Teste de Mognoni para determinação da velocidade de corrida no limiar anaeróbio no futebol: uma revisão crítica

Aureliano Carlos de Araujo, Roberto Jerônimo dos Santos Silva, Jymmys Lopes Santos, Anderson Carlos Marçal, Silvan Silva de Araujo

Resumo


Os testes progressivos e submáximos possibilitam o alcance de parâmetros fisiológicos importantes, que podem ser utilizados tanto para a prescrição do treinamento, como para a monitoração do desempenho do atleta em determinado período competitivo. Buscando minimizar os custos e facilitar a operacionalização, estudos vêm sendo propostos com estratégias que estimem a aptidão de jogadores de futebol, sobretudo pela importância econômica desta modalidade. Dentre os diversos testes existentes e validados, o teste submáximo de corrida de Mognoni (TMSC), que tem significante correlação com o OBLA apresenta-se como uma excelente alternativa para aplicação seja em campo, seja em pesquisa. O presente estudo teve o objetivo de investigar os estudos científicos que adotaram o referido teste submáximo para a determinação da velocidade de corrida no limiar anaeróbio em jogadores de futebol. Baseado no volume de publicações acerca do teste de Mognoni no Brasil, verifica-se que o mesmo apresenta-se como desconhecido, no entanto, recomenda-se seu uso com jogadores de futebol brasileiros, assim como a adequação a testes considerados “padrão ouro” adotados para determinação da intensidade do exercício no limiar anaeróbio em atletas brasileiros.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, S. S.; MESQUITA, T. R. R; SANTOS, R. M; OLIVEIRA, J. E. L.; ALVES, A. R. A. Anthropometric, Functional, and Metabolic Profiles of Soccer Players. Journal of Exercise Physiology online. v 15,6. 2012.

AZEVEDO, P. H. S. M.; GARCIA, A.; DUARTE, J. M. P.; RISSATO, G. M.; CARRARA, V. K. P.; MARSON, R. A. Limiar Anaeróbio e Bioenergética: Uma Abordagem Didática. R. da Educação Física/UEM. 20 (3):453-464, 2009.

AZEVEDO, P. H. S. M.; MARQUES, A. T.; OLIVEIRA, G. P.; BÜRGER-MENDONÇA, M.; OLIVEIRA, J. C. Análise descritiva das variáveis ventilatórias de jogadores juvenis de futebol. Perpectivasonline. v.3 n5. 2009.

BARROS, C. L. M.; MENDES, T. T.; MORTIMER, L. A. C. F.; RAMOS, G. P.; SILAMI-GARCIA, E. Máxima fase estável do lactato: Uma nova proposta de estimativa através de um teste progressivo em cicloergômetro. Motricidade. v 8. 742-750. 2012.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC). Disponível em: www.periódicos.capes.gov.br. Acesso em: 11/08/2014.

CHMURA, J.; NAZAR, K. Parallel changes in the onset of blood lactate accumulation (OBLA) and threshold of psychomotor performance deterioration during incremental exercise after training in athletes. International Journal of Psychophysiology. 75. 287–290. 2010.

COUTO, P. G.; RODRIGUES, A. P.; JÚNIOR, A. J. F.; SILVA, S. F; DE-OLIVEIRA, F. R. Pontos de transição da frequência cardíaca em teste progressivo máximo. Motriz, Rio Claro. v.19 n.2. 261-268. 2013.

CRESCENTE, L. A.; SIQUEIRA, O. D.; ALONSO, J. L. L. Avaliação do limiar anaeróbio em atletas de futebol. Coleção Pesquisa em Educação Física. v.6, 2007.

DETANICO, D.; SANTOS, S. G. Avaliação específica no judô: uma revisão de métodos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 14(6):738-748. 2012.

GRANJA FILHO, P. C. N.; POMPEU, F. M. S.; SOUZA E SILVA A. P. R. A acurácia da determinação do VO2max e do limiar anaeróbio. Rev Bras Med Esporte. v11. n3. 2005.

HECK, H.; MADER, A.; HESS, G.; MUCKE, S.; MULLER, R.; HOLLMANN, W. Justification of the 4-mmol/1 lactate threshold. Int J Sports Med. 6: 117–130. 1985.

IMPELLIZZERI, F. M.; MOGNONI, P.; SASSI, A.; RAMPININI, E. Validity of a submaximal running test to evaluate arobic fitness changes in soccer players. Journal of Sports Sciences, 22, 547. 2004.

IMPELLIZZERI, F. M.; RAMPININI, E.; S. M. MARCORA, S. M. Physiological assessment of aerobic training in soccer. Journal of Sports Sciences. v. 23. n.6, 583-592. 2005.

LUCAS, R. D.; ROCHA, R.; BURINI, R. C; DENADAI, B. S. Comparação das intensidades correspondents ao lactato mínimo, limiar de lactato e limiar anaeróbio durante o ciclismo em atletas de endurance. Rev Bras Med Esporte. v 6. n.5. 2000.

MACÊDO, R. F.; DE BORTOLI, R. Identificação do Ponto de Deflexão da Frequencia Cardíaca Utilizando MTest. Revista Geintec. (2) 64-73 . 2012.

MOURA, M. A. Q. Avaliação física no futebol. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires. v.16, n.156. 2011. Disponível em: www.efdeportes.com. Acesso em: 11/08/2014.

PARDONO, E.; SIMÕES, H. G.; CAMPBELL, C. S. G. Efeitos de variações metodológicas sobre a identificação do lactato mínimo. Rev. Bras. Educ. Fís. Esp. 19(1):25-33. 2005.

PROIETTI, R. Valutazione e allenamento della potenza aerobica e della resistenza lattacida nel calcio, Test e Metodo di Sintesi. Jornal of Sport Science. 23, 14-24. 2002.

RUSSEL, M; KINGSLEY, M. I. C. Changes in Acid-Base Balance During Simulated Soccer Match Play. Journal of Strength & Conditioning Research. 26 (9): 2593–2599. 2012.

SEVERO, M.; SIQUEIRA, O.; CARDOSO, M.; CRESCENTE; L.; IRALA, F. Comparação entre testes para determinar o limiar anaeróbio de jogadores de futebol. Coleção Pesquisa em Educação Física. v.11, n.1, 2012.

SIRTORI, M. D. Stima della velocitá di corsa corrispondente alla soglia anaerobica basata su un prelievo di sangue capillare: Applicazione a giocatori di calcio. Medicina dello Sport. v.46, n.3: 281-286, 1993a.

SIRTORI, M. D.; LORENZELLI, F.; PERONI-RANCHET, F.; COLOMBINI, A.; MOGNONI, P. A. Single blood lactate measure of OBLA running velocity in soccer players. Medicina dello Sport. 43, 281 – 286. 1993b.

SOUZA, M. R.; BARBOSA, L. F.; CARITÁ, R. A. C.; DENADAI, B. S.; GRECO, C. C. Efeito da recuperação na máxima fase estável de lactato sanguíneo. Motriz, Rio Claro. v.17. n.2.311-317, 2011.

TEGTBUR, U.; BUSSE, M..W.; BRAUMANN, K. M. Estimation of an individual equilibrium between lactate production and catabolism during exercise. Med Sci Sports Exerc. 25. 5:620-7. 1993.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Research methods in physical activity. Human Kinetics. 2011.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v5i2.490

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]