Diagnostics and action plans for innovation in small scale industries of Juazeiro/BA

Emanoel Coelho Benevides Junior, Nyegge Vittória Martins de Lima, Vivianni Marques Leite dos Santos

Resumo


Diante da globalização e instabilidade econômica do Brasil, as Empresas de Pequeno Porte (EPPs), apesar de disporem de recursos financeiros limitados, também devem buscar constantes mudanças. Para apoiar estas empresas, o SEBRAE conta com o Programa de Agentes Locais de Inovação (ALI). A ideia é diagnosticar o panorama atual e contribuir para inovação em processos, produtos, serviços, modelos de negócios, gestão organizacional ou em métodos de marketing. Neste estudo, foram selecionadas 5 EPPs, localizadas no distrito industrial de Juazeiro/BA, que aceitaram fazer parte do Programa. Trata-se de um estudo aplicado, quanti-qualitativo e de múltiplos estudos de caso. Conforme variáveis e critérios pré-estabelecidos, a análise foi feita considerando 13 dimensões e pontuando o Grau de Inovação (GI) em cada uma. Considerando o GI do diagnóstico e o escore de cada variável componente das dimensões, foram elaborados Planos de Ação (PA) em conjunto com os proprietários das EPPs, de modo que a definição das ações foi condicionada à decisão do Proprietário. Para duas EPPs, o fator financeiro teve grande impacto, sendo adotadas soluções de menor custo para melhoria financeira em curto prazo, que possibilitem avanços subsequentes mais significativos. No diagnóstico (R0), todas as empresas foram classificadas como pouco inovadoras, com o maior GI para uma empresa de Polpa de Frutas. Para esta, foi prevista classificação como “inovadora ocasional” a partir da execução do PA ao final do primeiro ciclo (R1). Os resultados recomendam atenção especial para as dimensões: agregação de valor, organização, oferta e ambiência inovadora em todas as empresas.


Palavras-chave


pequenas empresas; melhoria contínua; competitividade

Texto completo:

PDF

Referências


BACHMANN, D.; DESTEFANI, J. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE. Curitiba, 2008.

DA SILVA NÉTO, A. T.; TEIXEIRA, R. M. Mensuarção do grau de inovação de micro e pequenas empreesa: estudo em empresas da cadeia têxtil-confecção em Sergipe. Rev. Adm. e Inov. São Paulo, v. 8, n. 3, p. 205-229, jul./set. 2011.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As Regras da Inovação. São Paulo: Ed. Artmed, 2007.

FERREIRA, A. A.; GUIMARÃES, E. R.; CONTADOR, J. C. Patente como instrumento competitivo e como fonte de informação tecnológica. Gest. Prod., São Carlos, v. 16, n. 2, p. 209-221, 2009.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The Economics of Industrial Innovation. 3 The MIT Press 1997.

OECD. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Frascati: Medição de atividades científicas e tecnológicas. Paris:OECD; Brasília: FINEP, 2002.

_____. Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Paris:OECD; Brasília: FINEP, 20016.

MARTINS, P. S. Estudo da relevância de práticas de inovação: um comparativo universidade-empresa. 2011. 163 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

MELO, J. A. V. B. Patents from firms located in the baixada fluminense, Rio de Janeiro. Mercator, Fortaleza, v. 16, e16021, 2017.

NAGANO, M. S.; STEFANOVITZ, J. P.; VICK, T. E. Caracterização de Processos e Desafios de Empresas Industriais Brasileiras na Gestão da Inovação. Rev. Bras. Gest. Neg., São Paulo, v. 16, n. 51, p. 163-179, 2014.

PINTO, A.; HENRIQUES, C.; MARTINHO, A. M. O impacto da inovação na rendibilidade empresarial – O caso do setor têxtil português. Rev. Portug. e Bras. de Gest. p. 61 - 71, Abril/Junho, 2014.

REICHERT, F. M.; CAMBOIM, G. F.; ZAWISLAK, P. A. Capacidades e Trajetórias de Inovação de Empresas Brasileiras. Ram, Rev. Adm. Mackenzie, 16(5), São Paulo/SP, set./out, 2015.

SEBRAE. Atualização dos formulários para a determinação do radar da inovação do Programa ALI – relatório técnico. Curitiba, set. 2014.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Ram, Rev. Adm. Mackenzie, v. 15, n. 4, 229-255, 2014.

SOUZA, D. L. O. Ferramentas de gestão de tecnologia: um diagnóstico de utilização nas pequenas e médias empresas industriais da região de Curitiba. Curitiba: CEFET-PR, 2003.

VARGAS, S. M. L.; GONÇALO, C. R.; RIBEIRETE, F.; SOUZA, Y. S. de. Práticas organizacionais requeridas para inovação: um estudo em empresa de tecnologia da informação. Gest. Prod., São Carlos, v. 24, n. 2, p. 221-235, 2017.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v9i2.1307

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com