Comparative of the development devoted to science, technology and innovation in Brazil in 2016, by two agencies, the proportionality between traditional and social technologies

Authors

  • Leandro Rodrigues Doroteu Universidade de Brasília - UnB http://orcid.org/0000-0003-3027-5307
  • Sônia Marise Salles Carvalho Universidade de Brasília
  • Levi dos Santos Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v8i2.1222

Keywords:

promotion, social technology, social innovation, CT&I

Abstract

A exclusão social, a desigualdade e a crise econômica estão entre os problemas a serem solucionados no Brasil. Questões que afetam milhões de brasileiros e geram efeito em cadeia pela falta de trabalho e renda. A violação de direitos fundamentais e redução de arrecadação de tributos pelo Estado, uma vez que essa parcela da população, privada de trabalho e renda, irá desempenhar atividades econômicas informais para sobreviver. O desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação está constantemente associado às tecnologias convencionais (engenharias, ciências exatas, ciências médicas e fármacos, tecnologia da informação, e congêneres). A hipótese que motivou o presente estudo é a disparidade de fomento estatal e de investimento mesmo nas áreas relacionadas à Tecnologia Social. A importância da Tecnologia Social é o envolvimento da comunidade e a construção de soluções locais específicas respeitando as características sacio-econômicas da região e das pessoas que lá estão fixadas. As tecnologias convencionais, por mais que os documentos públicos afirmem que seus resultados devem ser compartilhados com a comunidade, por sua natureza competitiva excludente, geram desemprego, exclusão e êxodo rural, afetando as pessoas e as comunidades vulneráveis. Por meio de pesquisas bibliográficas e documentais em fontes primárias e secundárias foram tratados os principais conceitos para a construção de um referencial teórico. Em um segundo momento um estudo de caso buscou editais procurando relacionar o fomento entre Tecnologias Sociais e tecnologias convencionais. Como resultado foi observado que há negligencia do Estado em relação às tecnologias de base social.        

Author Biographies

Leandro Rodrigues Doroteu, Universidade de Brasília - UnB

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT) 

Sônia Marise Salles Carvalho, Universidade de Brasília

Professora do Mestrado em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT)

Levi dos Santos, Universidade de Brasília

Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação pela Universidade de Brasília UnB. 

References

ADAMS, T. et al. Tecnologia social e economia solidária: desafios educativos. Diálogo, n. 18, p. 13-35, 2011.

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). (2002). Histórico do setor de incubação de empresas no Brasil e no mundo. Disponível em: <http://www.anprotec.org.br/publicacaoconhecas2.php?idpublicacao=80>. Acesso em: 15 jun. 2017

BRANCO, N. P. N. C. de S. et al. PROJETO DE CONTRIBUIÇÃO À INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA FARINHA DE MANDIOCA DE TIPO COPIOBA: A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS EM DESENVOLVIMENTO. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 2, n. 4, p. 396-412, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal nº 1, de 05 de outubro de 1988. Constituição Federal. 1. ed. Brasília, BRASIL, 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 05 jun. 2017

BRASIL. Lei n.º 10.973/2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional. Atos do Poder Legislativo, DOU, n.º 232 de 03.12.2004.

BRASIL. Lei Federal nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.

BRASIL. Governo. Rede de Tecnologia Social completa 5 anos com investimentos de mais de R$ 300 milhões Brasília DF: 2010. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/governo/2010/05/rede-de-tecnologia-social-completa-5-anos-com-investimentos-de-mais-de-r-300-milhoes> Acesso em: 15 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundação Capes. História e Missão: História. 2008. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/historia-e-missao>. Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Centro de Memória: História do CNPq. 2017. Disponível em: <http://centrodememoria.cnpq.br/Missao2.html>. Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2016 - 2019. 2016. ed. Brasília: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, 2016. 128 p.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Institucional. 2017b. Disponível em: < http://www.mcti.gov.br/institucional>. Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia. Ministério da Ciência e Tecnologia Muda de Nome. 2011. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/governo/2011/08/ministerio-de-ciencia-e-tecnologia-muda-de-nome>. Acesso em: 07 jul. 2017.

CARVALHO, J. N. F. de. POBREZA E TECNOLOGIAS SOCIAIS NO EXTRATIVISMO DA CARNAÚBA. 2008. 100 f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2008. Disponível em: <http://www.leg.ufpi.br/subsiteFiles/mestambiente/arquivos/files/Dissertação Final José Natanael.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2017.

DAGNINO, R. et al. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, p. 65-81, 2004.

FERRARINI, V. A., Dossiê: Inovação Social Ciências Sociais Unisinos [en linea] 2011, 47 (Enero-Abril):[Fecha de consulta: 23 de julio de 2017] Disponible en:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=93820778001> ISSN 1519-7050

FERNANDES, R. M. C.; MACIEL, A. L. S. Tecnologias sociais: interface com as políticas públicas e o serviço social. Serviço Social & Sociedade, 2011.

FINEP. Glossário. Departamento de Estudos e Estratégias Sociais. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/biblioteca/glossario> Acesso em: 10 jul. 2017

FÓRUM BRASILEIRO DE TECNOLOGIA SOCIAL E INOVAÇÃO, 1., 2010, Brasília. CT&I para o desenvolvimento sustentável: contribuição das organizações da sociedade civil. São Paulo: Instituto de Tecnologia Social (ITS Brasil), 2010. 16 p.

FREITAS, C. C. G.; KÜHL, M. R.; SEGATTO, A. P.. Tecnologia social e a sustentabilidade. Evidências da relação. Interciencia, v. 38, n. 3, 2013.

GONÇALVES, R. B. M. Tecnologia e Organização Social das Práticas de Saúde. Características Tecnológicas do Processo de Trabalho na Rede Estadual de Centros de Saúde de São Paulo. 2008.

Published

2018-06-19

Issue

Section

Engineering and Technology