Lei do Bem: o incentivo da inovação tecnológica como aumento da competitividade global do Brasil

Marcus Vinicius Moreira Zittei, Leonardo Fabris Lugoboni, Aline de Lima Rodrigues, Tania Cristina Chiarello

Resumo


Nos últimos anos o governo vem adotando estratégias de incentivo à inovação tecnológica, buscando o aumento da competitividade do país. Este estudo objetivou identificar a relação entre o incentivo à inovação tecnológica (Lei do Bem) e o índice da competitividade global das nações. Para analisar a competitividade dos países, desde 2006 o Fórum Econômico Mundial avalia algumas diretrizes e publica anualmente um ranking intitulado Relatório de competitividade global, que através da análise de diversos pilares de competitividade, determina a colocação de cada país. Com base nesse relatório, referente às informações prestadas pelas empresas em relação ao incentivo fiscal, e o relatório anual da competitividade das nações, foi possível identificar, através da análise de correlação entre a quantidade de empresas que se utilizam do benefício com o aumento da competitividade global, demonstrando uma necessidade de revisão dos limites ao benefício visando uma maior quantidade de participação de empresas no benefício.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Bruno Cesar. Políticas de apoio a inovação no Brasil: Uma análise da sua evolução recente. Rio de Janeiro: Ipea - Instituto de Pesquisa Economica Aplicada, 2012. Disponível em: . Acesso em: 02. Mar. 2013.

ATKINSON, R.D. Expanding the R&E tax credit to drive innovation, competitiveness and prosperity. Journal of Technology Transfer, Indianapolis, Netherlands, Indianapolis, v. 32, n. 6, p. 617-628, 2007.

BERGAMASCHI, Eloísio Andrey.Inovação tecnológica e incentivos fiscais no setor de serviços de telecomunicações. 2009. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós Graduação em Administração, Departamento de Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BERGER, T.; BRISTOW, G. Competitiveness and the Benchmarking of Nations--A Critical Reflection. International Advances in Economic Research, Edwardsville, Netherlands, Edwardsville, v. 15, n. 4, p. 378-392, 2009.

BRANDÃO, Vladimir et al. (Ed.). Brasil Inovador: 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação. Brasília: Editora Expressão, 2006. 81 p. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: Acesso em: 02. Mar. 2013

BRASIL. Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005 dispõe sobre os incentivos fiscais para inovação tecnológica. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11196.htm> Acesso em: 09. Mar. 2013.

BRASIL Lei nº 10.973, de 02 de dezembro de 2004 dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: Acesso em 09. Mar. 2013.

CADERNOS SB: Inovação o Brasil na rota do desenvolvimento científico e tecnológico. São Paulo: Brasileiros Editora Ltda., n. 3, set. 2011.

CALIA, Rogério Cerávolo. Modelo de redes de inovação para uma metodologia de gestão: implementações de teoria das restrições. 2005. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2005. Disponível em: . Acesso em: 06.Mar.2013.

CAMPANARIO, Milton de Abreu et. al. Impactos dos processo de abertura, estabilização e inovação tecnológica sobre a indústria brasileira. São Paulo, [2006]. Disponível em: . Acesso em: 16. Mar. 2013.

CARVALHO, Luciano Castro de; DI SERIO, Luiz Carlos e VASCONCELLOS, Marcos Augusto de. Competitividade das nações:análise da métrica utilizada pelo World Economic Forum. Rev. adm. empres. [online]. 2012, vol.52, n.4, pp. 421-434. ISSN 0034-7590. Disponível em: Acesso em: 27. Fev. 2013.

CZARNITZKI, Dirk; HANEL, Petr; ROSA, Julio Miguel. Evaluating the Impact of R&DTax Credits on Innovation: A Microeconometric Study on Canadian Firms. Québec: Cirst, 2005. 27 p. Disponível em: . Acesso em: 17. Mar.2013.

DECOMTEC (Org.) Os Incentivos fiscais à inovação do Brasil, São Paulo: FIESP, 2012.

FERNANDES, Edison Carlos. Alterações tributárias da MP do Bem: Lei 11.196/05 – MP 255. São Paulo: Editora Quartier Latin, 2006. 374 p.

FORMIGONI, Henrique. A influência dos incentivos fiscais sobre a estrutura de capital e a rentabilidade das companhias abertas brasileiras não financeiras. 2008. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade: Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 16. Mar. 2013

GAZDA, E.; CARLOS, O.Q. Colaboração Interinstitucional Em Pesquisa no Brasil: Tendências Em Artigos Na Área De Gestão Da Inovação. RAE - Eletrônica, São Paulo, Brazil, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 1-27, 2010.

JACINTHO, José Carlos. Proposta de Modelo para análise dos fatores críticos de competitividade: inovação, conhecimento e sustentabilidade. 2010. 239 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Mecânica, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 mar. 2013.

KUROKI, Andreos Henrique. Utilização pelas empresas do incentivo fiscal da inovação tecnológica. 2010. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Contábeis, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2013.

MACDONALD, C. Multi-jurisdictional tax incentives and the location of innovative activities. 2009. 124 University of Waterloo (Canada), Canada, 2009.

MCT (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2006 – Lei 11.196/05. Brasília, 2007. 10 p.

MCT (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2007 – Lei 11.196/05. Brasília, 2008. 27 p.

MCT (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2008 – Lei 11.196/05 – Lei do Bem. Brasília, 2009. 45 p.

MCT (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2009 – Lei 11.196/05 – Lei do Bem. Brasília, 2010. 47 p.

MCTI (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2010. Brasília, 2011. 51 p.

MCTI (Org.). Relatório Anual da utilização dos Incentivos fiscais ano base 2011. Brasília, 2012. 53 p.

MCTI (Org.). Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: Balanço das atividades estruturantes 2011. Brasília, 2012. 212 p.

MEIRELLES, Jorge Luís Faria. Inovação tecnológica na indústria brasileira: investimento, financiamento e incentivo governamental. 2008. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008. Disponível em: . Acesso em: 03. Mar. 2013

OTTO, Vladimir Montenegro Celestino. Planejamento tributário como diferencial competitivo. Goiânia: Unigoiás, [2010]. 19 p. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2013.

PORTER, Michael E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1993. 897 p.

RIBEIRO, Marcelo Gollo. Município e Incentivos Fiscais. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2013.

SALERNO, Mario Sergio; KUBOTA, Luis Claudio. Estado e inovação. Políticas de incentivo à inovação tecnológica. Brasília: Ipea, 2008. Disponível em: Acesso em: 03. Mar.2013.

SALERNO, Mario Sergio; DAHER, Talita. Política Industrial, Tecnologia e de Comércio Exterior do governo federal (PITCE): Balanços e Perspectivas, Brasília: Ipea, 2006. Disponível em: < http://www.desenvolvimento.gov.br/sistemas_web/renai//public/arquivo/arq1272980896.pdf> Acesso em: 10. Mar.2013.

SANCHEZ-GUTIERREZ, Jose. et al. The Effects of Intellectual Capital and Innovation on Competitiveness: an Analysis of the Restaurant Industry in Guadalajara, Mexico. Advances in Competitiveness Research, Indiana, United States, Indiana, v. 20, n. 3, p. 32-46, 2012.

SCRIABINA, N. Organize How You INNOVATE. Quality Progress, Milwaukee, United States, Milwaukee, v. 44, n. 6, p. 16-22, 2011.

SILVA, Edna Lucia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed. Florianópolis: Ufsc, 2005. 139 p. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2013.

SILVA, Valdenildo Pedro da; EGLER, Cláudio A. G.. A inovação em tempos de globalização: uma aproximação. Scripta Nova: Revista Electrónica de geografía y ciencias sociales, Barcelona, v.VIII , n. 170 (33), p.1-11, 01 ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2013.

SIQUEIRA, Tagore Villarim de. Competitividade Sistêmica: Desafios para o desenvolvimento econômico Brasileiro. Revista do Bndes, Rio de Janeiro, v. 31, n. 16, p.139-184, jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2013.

SMAILES, Joanne; MCGRANE, Angela. Estatística aplicada à administração com Excel. São Paulo: Atlas, 2002. 321 p.

VARSANO, Ricardo. A guerra fiscal do ICMS: quem ganha e quem perde. Seminário internacional de políticas industriais descentralizadas, Brasília IPEA/CEPAL, 1996.

VIEIRA, Candy Packer. Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Regional: As dimensões territoriais da lei de inovação tecnológica. 2008. 108 f. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Centro de Ciências Humanas e da Comunicação, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2008. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2013.

WEF (Org.). The Global Competitiveness Report 2012 -2013. Geneva, 2012. 529 p.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v6i1.669

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]