Monitoramento na Adoção de Tecnologia Agropecuária em Municípios-Hub no Estado do Amazonas

Authors

  • Indramara Lôbo de Araújo Vieira Meriguete Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA AMAZÔNIA OCIDENTAL.
  • Dalvino Pereira de Araújo Júnior Universidade Federal do Amazonas
  • Elison de Souza Sevalho Universidade Federal do Amazonas
  • Jane Márcia Pinto Moura Universidade Federal do Amazonas
  • Spartaco Astolfi Filho Universidade Federal do Amazonas
  • Carlos Gustavo Nunes da Silva Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v10i3.1445

Keywords:

Economia, Tecnologias Agropecuárias, Produtores rurais, Amazonas.

Abstract

As Tecnologias Agropecuárias possuem um papel importante na proposta de interiorização do desenvolvimento econômico para o estado do Amazonas, levando alternativa de emprego e gerando renda para produtores rurais. Esta pesquisa tem o objetivo de avaliar a adoção de Tecnologias Agropecuárias numa preconcebida Rota-Hub no Estado do Amazonas. O estudo de caso ocorreu nas cidades de Manaus, Iranduba, Manacapuru, Rio Preto da Eva e Presidente Figueiredo, denominados de Municípios-Hub. Realizou-se a aplicação de questionário elaborado pelo método misto, a fim de gerar dados quantitativos e qualitativos direcionados aos produtores rurais. Este estudo buscou entender a dinâmica de 250 produtores rurais, 50 em cada Municípios-Hub com relação à aquisição de novas Tecnologias Agropecuárias em seu sistema de produção rural. Esta pesquisa demonstra e fornece uma nova visão das percepções dos produtores em relação à adoção das tecnologias agropecuárias, dos benefícios que elas proporcionam, emas, especialmente, dos entraves para adquiri-las e adotá-las. As percepções dos produtores variam sobre os benefícios que essas tecnologias oferecem às suas operações, de acordo com o nível tecnológico utilizado por eles e sua escolaridade. Os desenvolvedores dessas tecnologias, buscam incentivar os produtores a adotá-las, respaldando-se nas facilidades que elas podem proporcionar, porém, fica evidente que é necessário que o produtor percebea esses benecífios, entenda como manejar a tecnologia e possa manter o sistema de produção preconizado pela pesquisa.

Author Biographies

Indramara Lôbo de Araújo Vieira Meriguete, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA AMAZÔNIA OCIDENTAL.

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Amazonas (1998), habilitada em Relações Públicas. É especialista em Marketing (1999) e Biotecnologia (2000), Mestre em Economia - Desenvolvimento Regional (2009) e doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal. Construiu experiência profissional em empresas e instituições públicas, privadas e de economia mista. Suas principais contribuições à sociedade estão na área de Marketing e Comunicação Social - RRPP. Possui formação em Psicanálise Clínica, exercendo a Clínica Analítica, com especializações em terapia infantil, interpretações de desenhos infantis, psicossomatoses, interpretações oníricas e experiência com psicologia social e comunitária. Teve oportunidade de exercer a profissão em empresas de Manaus como: Fogás - gerente de Marketing em Manaus e na Amazônia Ocidental e Fucapi - Coordenadora de Marketing; no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Estado do Amazonas (HEMOAM) e Ministério Público Federal (MPF) exerceu suas atividades profissionais como Assessora de Comunicação Social; na Empresa Natura Cosméticos S.A., exerceu cargos em três oportunidades gerenciais: Gerente de Biodiversidade, Gerente da Cadeia de Fornecimento Sustentável e Gerente de Relacionamento com Comunidades e Órgãos Públicos, para consolidação das famílias de produtos que constituem a Linha Ekos da referida Empresa. Atualmente, trabalha na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, na Unidade Embrapa Amazônia Ocidental (CPAA), exercendo o cargo de Analista de Transferência de Tecnologia, sendo responsável pela divulgação do Programa de Incubação de Empresas em Agronegócios da Embrapa, Avaliações de Impactos Sociais, Econômicos e Ambientais das Tecnologias da Embrapa Disponibilizadas ao Produtor Rural - na área da bananicultura e cultura guaranícola; participa e coordena projetos de pesquisa; realiza atividades referentes à Avaliação e Prospecção de demandas agropecuárias. Realiza cursos de Mercadologia para o Setor Primário com vistas na verticalização da produção deste setor econômico. Idealizou e implantou a Expansão da Cultura Guaranícola na Região Metropolitana de Manaus, perfazendo uma Rota Tecnológica com a Cultura em 5 Municípios: Manaus, Iranduba, Manacapuru, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva, iniciando em Nova Olinda do Norte, tendo como parceiras no Projeto Empresas Privadas assentadas no Polo Industrial de Manaus, Instituições Governamentais e Não Governamentais.

Dalvino Pereira de Araújo Júnior, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade Federal do Amazonas (2003) com especialização em Marketing Empresarial pela UFAM (2010). Atualmente é Diretor de Criação e sócio da empresa ForBrand Comunicação. Com mais de 12 anos de experiência, possui várias campanhas publicitárias veiculadas em Manaus e em outros estados da região Norte. Como clientes atendidos na área on-line e off-line estão: Manauara Shopping, Cristal Engenharia, Engenho Dedé, Patrimônio Manaú, Postos Atem, Cachaçaria do Dedé, Postos Equador, Picanha Mania, Info Store, Amazon Print, Ms Casa entre outros. Também foram desenvolvidos projetos na área de design gráfico, tais como: marcas, sistemas de identidade visual e rótulos de produtos regionais como Guaraná Real.

Elison de Souza Sevalho, Universidade Federal do Amazonas

Atualmente é Doutorando em Biodiversidade e Biotecnologia pela Rede de BIONORTE vinculada a Universidade Federal do Amazonas, Especialização em Tutoria em EAD e Docência do Ensino Superior pela Universidade Cândido Mendes (2017) e Graduação em Bacharelado em Biotecnologia pela Universidade Federal do Amazonas (2016). Publicou 4 artigos científicos. Os termos mais frequentes atualmente na contextualização da produção científica e tecnológica são: biotecnologia para produção de biocompostos; biotransformação de substâncias orgânicas; fungos endofíticos isolados da floresta Amazônica; Morinda citrifolia, Compostos fenólicos, Produtos naturais, HPTLC e Antioxidantes, EAD, Ensino, Educação e Docência.

Jane Márcia Pinto Moura, Universidade Federal do Amazonas

Profissional da área de Administração e Economia, Gestão de Projetos, Educação, Inovação e Empreendedorismo, Graduada em Administração de Empresas (Amazonas-Brasil), Pós-graduada em Difusão da Inovação Tecnológica (Amazonas-Brasil), Mestranda em Engenharia de Produção Industrial-Universidade do Minho (Guimarães-Portugal); Doutoranda/aluna especial do Programa de Pós-graduação BIONORTE na Universidade Federal do Amazonas-UFAM (Amazonas-BRASIL), Docente na UFAM, dos cursos de graduação em Economia, Administração, Engenharias e Biotecnologia, Professora de Pós-graduação nas áreas de Gestão de Projetos, Inovação Tecnológica, Empreendedorismo, Negócios e sustentabilidade, Possui vasta experiência na implantação e gestão de Habitats de Inovação e Empreendedorismo (Incubadoras de Empresas, Aceleradoras e NITs ), eleita 2019/2022 como Superintendente Executiva da Rede de Inovação e Empreendedorismo da Amazônia-RAMI. Possui Expertise em mentorias para Startups e de novos negócios de impacto, Avaliadora de Business Plan e projetos da área de inovação tecnológica e de economia criativa. É Consultora Técnica credenciada do Sebrae e Senai. Atua na administração pública e privada há mais de 20 anos como Diretora Administrativa, financeira, gestora de projetos, coordenadora de programas de desenvolvimento regional, Planejamento estratégico, Empreendedorismo, Ciência Tecnologia e Inovação, nas Secretarias de Governo do Município de Manaus e do Estado do Amazonas: SEMED, SUHAB, SEDEC, SECTI, na Iniciativa Privada: FUCAPI, ULBRA, FMF, dentre outras organizações Públicas e Privadas.

Spartaco Astolfi Filho, Universidade Federal do Amazonas

Nasceu em Oswaldo Cruz (SP) em 1952 onde recebeu o ensino fundamental. Concluiu o ensino médio na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (Campinas-SP) em 1970. Formou-se Bacharel em Ciências Biológicas pela UnB em 1975, Mestre em Biologia Molecular pela UnB 1978 e Doutor em Ciências pela UFRJ em 1987. Realizou em 1988-1989 Pós-Doutorado na área de Engenharia Genética no Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade de Manchester (UK). Foi professor de Biologia Molecular e Engenharia Genética da Universidade de Brasília no período de 1978 a 1994 onde foi chefe do Departamento de Biologia Celular e coordenador dos Cursos de Graduação em Ciências Biológicas e de Pós-Graduação em Biologia Molecular. No citado período, em colaboração com a USP, pela primeira vez expressou em nosso País um gene eucariótico (alfa-amilase de camundongo) em uma hospedeira também eucariótica (levedura de cerveja), em colaboração com o Centro de Biotecnologia da UFRGS desenvolveu a tecnologia de produção de Taq-polimerase (a enzima mais usada atualmente em biologia molecular/engenharia genética) e juntamente com a BIOBRÁS - Bioquímica do Brasil S/A desenvolveu a tecnologia de produção de insulina humana por engenharia genética/fermentação - este trabalho culminou na construção de uma unidade industrial de produção de insulina humana em Montes Claros (MG), também foi transferida para empresa da Rússia. Em 1995, visando contribuir para o desenvolvimento da biotecnologia na Amazônia transferiu-se para a Universidade Federal do Amazonas (UFAM) onde contribuiu na implementação de um arrojado programa de formação de recursos humanos em biotecnologia. Juntamente com profissionais de diferentes Instituições da Amazônia e de outras regiões brasileiras idealizou o PROBEM/Amazônia (Programa Brasileiro de Ecologia Molecular para o Uso Sustentável da Biodiversidade da Amazônia), um programa do Governo Federal com forte apoio da SUFRAMA que objetiva o desenvolvimento sustentável da região Amazônica por meio da implementação de Polos de Bioindústrias com tecnologias amistosas ao meio ambiente. A primeira ação concreta do PROBEM/Amazônia foi a construção do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA). Orientou até o momento 77 dissertações e 45 teses, publicou 116 artigos científicos completos em revistas indexadas e desenvolveu diversos processos biotecnológicos sendo que 3 deles foram motivos de concessão de patentes internacionais. Participou da idealização, implantação e coordenou no período de 2002 a 2006 o Programa Multi-Institucional de Pós-Graduação em Biotecnologia (PPG-BIOTEC), coordenou a Rede Genômica da Amazônia Legal (REALGENE). Coordenou o Comitê Científico da Rede BIONORTE (2009 -2011) e em seguida foi Coordenador Geral do Programa de Pós-Graduação da Rede BIONORTE (PPG-BIONORTE) no período de 2012 a 2017. Integra o Conselho Científico da empresa Cristália - Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Aposentou-se em 2017 como Professor Titular de Engenharia Genética do Departamento de Genética da UFAM, onde continua até o momento como Professor Emérito.

Carlos Gustavo Nunes da Silva, Universidade Federal do Amazonas

Atualmente é pesquisador visitante internacional na Université de Lausanne, Suíça, em microbioma, englobando isolamento e identificação genômica e bioquímica de novas espécies de bactérias. Fez seu mestrado em Ciências Biológicas (Entomologia) pelo INPA (Inst. Nacional de Pesquisas da Amazônia), doutorado em Biotecnologia pela UFAM (Universidade Federal do Amazonas) com estágio sanduíche na Heinrich-Heine-Universität Düsseldorf (Alemanha). Ministra aulas nas disciplinas de Engenharia Genética, Uso e Manejo de Recursos Genéticos da Amazônia, Bioinformática, Biossegurança e Bioética. Realiza pesquisas nas áreas de biologia molecular, evolução e microbiologia básica, microbioma, analise genômica e filogenética com ênfase em associações simbióticas de micro-organismos e invertebrados; engenharia genética e biotecnologia, com varias publicações em periódicos internacionais. Atua na revisão de projetos e artigos científicos. Orienta alunos em seus projetos de pós graduação (mestrado e doutorado) e graduação. Na área administrativa dirigiu o Centro de Apoio Multidisciplinar da UFAM de 2017 a 2019, órgão suplementar da universidade que presta serviços e é composto pelas divisões de Central Química Analítica e de Biotecnologia. Foi coordenador da Pós Graduação em Biotecnologia da UFAM de 2016 a 2017 e vice coordenador do curso de Graduação em Biotecnologia em 2011 até 2013. Coordenador de assuntos internacionais do Parque Cientifico Tecnológico Social -PCTIS- da UFAM de 2012 a 2014. Foi o fundador e instrutor da equipe da UFAM e outras instituições de Manaus que participaram da competição internacional iGEM, nas quais foram premiadas em todas as participações (2013, 2014 e 2016). Participou como membro de bancas de seleção de professores e técnicos administrativos, bem como na seleção de pós-graduandos em nível de mestrado e doutorado nas áreas de biotecnologia e Biodiversidade. Na área de empreendedorismo assessorou e fez parte do quadro societário de duas empresas, sendo uma no ramo de Biotecnologia, em purificação de proteínas e outra na área de gestão de resíduos sólidos orgânicos, utilizando larvas de insetos como eliminadores de resíduos orgânicos e como matéria proteica para ração de peixes. Tem vários projetos de pesquisa e desenvolvimento, inovação e extensão aprovados e atuando como coordenador e gestor dessas diferentes linhas de ação

References

BASSI, N. S. S.; SILVA, C. L. As estratégias de divulgação científica e transferência de tecnologia utilizada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Interações (Campo Grande), v. 15, n. 2, p. 361-372, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1518-70122014000200014.

BERNARDI, A. C. C. et al. Análise e melhoria do processo de avaliação dos impactos econômicos, sociais e ambientais de tecnologias da Embrapa Pecuária Sudeste. Gestão & Produção, v. 17, n. 2, p. 297-316, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2010000200007.

BRAGANTINI, C. A transferência de tecnologia na Embrapa: uma analise e propostas de mudanças conceituais e metodológicas com ênfase em geotecnologias. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 28, n. 2, p. 533-575, 2011.http://dx.doi.org/10.35977/0104-1096.cct2011.v28.13307.

CASTRO, J. M. de et al. Fatores determinantes em processos de transferência de conhecimentos: um estudo de caso na Embrapa Milho e Sorgo e firmas licenciadas. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 5, p. 1283-1306, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122013000500010.

DE SOUZA, P. M. et al. Tecnologia na agricultura brasileira: uma análise das desigualdades regionais para os segmentos familiar e não familiar. Revista Econômica do Nordeste, v. 49, n. 3, p. 147-169, 2018. Disponível em: < https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/812/731>. Acesso em: 25 maio 2019.

DOSSA, A. A.; SEGATTO, A. P. Pesquisas cooperativas entre universidades e institutos públicos no setor agropecuário brasileiro: um estudo na Embrapa. Revista de Administração Pública, v. 44, n. 6, p. 1327-1352, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122010000600004.

FIGUEIREDO, P. N. New challenges for public research organisations in agricultural innovation in developing economies: Evidence from Embrapa in Brazil's soybean industry. The Quarterly Review of Economics and Finance, v. 62, p. 21-32, 2016. https://doi.org/10.1016/j.qref.2016.07.011.

GODINHO, R. F. Efetividade da comunicação no processo de transferência de tecnologia em um evento de extensão: um estudo de caso. Ciência ET Praxis, v. 5, n. 09, p. 59-68, 2012. Disponível em:< http://revista.uemg.br/index.php/praxys/article/view/2193/1182 >. Acesso em: 18 abril 2019.

GOMES, J. C. C. et al. Da difusão de tecnologia ao desenvolvimento sustentável: trajetória da transferência de tecnologia na Embrapa Clima Temperado. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 28, n. 1, p. 159-188, 2011. http://dx.doi.org/10.35977/0104-1096.cct2011.v28.12039.

PETRY, J. F. et al. Innovation and the Diffusion of Technology in Agriculture in Floodplains in the State of Amazonas. RAC-Revista de Administração Contemporânea (Journal of Contemporary Administration), v. 23, n. 5, p. 619-635, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2019190024.

PIVOTO, D. et al. Scientific development of smart farming technologies and their application in Brazil. Information processing in agriculture, v. 5, n. 1, p. 21-32, 2018. https://doi.org/10.1016/j.inpa.2017.12.002.

RIBEIRO, M. C. Brazilian Science and Technology Policy and the Case of Embrapa Semiarid. Contexto Internacional, v. 38, n. 2, p. 685-710, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-8529.2016380200008.

SANTOS, J. A. M. et al. O processo de inovação tecnológica na Embrapa e na Embrapa Agrobiologia: desafios e perspectivas. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 17, n. 4, p. 175-194, 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-99362012000400011.

SCHMIDT BASSI, N. S.; DA SILVA, C. L.; DE FIGUEIREDO, E. A. P. Technology transfer model proposal in public research institutions: the search for a more effective process in the broiler chain in Brazil. Journal of technology management & innovation, v. 10, n. 4, p. 9-17, 2015. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242015000400002.

SOUZA FILHO, H. M. et al. Condicionantes da adoção de inovações tecnológicas na agricultura. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 28, n. 1, p. 223-255, 2011. http://dx.doi.org/10.35977/0104-1096.cct2011.v28.12041.

SOUZA, P. M. et al. Diferenças regionais de tecnologia na agricultura familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 57, n. 4, p. 594-617, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9479.2019.169354.

THOMPSON, N. M. et al. Farmer perceptions of precision agriculture technology benefits. Journal of Agricultural and Applied Economics, v. 51, n. 1, p. 142-163, 2019. https://doi.org/10.1017/aae.2018.27.

Published

2020-07-16

Issue

Section

Engineering and Technology