p. 1-16.

DAHER, A. L. K. Formulários da INTECQ [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por clobertpassoni@hotmail.com, em: 09/04/2014. Disponível em: . Acesso em 28/12/2014.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Guia básico – patentes.

INTEC, Incubadora Tecnológica de Curitiba. Disponível em: . Acesso em 20/01/2015.

Janeiro: Elsevier, 2006.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação. Grupo A, 2006.

MARTINS, G. A. Estatística geral e aplicada. 3.ed. 2 reimpr. São Paulo: Atlas, 2006.

MIGUEL, P. A. C. et al. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

NORONHA, N. S. de; SANTOS, T. C. de S; CASTRO, C. C de; BARBOSA, D. M. S. Estratégia de incubação para minimizar as incertezas da ação empreendedora. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v.8. n° 3. jul./set. pág. 86-100, Rio de Janeiro: 2014

OECD, Organisation for economic co-operation and development. Manual de Oslo – Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Brasil: FINEP, 2005.

PORTER, M. E. Competição: Estratégias competitivas essenciais. Tradução por: Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. Programas oferecidos pelas incubadoras brasileiras às empresas incubadas, Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 83-107, 2009.

RICE, M. P.; MATTHEWS, J. B. Growing new ventures, creating new jobs: principles & practices of successful business incubation. United States of America: Center of Entrepreneurial Leadership Inc., 1995.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SILVA, G; DACORSO, A. L. R. Inovação Aberta como uma Vantagem Competitiva para a Micro e Pequena Empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 3, out. 2013.

SMILOR, R. W.; GIBSON, D. V.; KOZMETSKY, G. Creating the technopolis: High-Technology Development in Austin, Texas. Journal of business venturing, New York, v.4, p. 49-67. 1988.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

VIEIRA, S. Como elaborar questionários. São Paulo: Atlas, 2009

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de: THORELL, Ana. 4.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v7i1.779

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com