As empresas mais inovadoras: uma análise sob a ótica das teorias organizacionais

Dalton Oswaldo Buccelli, Pedro Luiz de Oliveira Costa Neto, Oduvaldo Vendrametto

Resumo


Este artigo examina a importância da inovação para as empresas de diversos setores sob a ótica das teorias modernas do ambiente organizacional. Trata-se de uma análise da literatura existente focalizando as características apresentadas pelas organizações que inovam em relação às principais teorias organizacionais ambientalistas, buscando identificar sua importância relativa para cada uma delas. A discussão leva em conta as principais teorias organizacionais agrupadas em quatro perspectivas: Contingencialista, Dependência de Recursos, Ecológica e Neoinstitucional. Além da pesquisa bibliográfica sobre o tema, o trabalho também desenvolve uma análise de dados secundários sobre inovação presentes na mais recente edição da pesquisa industrial de inovação tecnológica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, e de outras publicações sobre o assunto para reforçar as proposições teóricas. São apresentados alguns setores das indústrias de transformação e de serviços que satisfazem as principais características encontradas nas organizações que inovam de forma incremental ou radical.


Texto completo:

PDF

Referências


BUCCELLI, D. O. Aprendizado e Cultura da Inovação no Ambiente Organizacional. IN: COLETÂNEA UNIEMP INOVAÇÃO: Educação para Inovação: Desafios e Soluções. São Paulo: Instituto Uniemp, 1a ed., v.1, p.123-152, 2007.

BUCKLER, S. A.; ZIEN, K. A. The Spirituality of Innovation: Learning from Stories. Journal of Product Innovation Management. Chicago, Volume 13, Issue 5, pages 391–405, September, 1996.

CHESBROUGH, H. W. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press, 2006.

EDQUIST, C. Systems of innovation for development. IN: Competitiveness, innovation and learning: Analytical framework. World Industrial Development Report, UNIDO, 2001.

FREIRE, L. A.; BIDARRA, J. Ambiguidades da inovação: implicações da ambiguidade lexical nos textos da área de inovação tecnológica e no contexto da integração comercial e científica internacional. Revista Travessias - Centro de Educação, Comunicação e Artes, Cascavel: Unioeste, v.6, nº 2, 15ª edição, p.448-458, 2012.

GIANEZINI, M. et al. Diferenciação de produto e inovação na indústria agroalimentar: a inserção de alimentos funcionais no Brasil. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Joaçaba: Ed. Unoesc, v. 11, n.1, Edição Especial Agronegócios, p. 9-26, jan./jun. 2012.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova [online], n.58, pp. 193-223, 2003.

HANNAN, M. T.; FREEMAN, J. Ecologia populacional das organizações. São Paulo: Revista de Administração de Empresas, v.45, n°3, p.70-91, 2005.

HATCH, M. J.; CUNLIFFE, A. L. Organization theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. London: Oxford University Press, 2012.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa industrial de inovação tecnológica – PINTEC. Rio de Janeiro. IBGE, 2011.

KUCZMARSKI, T. D. Por uma consciência inovadora. São Paulo: Revista HSM Management, n°6, ano 1, p.62-68, 1998.

LOOS, M. J.; MIGUEL, P. A. C. Análise da classificação de projetos de novos produtos e faturamento no desenvolvimento de produtos em uma empresa têxtil. RACE, Joaçaba: Ed. Unoesc, v.10, n.2, p.185-214, jul./dez. 2011.

MEYER, J. W.; ROWAN B. Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony IN: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Org.) The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, p 41 - 62, 1991.

MINTZBERG, H. The structuring of organizations. Prentice Hall, 1979.

OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development. Manual de Oslo: Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 2a ed., Brasília: Finep, 2004.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. The External Control of Organizations: A Resource Dependence Perspective, New York: Harper & Row, 1978.

PUGH, D. S.; HICKSON, D. J.; HININGS, C. R.; TURNER, C. Dimensions of organization structure. Administrative Science Quarterly, vol. 13, p. 65-105, 1968.

SCOTT, R.W. Institutions and organizations. Thousand Oaks: Sage Publications, 2nd ed., 2001.

SEKARAN, U. Research methods for business: a skill-building approach. 2nd ed. New York: John Wiley, 1992.

SILUK, J. C. M.; NORA, L. D. D. Proposta de diagnóstico da inovação e competitividade no setor de serviços. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Joaçaba: Ed. Unoesc, v. 10, n. 1, p. 7-30, jan./jun. 2011.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. 7a reimpressão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v4i2.370

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com