Barreiras à Interação Universidade – Empresa: um Estudo da UFPE no Setor Farmacêutico de Pernambuco

Flávia Cássia Santos, Artur Stamford Silva, Marcelo Rutowitsch Chimento

Resumo


Para pesquisar os fatores que atuam como desestímulos à interação entre universidades e empresas para fomentar a inovação no segmento farmacêutico, marcado pelo investimento intenso em inovação, investigamos as experiências de pesquisadores do Departamento de Farmácia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) com empresas locais do setor. Por meio de entrevistas com os pesquisadores e com representantes das empresas, foi possível observar elementos que afastam as duas partes de uma interação marcada por incentivo à inovação, dentre eles identificamos a burocracia para formalizar parcerias, a crítica sobre o timing das empresas, a falta de capacitação em gestão da inovação nas universidades e falta de uma cultura de inovação nos dois polos. A conclusão é que urge a formação de recursos humanos e realização de comunicação voltada à inovação de modo a fomentar uma cultura de inovação no setor para se promover políticas públicas nesta área.


Palavras-chave


interação universidade – empresa; burocracia; cultura de inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, E. M. Sistema nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 56-72, jul./set. 1996

BRASIL. Lei de Inovação Federal nº 10.973, de 02 de dezembro de 2004. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 08 jul. 2019.

BRASIL. Lei 11.196, de 21 de novembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11196.htm. Acesso em: 08 jul. 2019.

COELHO, L. C. D.; DIAS, A. A. O núcleo de inovação tecnológica da UFPE: instrumento de política de inovação ou obrigação legal?. RACEF - Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, Ribeirão Preto, v. 7, n. 16, 28-42, 2016.

FERANANDES, A. C. A.; MELO, L. C. P. (coor.). Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para Pernambuco 2017-2022: uma política localmente inspirada, globalmente conectada. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, 2017.

HASENCLEVER, L.; PARANHOS, J. Le développement de l’industrie pharmaceutique au Brésil et en Inde: capacité technologique et développement industriel. In: L’émergence: des trajectoires aux concepts. Paris: Les Editions Karthala, 2013.

Manual de Oslo. Diretrizes para a Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação. Terceira ed. Financiadora de Estudos e Projetos, Ministério da Ciência e Tecnologia FINEP, 1997.

MANSFIELD, E. Academic research and industrial innovation: an update of empirical findings. Research Policy, v. 26, p. 773-776, 1998.

MAZZOLENI, R.; NELSON, R. R. Public research institutions and economic catch-up. Research Policy, v. 36, n. 10, p. 1512–1528, 2007.

PARANHOS, J.; PINTO, M. Interação entre Empresas e Instituições de Ciência e Tecnologia no Sistema Farmacêutico de Inovação Brasileiro: estrutura, conteúdo e dinâmica. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

PINTEC (PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA). Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro: IBGE, 2014.

RICHARDSON, R. J. (Org.). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 334 p.

ROSENBERG, N.; NELSON, R. American universities and technical advance in industry. Research policy, v. 23, p. 323-348, 1994.

ROSENBERG, N. Inside the black box: technology and economics. Cambridge: Cambridge University, 1982. 304 p.

SCHWARTZMAN, Simon. Pesquisa universitária e inovação no Brasil In: ______. Avaliação de políticas de ciência, tecnologia e inovação: diálogo entre experiências internacionais e brasileiras. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2008. p.19-44.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v10i4.1397

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]