Management of knowledge in wildlife in the south of Santa Catarina: Maturity assessment from the implementation of a Geographical Indication

Everaldo Silva de Oliveira, Adriana Carvalho Pinto Vieira, Cristina Keiko Yamaguchi, Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

Resumo


No atual cenário, o conhecimento e a informação são considerados os principais fatores de diferenciação para criar ou manter a vantagem competitiva nas organizações e permitir do desenvolvimento de uma região. O trabalho teve como objetivo investigar o nível de maturidade da gestão do conhecimento nas vitivinícolas da região delimitada pela Indicação Geográfica dos Vales da Uva Goethe. A pesquisa se caracteriza como exploratória descritiva, com uma abordagem qualitativa, por meio de uma pesquisa bibliográfica e estudo de caso. Os resultados demonstraram que as vitivinícolas continuam seguindo o método de trabalho de seus fundadores, o compartilhamento de conhecimento é restrito e a inovação existente é decorrente da implementação das normas da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA NETO, R.C.D.; BARBOSA, R.R.; PEREIRA, H.J. Gestão do conhecimento ou gestão de organizações da era do conhecimento? Um ensaio teórico-prático a partir de intervenções na realidade brasileira. Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 5-24, abr. 2007. Disponível em . Acesso em: 01 jul. 2015.

APO - Asian Productivity Organization. Knowledge Management: Facilitators’ Guide. 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2015.

BAGHERI, R; ESLAMI, P.; MIRFAKHRAEE, S.; YARJANLI, M. The Evaluation of Knowledge Management Maturity Level in a Research Organization.Australian Journal Of Basic And Applied Sciences. Amman-jordan, p. 11-20. fev. 2013.

BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL. Vitivinicultura em Santa Catarina: situação atual e perspectivas. Florianópolis: BRDE, 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2015.

BASTOS, A.V.B.; GONDIM, S.M.G.; LOIOLA, E. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. R. Adm, São Paulo, v. 39, n. 3, p.220-230, 2004. Trimestral.

BEHR, R.R.; NASCIMENTO, S.P. A gestão do conhecimento como técnica de controle: uma abordagem crítica da conversão do conhecimento tácito em explícito. Cad. EBAPE. BR, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 01-11, mar. 2008. Disponível em . Acesso em: 01 jul. 2015.

BORBA, F.R.; KNOLL, E.C.; TODESCAT, M. Diagnóstico de níveis de maturidade em gestão do conhecimento: centro de empreendedorismo inovador da fundação CERTI. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v. 3, n. 2, p.163-176, 2013. Jul./dez.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Guia para a solicitação de registro de indicação geográfica para produtos agropecuários. 2008. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br. Acesso em: 14 fev. 2015.

BRUCH, K.L.; VIEIRA, A.C.P.; BARBOSA, P. M. S. Differentation between collective marks and geographical indication wine Brazilian sector. In: Book 37 World Congress of Vine and Wine, 2014, Mendonça: OIV, 2014. v. 1. p. 259. Disponível em:. Acesso em: 10 ago. 015.

BUKOWITZ, W.R.; WILLIANS, R.L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002. 399 p.

CARVALHO, R.B.; FERREIRA, M.A.T.; SILVA, R.V. Análise da maturidade e do perfil de programas de gestão do conhecimento: pesquisa exploratória e comparativa em organizações brasileiras e portuguesas. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, PR, v. 2, n. 3, p.15-28, 1 mar. 2006 / UTFPR. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2015.

CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo Perspectiva, v. 19, n.1, p.34-45, jan./mar. 2005.

COSTA, E.A. A gestão do conhecimento como fator agregador de uma cadeia produtiva. In: SEMEAD - SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 6., 2003, São Paulo. Anais. São Paulo: USP, 2003. p. 1 - 12. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2015.

EHMS, K. & LANGEN, M. Holistic Development of Knowledge Management with KMMM, Siemens AG 2002, Disponível em: .Acesso em: 16 out. 2015.

ERNST, D.; KIM, L. Global production networks, knowledge diffusion, and local capability formation. Research Policy, EUA, n. 31, p.1417-1429, 11 fev. 2002.

FLEURY, A. C. C.; FLEURY, M. T. L. Os Desafios da Aprendizagem e Inovação Organizacional. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 5, set-out, 1995.

GARIBA JÚNIOR, M. Gestão do conhecimento. Florianópolis: IF-SC, 2009. 140 p.

GIL, A.C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GOMES JUNIOR, W.V.; PEREIRA, I.R.; ÁVILA, A.R. Desenvolvimento do conhecimento organizacional: uma abordagem utilizando o treinamento de pessoas. In: LAPOLLI, E.M.; FRANZONI, A.M.B.; LAPOLLI, J.; BEIRÃO FILHO, J.A. Gestão de pessoas em organizações empreendedoras. Florianópolis: Pandion, 2010. Cap. 4. p. 91-108. (V. 4).

GONÇALO, C.R.; JUNGES, F.M.; BORGES, M.L. Avaliação da gestão do conhecimento: modelos de mensuração. XXX ENEGEP. São Carlos, São Paulo. Outubro, 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 15 fev 2015.

IBRAVIN. Instituto Brasileiro do Vinho. Disponível em: http://www.ibravin.org.br/. Acesso em: 12 fev 2015.

JENOVEVA-NETO, R.; FREIRE, P.S.; VIEIRA, A.C.P. Análise do processo de institucionalização da indicação geográfica para o desenvolvimento socioeconômico: o caso dos “Vales da Uva Goethe”. In: Anais 2º Seminário Nacional de Planejamento e Desenvolvimento. Florianópolis: UDESC, 2014.

KULKARNI, U.; FREEZE, R. Development and Validation of a Knowledge Management Capability Assessment Model, 25th International Conference on Information Systems, 2004.

LEITE, J.B.D.; PORSSE, M.C.S. Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 7, n. spe, 2003. Disponível em . Acesso em: 20 jun. 2014.

LEUCH, V.; CARVALHO, H.G.; KOVALESKI, J.L. Barreiras culturais à gestão do conhecimento em indústrias de grande porte dos Campos Gerais – no Estado do Paraná: um enfoque na percepção dos funcionários. In: Encontro Nac. de Eng. de Produção, 25, 2005, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: Abepro, 2005. p. 4829 – 4836.

MAESTRELLI, S.R. Do parreiral à taça: o vinho através da história. Urussanga-SC: Epagri, 2011. 339 p.

MITELKA, L.; FARINELLI, F. De aglomerados locais a sistemas de inovação. In: LASTRES, H.M.; CASSIOLATO, J.E.; ARROIO, A. (Org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

NONAKA, I. A empresa criadora de conhecimento. In: Aprendizagem Organizacional: os melhores artigos da Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. p. 27-50.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 17. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVEIRA, A.H.P. Condições para arranjo produtivo local (APL) e sustentabilidade à indústria do vestuário de Araranguá-SC. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, Unidade Acadêmica de Humanidade, Ciências e Educação, Unesc, Criciúma, SC, 2012.

PAULZEN, O.; PERC, P. A Maturity Model for Quality Improvement in Knowledge Management. Proceedings of the 13th Australasian Conference on Information Systems, 2002.

PROBST, G.; RAUB, S.; ROMHARDT, K. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2002. 286 p.

QUEL, L.F. Gestão de conhecimentos: e os desafios da complexidade nas organizações. São Paulo: Saraiva, 2006. 116 p.

SILVA, S.L. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 2, p. 143-151, ago. 2004. Disponível em . Acesso em: 01 jul. 2015.

STEIL, A.V. Competências e aprendizagem organizacional: como planejar programas de capacitação para que as competências individuais auxiliem a organização a aprender. Florianópolis: Instituto Stela, 2006. 157 p.

STEWART, T.A. (Org.). A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e a organização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

VELLOSO, C.Q. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 166 f. Dissertação (Mestrado em Agrossistemas), Centro de Ciências Agrárias, UFSC, Florianópolis, 2008.

VIEIRA, A.C.P., GARCIA, J.R.; BRUCH, K.L. Análise econômico-ecológica dos efeitos da mudança climática na região delimitada pela Indicação de Procedência 'Vales da Uva Goethe em Santa Catarina – Brasil. 2013. In: VI Congresso Internacional Sistemas Agroalimentares Localizados, 2013, Florianópolis. VI Congresso Internacional Sistemas Agroalimentares Localizados. Florianópolis: UFSC / CIRAD.

VIEIRA, A.C.P.; PELLIN, V. O uso do instituto das indicações geográficas como instrumento de promoção do desenvolvimento territorial rural: o caso dos Vales da Uva Goethe - Brasil - SC. In: APDR CONGRESS, 20. 2011, Évora - Portugal. Anais. Évora: University Of Évora, 2014. p. 1 – 19.

VIEIRA, A.C.P.; PELLIN, V. Indicações geográficas como políticas públicas de desenvolvimento territorial rural: o caso dos Vales da Uva Goethe. In: DALLABRIDA, V.R. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial: reflexões sobre o tema e potencialidades do Estado de Santa Catarina. São Paulo: Liberars, 2015. Cap. 13. p. 273-288.

VIEIRA, A.C.P.; WATANABE, M.; BRUCH, K.L. Perspectivas de desenvolvimento da vitivinicultura em face do reconhecimento da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Revista GEINTEC, v. 2, 2012, p. 327-343.

VIEIRA, A.C.P.; ESTEVAM, V.; ZILLI, J.C.; BRUCH, K.L. Triple helix e inovação: a relação com os Vales da Uva Goethe. In: Congresso LatinoIberoamericano de Gestão Tecnológica, 16. 2015, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: Altec, 2015. p. 1 – 16.

YAMAGUCHI, C.K.; WATANABE, M.; VIEIRA, A.C.P.; FREIRE P.S. Geographical indication in the process of creating knowledge to develop new competences. African Journal of Business Management, [s.l.], v. 9, n. 9, p.412-424, 14 maio 2015. Academic Journals. http://dx.doi.org/10.5897/ajbm2013.7200.

ZANELLA, L.C.H. Criatividade e inovação nas organizações do conhecimento. In: ANGELONI, Maria Terezinha (Org.). Organizações do conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologia. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. Cap. 8. p. 191-215.

ZIVIANI, F.; FERREIRA, M.A.T.; SILVA, S.M. Avaliação da maturidade em gestão do conhecimento em organizações mineiras. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, v. 8, n. 1, p.240-263, 2015. Jan./abr.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v9i1.1218

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. [email protected]