Do modelo fechado para o modelo aberto de inovação no setor farmoquímico e farmacêutico brasileiro. O que os custos de transação tem a ver com isso?

Frederico Guilherme Pamplona Moreira, Ana Lúcia Vitale Torkomian, Thiago José Cysneiros Cavalcanti Soares

Resumo


Por meio da análise das relações entre a inovação aberta e as linhas de análise do neo-institucionalismo, o objetivo principal deste artigo é contribuir para o avanço na compreensão dessas teorias. Esse avanço se dará na medida em que, neste texto, serão desenvolvidas proposições que relacionam importantes dimensões da teoria dos custos de transação, com o desempenho inovador de parcerias e a intensidade e a variedade com as quais empresas desenvolvem parcerias com fontes externas de conhecimento. As proposições poderão ser testadas empiricamente em forma de hipóteses, em futuras pesquisas. Para tanto, foi utilizada a base de dados da PINTEC/IBGE, mais especificamente os setores da indústria de transformação brasileira, cobrindo o período entre 2000 e 2011. Os métodos aqui empregados, em primeiro lugar, extraíram da base de dados algumas variáveis proxy (variáveis representantes) dos construtos teóricos aqui estudados e relacionados às atividades inovativas de cada um dos setores. Em segundo lugar, foram criados três critérios classificatórios, ranqueados a partir de estatística descritiva dos indicadores desses construtos teóricos, com o objetivo de selecionar um determinado setor. O setor farmoquímico e farmacêutico brasileiro foi selecionado para o desenvolvimento da análise. A partir do ambiente institucional que impactou e foi impactado por esse setor, foram propostas as possíveis conexões entre as dimensões da teoria dos custos de transações e a teoria da inovação aberta. Tais conexões foram tratadas como importantes variáveis que podem influenciar a provável migração do modelo fechado, para o modelo aberto de inovação, no citado setor.

Palavras-chave: inovação aberta; custos de transação; setor farmoquímico farmacêutico.


Texto completo:

PDF

Referências


AVILA, J. P. C. O Desenvolvimento do Setor farmacêutico: a caminho de uma estratégia centrada na inovação. Revista Brasileira de Inovação. Vol 3 No 2 pp. 283-307. 2004.

BENNER, M. J.; TUSHMAN M. L. Exploitation, Exploration, and Process Management: The Productivity Dilemma Revisited. Academy of Management Review, v. 2, p. 238-256, 2001.

BUCHLER, M. A Câmara Setorial da Indústria Farmoquímica e Farmacêutica: uma experiência peculiar. Dissertação (mestrado em Ciência Política). Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, UFRJ. Rio de Janeiro, 2005.

CHESBROUGH, H. Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology. Harvard Business Review Press. Boston 2003.

CHESBROUGH, H. Open Business Models: How to Thrive in the New Innovation Landscape. Harvard Business School Press. Boston 2006.

CHESBROUGH, H. Why Companies Should Have Open Business Models. MIT Sloan Management Review. 2007.

CHESBROUGH, H. and CROWTHER, A. K. Beyond High Tech: early adopters of open innovation in other industries. R&D Management 36, 3 pp. 229-236. 2006.

COASE, R. H. The Nature of the firm In: WILLIAMSON, O. & WINTER, S. (eds). The nature of the firm: origin, evolution and development. Oxford: Oxford University Press. 1937

COASE, R. H. Industrial Organization: a Proposal for Research In: FUCHS, V. R. Economic Research: Retrospect and Prospect, Volume 3, Policy Issues and Research Opportunities in Industrial Organization p. 59-73. 1972.

COHEN, W. M. and LEVINTHAL, D. Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation. Admin. Sci. Quart. 35 p. 128-152. 1990.

FIANI, R. Teoria dos custos de transação. In: KUPFER, D. e HASENCLEVER, L. (orgs) Economia Industrial. Rio de Janeiro: Campus, cap.13. 2002.

HOANG, H.; ROTHAERMEL, F. T. Leveraging Internal and External Experience: Exploration, Exploitation, and R&D Project Performance. Strategic Management Journal, v. 31, p. 734-758, 2010.

HUIZINGH, E. K. R. E. Open Innovation: State of the art and future perspectives. Technovation 31 pp. 2-9. 2011.

KATILA, R. and AHUJA G. “Something Old, Something New: A Longitudinal Study of Search Behavior and New Product Introdution”. Academy of Management Journal, 45: 1183-1194.2002.

LAZONICK, W. The Innovative Firm, Chapter 2 in Fagerberg, D. Mowery and R.R. Nelson (eds.), The Oxford Handbook of Innovation, Oxford University Press, Oxford.2005.

MARCH, J. G. “Exploration and Exploitation in Organizational Learning”, Organization Science, Vol. 2. pp. 71-87. 1991.

MENARD, C. The Economics of Hybrid Organizations. Journal of Institutional and Theoretical Economics JITE 160 P. 345-376, 2004.

PHENE,A; FLADMOE-LINDQUIST, K; MARSH, L. Breakthrough Innovations in the U.S. Biotechnology Industry: the Effects of Technological Space and Geographic Origin. Strategic Management Journal, 27: p. 369-388. 2006.

POWELL, W. Neither Market nor hierarchy: network forms of organization. Research in Organization Behavior, vol. 12, p. 295-336. 1990.

POWELL, W. W., “Inter-Organizational Collaboration in the Biotechnology Industry,” Journal of Institutional and Theoretical Economics 120(1): 197-215. 1996.

ROTHAERMEL, F. T., ALEXANDRE, M. T. Ambidexterity in technology sourcing: the moderating role of absorptive capacity. Organization Science. 20 759-780. 2009.

SANTOS, M. C. B. G., PINHO M. Estratégias Tecnológicas em Transformação: um estudo da indústria farmacêutica brasileira. Rev. Gestão & Produção, v 19, n 2, p. 405-418 (2012)

SANTOS, B. E., SILVA, L. F. A Cadeia da Inovação Farmacêutica no Brasil: aperfeiçoando o marco regulatório. Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE/MF Documento de Trabalho nº 47 2008.

SCOTT, W. R. Institutions and Organizations. London: Gafe publications, 1995.

TEECE, D. J., PISANO, G., and SHUEN, A. “Dynamic Capabilities and Strategic Management,” Strategic Management Journal 18(7): 509-33. 1997.

TIGRE, P. B. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira da Inovação, v. 4, n. 1, Rio de Janeiro, Finep, janeiro/julho, p. 187-224. 2005.

WEST, J. and GALLAGHER, S. Challenges of Open Innovation: The Paradox of Firms’ Investment in Open Source Software, R&D Management, Vol. 36, No. 3, pp. 319-331. 2006.

WILLIAMSON, O. Markets and Hierarchies: Some Elementary Considerations. The American Economic Review, Vol. 63, No. 2, Papers and Proceedings of the Eightyfifth Annual Meeting of the American Economic Association, pp. 316-325. 1973.

WILLIAMSON, O. The Economics of Organization: The Transaction Cost Approach. American Journal of Sociology, Vol. 87, No. 3, pp. 548-577 1981.

WILLIAMSON, O. AssociationThe Theory of the Firm as Governance Structure: From Choice to Contract The Journal of Economic Perspectives, Vol. 16, No. 3, pp. 171-195. 2002.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v5i3.712

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com