Evidenciação de informações dos ativos intangíveis em empresas brasileiras de capital aberto

Sady Mazzioni, Daniela Di Domenico, Hevelyn Nunes Bedin

Resumo


Existem evidências do crescimento em importância dos ativos intangíveis e do interesse empresarial e acadêmico em sua investigação. O objetivo principal deste estudo consiste em analisar o nível de evidenciação das informações obrigatórias exigidas pelo CPC 04 em empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa, referente ao exercício de 2011. Como interesse complementar, a investigação pretende verificar se existe relação entre as variáveis independentes do grau de intangibilidade, rentabilidade do patrimônio líquido, tamanho da empresa, crescimento de vendas, nível de governança corporativa e setor econômico, com a variável dependente do nível de evidenciação do ativo intangível. Realizou-se pesquisa descritiva com abordagem quantitativa, por meio de análise documental com base nas demonstrações financeiras padronizadas do ano de 2011. Os resultados demonstram que o maior índice de conformidade foi de 95% e o menor foi de 0% da evidenciação compulsória. O estudo verificou que as variáveis independentes utilizadas explicam 15,7% do nível de evidenciação do ativo intangível, sendo o restante explicado por demais variáveis, não contempladas neste estudo. A variável explicativa que demonstrou relação estatisticamente significante foi a variável rentabilidade, indicando que empresas com maior rentabilidade apresentam maior nível de evidenciação de seus ativos intangíveis.

Texto completo:

PDF

Referências


ALIPOUR, M. The effect of intellectual capital on firm performance: an investigation of Iran insurance companies. Measuring Business Excellence, v. 16, n. 1, p. 53–66, 2012.

ARRIGHETTI, A.; LANDINI, F.; LASAGNI, A. Intangible assets and firm heterogeneity: evidence from Italy. Research Policy, v. 43, p. 202-213, 2014.

AVELINO, B. C.; PINHEIRO, L. E. T.; LAMOUNIER, W. M. Evidenciação de ativos intangíveis: estudo empírico em companhias abertas. RCO, Ribeirão Preto, SP, v. 6, n. 14, p. 23-45, jan-abr 2012.

BONTEMPI, M. E.; MAIRESSE, J. Intangible capital and productivity: an exploration on a panel of Italian manufacturing firms. NBER Working Paper Series, nº 14108, 2008.

BONTIS, N.; KEOW, W. C. C.; RICHARDSON, S. Intellectual Capital and Business Performance in Malaysian Industries. Journal of Intellectual Capital, v. 1, n. 1, p. 85-100, 2000.

BRASIL. Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei n.6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei n. 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende as sociedades de grande porte disposições relativas a elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2012.

CABRITA, M. R.; BONTIS, N. Intellectual capital and business performance in the Portuguese banking industry. International Journal Technology Management, v. 43, n. 1-3, 2008.

CARVALHO, F. M.; KAYO, E. K.; MARTIN, D. M. L. Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. RAC, Curitiba, v. 14, n. 5, p. 871-889, set./out. 2010.

CHEN, M. C.; CHENG, S. J.; HWANG, Y. An empirical investigation of the relationship between intellectual capital and firms' market value and financial performance. Journal of Intellectual Capital, v. 6, n. 2, p. 159-176, 2005.

COLAUTO, R. D.; NASCIMENTO, P. S.; AVELINO, B. C.; BISPO, O. N. A. Evidenciação de Ativos Intangíveis Não Adquiridos nos Relatórios da Administração das Companhias Listadas nos Níveis de Governança Corporativa da Bovespa. Revista Contabilidade Vista & Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 142-169, jan./mar. 2009.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS (CPC). Pronunciamento técnico CPC 04 R1 - Ativos Intangíveis. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2012.

CORRADO, C.; HULTEN, C.; SICHEL, D. Measuring capital and technology: an expanded framework. In: CORRADO, C.; HALTIWANGER, J.; SICHEL, D. (Eds.). Measuring capital in the new economy. National Bureau of Economic Research Studies in Income and Wealth, v. 65. University of Chicago Press, 2005.

DI DOMENICO, D.; LAVARDA, C. E. F.; VARELA, P. S. Fatores determinantes da evidenciação obrigatória dos ativos intangíveis das empresas com governança corporativa listadas na Bovespa. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS – SIMPOI, XV, 2012, São Paulo. Anais... São Paulo, 2012.

ENSSLIN, S. R.; COUTINHO, I. G.; REINA, D.; ROVER, S.; RITA, C. O. Grau de intangibilidade e retorno sobre investimentos: um estudo entre as 60 maiores empresas do índice Bovespa. Ciências Sociais em Perspectiva, v. 8, p. 101-118, 2009.

FUKAO, K.; MIYAGAWA, T.; MUKAI, K.; SHINODA, Y.; TONOGI, K. Intangible Investment in Japan: measurement and contribution to economic growth. Review of Income and Wealth, v. 55, n. 3, p. 717-736, 2009.

HOFFMAN, Gregorio; GUTH, Sergio Cavagnoli; MOTTA, Marta Elisete Ventura da; MARTINIGUI, Maria Teresa. Estudo analítico do tratamento dos ativos intangíveis para uma amostra de companhias de capital aberto. Revista GEINTEC. São Cristóvão/SE, v. 3, n. 1, p.48-67, 2012.

HULTEN, C. R.; HAO, X. What is a company really worth? Intangible capital and the ‘market to book value’ puzzles, NBER Working Paper Series, n. 14548, 2008.

HAIR, F.J.; BLACK, W. C,; BABIN, B.; ANDERSON, R. E.; TATHAN, R. L. Análise multivariada dedados. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

JALAVA, J.; AULIN-AHMAVAARA, P.; ALANEN, A. Intangible capital in the finnish business sector 1975–2005. Pellervo Economic Research Institute, Working Papers nº 100, 2007.

KAYO, E. K. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível intensivas. Tese (Doutorado em Administração) - Departamento de Administração da Faculdade de Economia - Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo - São Paulo, 2002.

______.; TEH, C. C.; BASSO, L. F. C. Ativos Intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), São Paulo, v. 41, n.2, p.158-68, abr./maio/jun. 2006.

LEV, B. Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press, 2001.

MADITINOS, D.; CHATZOUDES, D.; TSAIRIDIS, C.; THERIOU, G. The impact of intellectual capital on firms' market value and financial performance. Journal of Intellectual Capital, v. 12, n. 1. p. 132-151, 2011.

MARRANO, M. G.; HASKEL, J.; WALLIS, G. What happened to the knowledge economy? ICT, Intangible investment, and Britain’s productivity record revisited. Review of Income and Wealth, v. 55, n. 3, p. 686-716, 2009.

MIYAGAWA, T.; KIM, Y. Measuring organization capital in Japan: an empirical assessment using firm-level data. Seoul Journal of Economics, v. 21, p. 169-193, 2008.

MURTHY, V.; MOURITSEN, J. The performance of intellectual capital: Mobilising relationships between intellectual and financial capital in a bank. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 24, n. 5, p. 622–646, 2011

MOURA, G. D.; DALLABONA, L. F.; FANK, O. L.; VARELA, P. S. Boas Práticas de Governança Corporativa e Evidenciação Obrigatória dos Ativos Intangíveis, 2011. São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: USP, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2013.

MOURA, G. D. Conformidade do disclosure obrigatório dos ativos intangíveis e práticas de governança corporativa: Uma análise de empresas listadas na Bovespa. 2011. 132 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Regional de Blumenau, Blumenau/SC, 2011.

NAKAMURA, L. What is the US gross investment in intangibles? (At least) one trillion dollars a year! In: HAND, J.; LEV, B. (Eds.). Intangible assets. Oxford University Press, New York, 2003.

NASCIMENTO, E. M.; OLIVERIA, M.; MARQUES, V. A.; CUNHA, J. V. A. Ativos intangíveis: análise do impacto do grau de intangibilidade nos indicadores de desempenho empresarial. Reflexão Contábil. Maringá, v. 31, n. 1, p. 37-52, jan./abr. 2012.

REILLY, R. F.; SCHWEIHS, R. P. Valuing intangible assets. NY: McGraw-Hill, 1998.

ROLIM, M. V; LEMES, S.; TAVARES, M. Disclosure dos Ativos Intangiveis das Empresas Britânicas Pertencentes ao Índice Ftse 100. Revista CEPPG – CESUC – Centro de Ensino Superior de Catalão, Ano XIII, Nº 22 – 1º Semestre/2010. ISSN 1517-8471 – Páginas 85 à 110.

SCHMIDT, P.; SANTOS, J. L. Avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas, 2002.

STEWART, T. A. Intellectual capital. New York: Doubleday, 1999.

SVEIBY, K. E. A Nova Riqueza das Organizações: Gerenciando e Avaliando Patrimônios de Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TAN, H. P.; PLOWMAN, D.; HANCOCK, P. Intellectual capital and financial returns of companies. Journal of Intellectual Capital, v. 8, n. 1, 2007, p. 76-95.

UPTON, W. S. Business and Financial Reporting, Challenges from the New Economy. Financial Accounting Series – Special Report, FASB, USA, abril, 2001.

VAN ROOIJEN-HORSTEN, M.; VAN DEN BERGEN, D.; TANRISEVEN, M. 2008. Intangible capital in the Netherlands: a benchmark. Statistics Netherland Discussion Paper nº 08001, 2008.

ERNST & YOUNG/FIPECAFI. Análises sobre o IFRS no Brasil - Edição 2013. Disponível em: http://www.ey.com/BR/pt/Issues/IFRS/Guia_IFRS_2013. Acesso em 12 jan. 2014.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v4i5.446

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]