Ganhos de empresas industriais brasileiras com o mercado livre de energia elétrica

Marta Eliza Bubicz, Giancarlo Medeiros Pereira, Miriam Borchardt, Miguel Afonso Sellitto

Resumo


O objetivo deste artigo foi apontar possibilidades de ganhos financeiros e não-financeiros que empresas brasileiras possam auferir se migrarem para o mercado livre de energia elétrica (ACL). O método de pesquisa foi o estudo de caso múltiplo. Foram estudadas seis empresas que migraram e duas que não migraram para o mercado livre. O mercado livre de energia elétrica oferece a possibilidade de trocar energia gerada por combustível fóssil por energia verde, com expressiva redução de tarifa. O principal benefício que as empresas observam é a expressiva redução na tarifa de energia que a migração oferece. No entanto, outros benefícios também foram observados: possibilidade de aumento na produção, pelo aumento de horas disponíveis, antes bloqueadas pelo horário de ponta; possibilidade de desativar geradores, de manutenção custosa; possibilidade de turnos ininterruptos de trabalho, antes interrompidos pelo horário de ponta; satisfação de funcionários com a redução de horas-extras e antecipação do fim da jornada diária; e uso de energia de qualidade superior à gerada por grupos motor-gerador a diesel. Ganhos ambientais com a substituição de combustível fóssil por energia verde não foram reconhecidos pelas empresas estudadas.


Texto completo:

PDF

Referências


ABEJON, N.; LAI, C.; CHAN-HALBRENDT, C. “DOSSA”, highway to energy self-sustainability: A case study. Applied Energy, v.97, n.2, p.217-224, 2012.

AKKEMIK, K.; OGUZ, F. Regulation, efficiency and equilibrium: A general equilibrium analysis of liberalization in the Turkish electricity market. Energy, v.36. p.3282-3292, 2011.

AL-BADI, A; MALIK, A.; GASTLI, A. Sustainable energy usage in Oman - Opportunities and barriers. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v.15, n.8, p.3780-3788, 2011.

ALLSOPP, C.; FATTOUTH, B. Oil and international energy. Oxford Review of Economic Policy, v.27, n.1, p.1-32, 2011.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Banco de Informações de Geração (BIG). Dados de 2012. Disponível em WWW.aneel.gov.br, acesso em julho de 2013.

BAHÇE, S.; TAYMAZ, E. The impact of electricity market liberalization in Turkey “Free consumer ” and distributional monopoly cases. Energy Economics, v.30, n.8, p.1603-1624, 2008.

BORCHARDT, M.; POLTOSI, L.; SELLITTO, M.; PEREIRA, G. Considerações sobre ecodesign: um estudo de caso na indústria eletrônica automotiva. Ambiente & Sociedade, v.11, n.2, p.341-353, 2008.

CLEMENT-NYNS, K.; HAESEN, E.; DRIESEN, J. The impact of charging plug-in hybrid electric vehicles on a residential distribution grid. IEEE Transactions on Power Systems, v.25, n.1, p.371-380, 2010.

CRABTREE, G. SARRAO, J. Controlling the Functionality of Materials for Sustainable Energy. Annual Review of Condensed Matter Physics, v.2, n.2, p.287-301, 2011.

EMADI, A.; LEE, Y.; RAJASHEKARA, K. Power electronics and motor drives in electric, hybrid electric, and plug-in hybrid electric vehicles. IEEE Transactions on Industrial Electronics, v.55, n.6, p.2237-2245, 2008.

EVERETT, R.; BOYLE, G.; PEAKE, S.; RAMAGE, J. Energy Systems and Sustainability: Power for a Sustainable Future. Oxford, UK: Oxford University Press, 2012.

FAGUNDES FILHO, C. Análise da estratégia de contratação de consumidores livres, tendo como balizamento a formação de preços no mercado livre. Dissertação de Mestrado (Engenharia Elétrica) USP, São Paulo: 2009.

HABERL, H.; BERINGER, T.; BHATTACHARYA, S.; ERB, K.; HOOGWIJK, M. The global technical potential of bio-energy in 2050 considering sustainability constraints. Current Opinion in Environmental Sustainability, v.2, n.5, p.394-403, 2010.

HAUG, M. Clean energy and international oil. Oxford Review of Economic Policy, v.27, n.1, p.92–116, 2011

KAYGUSUZ, K. Climate Change and Biomass Energy for Sustainability. Energy Sources, Part B: Economics, Planning, and Policy, v.5, n.2, p.133-146, 2010.

KRETZERS, I. Conference Report: Euroscicon Conference on Innovations in Renewable Energies. Biofuels, v.3, n.4, p.375-376, 2012.

KÜCHE, J. Fundamentos de Metodologia Científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Petrópolis: Vozes 1997.

LAMAS, E. Metodologia para avaliação de alternativas de fornecimento de energia elétrica para consumidores do grupo A. Dissertação de Mestrado (Engenharia Elétrica). Porto Alegre: UFRGS, 2010.

LIAO, C.; OU, H.; LO, S.; CHIUEH, P.; YU, Y. A challenging approach for renewable energy market development. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v.15, n.1, p.787–793, 2011.

LISE, W.; KRUSEMAN, G. Long-term price and environmental effects in a liberalised electricity market. Energy Economics, v.30, n.2, p.230–248, 2008.

LONG, Y.; FANG, Z. Conference Report: World Congress of Bioenergy, 2012: renewable energy for sustainability. Biofuels, v.3, n.4, p.377-378, 2012.

MENGES, R. Supporting renewable energy on liberalised markets: green electricity between additionality and consumer sovereignty. Energy Policy, v.31, n.7, p.583–596, 2003.

MIGUEL, P. Metodologia da pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MUNDACA, L. Markets for energy efficiency: Exploring the implications of an EU-wide ‘Tradable White Certificate’ scheme. Energy Economics, v.30, n.6, p.3016–3043, 2008.

NASCIMENTO, T.; MENDONÇA, A.; CUNHA, S. Innovation and sustainability in energy production: the case of wind power generating system in Brazil. Cadernos EBAPE, v.10, n.3, p.630-651, 2012.

NIELSEN, S.; SORKNÆS, P.; ØSTERGAARD, P. Electricity market auction settings in a future Danish electricity system with a high penetration of renewable energy sources – A comparison of marginal pricing and pay-as-bid. Energy, v.36, n.7, p.4434-4444, 2011.

PARIKH, J.; GHOSH, P. Energy technology alternatives for India till 2030. International Journal of Energy Sector Management, v.3, n.3, p.233-250, 2009.

PATLITZIANAS, K.; DOUKAS, H.; PSARRAS, J. Enhancing renewable energy in the Arab States of the Gulf: Constraints & efforts. Energy Policy, v.34, n.18, p.3719-3726, 2006.

PROCEL - Programa Nacional De Conservação de Energia Elétrica, ELETROBRÁS. Manual de tarifação da energia elétrica. Brasília: 2001.

ROGERS, C. Hydrogen and the 2050 UK energy consumer. International Journal of Low-Carbon Technologies, v.7, n.1, p.2–4, 2011.

SHAW, R.; ATTREE, M.; JACKSON, T. Developing electricity distribution networks and their regulation to support sustainable energy. Energy Policy, v.38, n.10, p.5927-5937, 2010.

SILVA, S.; REIS, R.; AMÂNCIO, R. Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie, v.12, n.3, p. 146-176, 2011.

STANKEVICIUTE, L.; CRIQUI, P. Energy and climate policies to 2020: the impacts of the European “20/20/20” approach. International Journal of Energy Sector Management, v.2, n.2, p.252-273, 2008.

THACKERAY, M.; WOLVERTON, C.; ISAACS, E. Electrical energy storage for transportation—approaching the limits of, and going beyond, lithium-ion batteries. Energy & Environmental Science, v.5, n.7, p.7854-7863, 2012.

TRABER, T.; KEMFERT, C. Gone with the wind? — Electricity market prices and incentives to invest in thermal power plants under increasing wind energy supply. Energy Economics, v.33, n.2, p.249–256, 2011.

ZHAO, Z.; ZUO, J.; FAN, L.; ZILLANTE, G. Impacts of renewable energy regulations on the structure of power generation in China–A critical analysis. Renewable Energy, v.36, n.1, p.24-30, 2011.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v4i1.245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]