Sistema de inovação da Bahia: análise baseada na percepção de seus atores

Diego Lemos Ferreira, Liliane de Queiroz Antonio, Fernanda Rodrigues Moraes

Resumo


O Estado da Bahia não tem ocupado um lugar de destaque no cenário de ciência e tecnologia em nível nacional, apesar de ter um dos maiores PIBs entre os Estados. Diante do exposto, surge a seguinte pergunta: “O que deve ser feito para que o sistema de inovação do Estado da Bahia possibilite o aumento da taxa de inovação das empresas presentes no referido Estado?”. Assim, o objetivo desta pesquisa foi contribuir para a construção dessa resposta por meio de um levantamento de campo que visa captar a percepção que os atores do sistema têm sobre o próprio sistema que estão inseridos. Como principal resultado, pode-se afirmar que falta integração no sistema.

Texto completo:

PDF

Referências


BAIARDI, A.; BARRAL-NETTO, M.; JUNIOR, O. F. Ciência, Tecnologia e Inovação: uma agenda para o desenvolvimento da Bahia. In: A. Baiardi & A. V. dos Santos (Eds.). A ciência e a sua institucionalização na Bahia: Reflexões sobre a segunda metade do Século XX e diretrizes para o século XXI (Cap. 4, pp. 87-139). Salvador: Autores, 2010.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI. Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e inovação, 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2012.

CAPES - COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Avaliação Trienal 2010, 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2012.

CHANG, P.; SHIH, H. The innovation systems of Taiwan and China: a comparative analysis. Technovation, Canada, v. 24, p.529-539, 2004. Retrieved from: . Acesso em 26 out. 2011.

CHESBROUGH, H. New Puzzles and New Findings. In: H. Chesbrough. W. & Vanhaverbeke (Ed.). J. West. Open Innovation: Researching a New Paradigm, cap. 2, pp 15-34, 2006. New York: Oxford. 373 p.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p.109-123, 2000. Retrieved from: . Acesso em 26 set. 2011.

ETZKOWITZ, H. Incubation of Incubators: innovation as a Triple Helix University-Industry-Government Networks. Science and Public Policy, v. 29, p.115-128, 2002. Retrieved from: < http://www.sister.nu/pdf/wp_11.pdf>. Acesso em 26 set. 2011.

FAPESB - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia. Relatório de Gestão 2010. Recuperado de: < http://www.fapesb.ba.gov.br/wp-content/uploads/2011/07/Relatório-de-Gestão-Fapesb-2010-portal.pdf >. Acesso 01 nov. 2011.

FERREIRA, D. L. O Sistema de Inovação do Estado da Bahia: uma análise baseada em indicadores de tecnologia e inovação. Dissertação (Mestre), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (SENAI CIMATEC), Salvador, Bahia, Brasil, 2012. Recuperado de: < http://portais.fieb.org.br/portal_faculdades/images/portal/NRM/DissertacoesGETEC/dissertacao_didiegolemosferrei.pdf>. Acesso em 15 nov. 2012.

FERREIRA, D. L. ; ANTONIO, L. Q. ; MORAES, F. R. . Índice Brasil de Inovação: uma aplicação em nível estadual com foco no Estado da Bahia. GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 3, p. 012-031, 2013. Recuperado de: . Acesso em: 15 mar. 2014.

FERREIRA, D. L; ANTONIO, L. DE Q; MORAES, F. R. Os Incentivos Fiscais da Lei do Bem: uma análise com foco no Estado da Bahia. Encontro de Economia Baiana, Salvador, Bahia, Brasil. VIII, setembro/2012. Recuperado de: . Acesso em 15 nov. 2012.

FERREIRA, D. L; FRANÇA, A. R; WINTER, E; ANTONIO, L. DE Q. Encontro de Economia Baiana, Salvador, Bahia, Brasil. VIII, set. 2012. Recuperado de: . Acesso em 15 nov. 2012.

FONSECA, M. G. B. DA; FERREIRA, D. L; ANTONIO, L. DE Q. A Subvenção Econômica no Estado da Bahia: experiências e perspectivas. Encontro Nacional de Engenharia da Produção, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil. XXXII, 2012.

FREEMAN, C. PEREZ, C. Structural crises of adjustment, business cycles and investment behaviour. In: DOSI et al, . Technical Change and Economic Theory, Cap. 3, pp. 38-66, 1998. London: Pinter Publichers. Retrieved from: . Acesso em 25 out. 2011.

______FREEMAN, C. The ‘national system of innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal Of Economics, v. 19, p.5-24, 1995. Retrieved form: . Acesso em 17 out. 2011.

______FREEMAN, C.. Continental, national and subnational innovation systems: complementarity and economic growth (2002). Research Policy, v. 31, p.191-211. Retrieved from: .

GIL, A. C. (2011). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LEYDESDORFF, L. (2000). The triple helix: an evolutionary model of innovations. Research Policy, v. 29, n. 2, p.243-255. Retrieved from: .

LINHARES, F. (2012, maio 31). Indústria terá sugestões acatadas por Código da Ciência. Agência Gestão CT&I: O portal de notícia da inovação. Recuperado de: .

LUNDVALL, B. (1988). Innovation as an Interactive Process: User-Producer Interaction to the National System of Innovation. African Journal Of Science, Technology, Innovation And Development, v. 1, n. 23, p.349-369. Retrieved from: .

KERGEL, H. MÜLLER, L. NERGER, M. (2011). Relatório sobre os Determinantes do Sistema Local de Inovação de Manaus. Brasil. Recuperado de: .

KIM, L. (1998). Technology Policies and Strategies for Developing Countries: Lessons from the Korean Experience. Technology Analysis & Strategic Management, v. 10, n. 3, p.311-323. Retrieved from : .

MENDES, J. BAIARDI, A. (2010). A Construção do Sistema Estadual de C&T na Bahia na Segunda Metade do Século XX. In: In: A. Baiardi & A. V. dos Santos (Eds.). A ciência e a sua institucionalização na Bahia: Reflexões sobre a segunda metade do Século XX e diretrizes para o século XXI (Cap. 2, pp. 39-60). Salvador: Autores.

MYTELKA, L. FARINELLI, F. (2000, setembro). Local cluster, innovation systems and sustained competitiveness. Local Productive Clusters and Innovation Systems in Brazil: new industrial and technological policies for their development, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de: < http://xcsc.xoc.uam.mx/apymes/webftp/documentos/biblioteca/local%20clusters.pdf>.

NIOSI, J. (1999). Fourth-Generation R&D: from linear models to flexible innovation. Journal Of Business Research, v. 45, n. 2, p.111-117. Retrieved from: .

OECD, Organization for Econimic Co-Operation and Development Statistical Office of the European Communities (1997). National Innovation Systems. França, Paris. Recuperado de: < http://www.oecd.org/dataoecd/35/56/2101733.pdf>.

______OECD, Organization for Econimic Co-Operation and Development Statistical Office of the European Communities (2005). Oslo Manual: Guidelines for Collecting and Interpreting Innovation Data. 3. ed. França, Paris. Recuperado de: .

ORTT, J. R. DUIN, P. A. Van Der (2008). The evolution of innovation management towards contextual innovation. European Journal Of Innovation Management, v. 11, n. 4, p.522-538. Retrieved from: . Acesso em: 26 set. 2011.

PINHO, M. CÔRTES, M. R. Fernandes, A. C. (2002). A fragilidade das empresas de base tecnológica em economias periféricas: uma interpretação baseada na experiência brasileira. Ensaios Fee, v. 23, n. 1, p.135-162. Recuperado de: .

SANTOS, A. V. dos (2010). A Ciência na Periferia: o desenvolvimento científico na Bahia na segunda metade do Século XX. In: In: A. Baiardi & A. V. dos Santos (Eds.). A ciência e a sua institucionalização na Bahia: Reflexões sobre a segunda metade do Século XX e diretrizes para o século XXI (Cap. 1, pp. 09-38). Salvador: Autores.

SECTI, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia (2012). Parque Tecnológico da Bahia. Recuperado de: .

SHARIF, N. BAARK, E. (2009). Understanding the dynamism in Hong Kong. Journal Of Knowledge-based Innovation In China, v. 1, n. 1, p.56-75. Retrieved from: .

SUZIGAN, W. FURTADO, J. (2006). Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 102, n. 2, p.163-185. Retrieved from: .

WORLD BANK (1991). World Development Report 1991: The challenge of Development. Oxford University Press. Recuperado de: .




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v4i2.375

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]