Comparative of the development devoted to science, technology and innovation in Brazil in 2016, by two agencies, the proportionality between traditional and social technologies

Leandro Rodrigues Doroteu, Sônia Marise Salles Carvalho, Levi dos Santos

Resumo


A exclusão social, a desigualdade e a crise econômica estão entre os problemas a serem solucionados no Brasil. Questões que afetam milhões de brasileiros e geram efeito em cadeia pela falta de trabalho e renda. A violação de direitos fundamentais e redução de arrecadação de tributos pelo Estado, uma vez que essa parcela da população, privada de trabalho e renda, irá desempenhar atividades econômicas informais para sobreviver. O desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação está constantemente associado às tecnologias convencionais (engenharias, ciências exatas, ciências médicas e fármacos, tecnologia da informação, e congêneres). A hipótese que motivou o presente estudo é a disparidade de fomento estatal e de investimento mesmo nas áreas relacionadas à Tecnologia Social. A importância da Tecnologia Social é o envolvimento da comunidade e a construção de soluções locais específicas respeitando as características sacio-econômicas da região e das pessoas que lá estão fixadas. As tecnologias convencionais, por mais que os documentos públicos afirmem que seus resultados devem ser compartilhados com a comunidade, por sua natureza competitiva excludente, geram desemprego, exclusão e êxodo rural, afetando as pessoas e as comunidades vulneráveis. Por meio de pesquisas bibliográficas e documentais em fontes primárias e secundárias foram tratados os principais conceitos para a construção de um referencial teórico. Em um segundo momento um estudo de caso buscou editais procurando relacionar o fomento entre Tecnologias Sociais e tecnologias convencionais. Como resultado foi observado que há negligencia do Estado em relação às tecnologias de base social.        


Palavras-chave


promotion; social technology; social innovation; CT&I

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, T. et al. Tecnologia social e economia solidária: desafios educativos. Diálogo, n. 18, p. 13-35, 2011.

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). (2002). Histórico do setor de incubação de empresas no Brasil e no mundo. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017

BRANCO, N. P. N. C. de S. et al. PROJETO DE CONTRIBUIÇÃO À INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA FARINHA DE MANDIOCA DE TIPO COPIOBA: A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS EM DESENVOLVIMENTO. Revista GEINTEC-Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 2, n. 4, p. 396-412, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal nº 1, de 05 de outubro de 1988. Constituição Federal. 1. ed. Brasília, BRASIL, 1. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2017

BRASIL. Lei n.º 10.973/2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional. Atos do Poder Legislativo, DOU, n.º 232 de 03.12.2004.

BRASIL. Lei Federal nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.

BRASIL. Governo. Rede de Tecnologia Social completa 5 anos com investimentos de mais de R$ 300 milhões Brasília DF: 2010. Disponível em: < http://www.brasil.gov.br/governo/2010/05/rede-de-tecnologia-social-completa-5-anos-com-investimentos-de-mais-de-r-300-milhoes> Acesso em: 15 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundação Capes. História e Missão: História. 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Centro de Memória: História do CNPq. 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação. ESTRATÉGIA NACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2016 - 2019. 2016. ed. Brasília: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, 2016. 128 p.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Institucional. 2017b. Disponível em: < http://www.mcti.gov.br/institucional>. Acesso em: 07 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia. Ministério da Ciência e Tecnologia Muda de Nome. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2017.

CARVALHO, J. N. F. de. POBREZA E TECNOLOGIAS SOCIAIS NO EXTRATIVISMO DA CARNAÚBA. 2008. 100 f. Dissertação (Mestrado) - Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Programa Regional de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

DAGNINO, R. et al. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, p. 65-81, 2004.

FERRARINI, V. A., Dossiê: Inovação Social Ciências Sociais Unisinos [en linea] 2011, 47 (Enero-Abril):[Fecha de consulta: 23 de julio de 2017] Disponible en: ISSN 1519-7050

FERNANDES, R. M. C.; MACIEL, A. L. S. Tecnologias sociais: interface com as políticas públicas e o serviço social. Serviço Social & Sociedade, 2011.

FINEP. Glossário. Departamento de Estudos e Estratégias Sociais. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/biblioteca/glossario> Acesso em: 10 jul. 2017

FÓRUM BRASILEIRO DE TECNOLOGIA SOCIAL E INOVAÇÃO, 1., 2010, Brasília. CT&I para o desenvolvimento sustentável: contribuição das organizações da sociedade civil. São Paulo: Instituto de Tecnologia Social (ITS Brasil), 2010. 16 p.

FREITAS, C. C. G.; KÜHL, M. R.; SEGATTO, A. P.. Tecnologia social e a sustentabilidade. Evidências da relação. Interciencia, v. 38, n. 3, 2013.

GONÇALVES, R. B. M. Tecnologia e Organização Social das Práticas de Saúde. Características Tecnológicas do Processo de Trabalho na Rede Estadual de Centros de Saúde de São Paulo. 2008.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v8i2.1222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com