Vales da uva Goethe: uma análise do processo de institucionalização da indicação geográfica para o desenvolvimento socioeconomico

Adriana Carvalho Pinto Vieira, Roseli Jenoveva Neto, Patricia de Sá Freire, Julio Cesar Zilli

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar o processo de institucionalização da indicação de procedência no Brasil como promotor do desenvolvimento socioeconômico regional. Para tal foi estudado a história do reconhecimento da Indicação Geográfica no Brasil e o caso da ação coletiva que resultou na implementação da Indicação Geográfica (IG) pela Indicação de Procedência (IP) dos “Vales da Uva Goethe”. Pela análise da história e o estudo de caso pode-se identificar treze etapas a serem respeitadas pelos pleiteantes brasileiros de IG para que alcancem o objetivo de agregar valor os produtos de maneira a promover o seu próprio desenvolvimento e de toda a região. Pode-se inclusive concluir que a institucionalização das IG tem grandes vantagens para a competitividade dos produtores bem como para o desenvolvimento socioeconômico regional que poderão proporcionar oportunidades de organizar a cadeia produtiva, aprofundar e compartilhar os conhecimentos, estabelecer critérios técnicos de produção, contribuir para a melhoria da qualidade dos produtos e, promover o desenvolvimento social, cultural e econômico da região. Porém, a institucionalização da IG depende da gestão de processos complexos e este estudo é importante para apoiar neste caminho, pois com o processo mapeado e a clareza em relação à descrição de suas etapas facilita-se o envolvimento consciente dos participantes.

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA-NETTO, Clovis Armando. Proposta de modelo de mapeamento e gestão por macroprocessos. 2004. 146p. Tese. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. São Paulo, SP.

ASSOCIAÇÃO PROGOETHE. Disponível em http://www.progoethe.com.br/ acesso em 10 dez 2012.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Curso de Propriedade Intelectual & Inovação no agronegócio. 2ª Ed. Brasília: MAPA, Florianópolis: SEaD/UFSC/FAPEU, 2010.

______. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9279.htm. Acesso em: 06 dez 2012.

BRUCH, K.L. et al. Indicação Geográficas de produtos agropecuários : Aspectos legais, importância histórica e atual. In: PIMENTEL, L (Org.). Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio: Módulo II, indicação geográfica. Brasília: MAPA; Florianópolis: SEaD/UFSC/FAPEU, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2008. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/Desenvolvimento_Sustentavel/Produ%C3%A7%C3%A3o%20Integrada/Guia_indicacao_geografica.pdf. Acesso em 12 dez. 2012.

CERDAN, Claire Marie et al. Propriedade Intelectual e Inovação. Florianópolis, 2010.

DÁVILA, G. A.; LEOCÁDIO, L.; VARVAKIS, G. Inovação e Gerenciamento de Processos: Uma análise baseada na Gestão do Conhecimento. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, v.9, n.3, jun/08.

DE SORDI, J.O. Gestão por processos: uma abordagem da moderna administração. São Paulo: Saraiva, 2012.

FENSTERSEIFER, J.E. The emerging Brazilian wine industry. Challenges and prospects for the serra gaúcha wine cluster. 3rd Internacional Wine Business Research Conference, Montpellier, 6-7-8 july, 2006.

FOLHA. Interpretações regionais da Coca-cola. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u50541.shtml acesso em 12 dez 2012.

GONÇALVES, J. E. L. As empresas são grandes coleções de processos. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 1, 2000.

INPI. Instituto Nacional de Propriedade Industrial. Disponível em http://www.inpi.gov.br/images/stories/downloads/indicacao_geografica/pdf/lista_com_indicacoes_geograficas_concedidas_11-12-2012.pdf. Acesso em 10 dez 2012

______. Indicação Geográfica. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/images/stories/downloads/indicacao_geografica/pdf/planilha_de_IG_11-12-2012.pdf. Acesso em 10 dez 2012.

______. Indicação Geográfica. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/portal/acessoainformacao/artigo/indicacao_geografica_1351692102723. Acesso em: 06 dez 2012

KRÜCKEN-PEREIRA, L. O processo de valorização de produtos alimentícios através das denominações de origem e qualidade: uma abordagem de gestão do conhecimento. 2001. 167f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, SC.

MENDONÇA, C.S.; MARINS, M.F.; LEITE, M.L.G. Obtenção da indicação geográfica de procedência “Paraty”: Uma estratégia de cooperação competitiva. In: XXX Encontro Nacional de Engenharia da Produção. São Carlos, SP, out/2010.

NORTH, Klaus. Gestão do Conhecimento: um guia prático rumo à empresa inteligente. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2010.

VELLOSO, C.Q. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 166f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, SC.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 4ª ed. São Paulo: Atlas; 2ª. ed.; São Paulo: Atlas, 2005.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v6i1.622

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Rua Josué de Carvalho Cunha 395, Coroa do Meio, Aracaju, SE.

[email protected]