PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DE APLICATIVOS MÓVEIS PARA MONITORAMENTO DE SAÚDE DA MULHER

Authors

  • Karol Fireman Farias UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
  • Renan Macêdo Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Denise Macêdo Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Adriely Ferreira Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Elthon Allex Silva Oliveira Universidade Federal de Alagoas
  • Tatiane Luciano Balliano Universidade Federal de Alagoas
  • Cristiane Araujo Nascimento Universidade Federal de Alagoas
  • Guilherme Benjamin Brandão Pitta Universidade Federal de Alagoas
  • Danyelly Bruneska Gondim Martins Universidade Federal de Pernambuco
  • Elaine Virgínia Martins de Souza Figueiredo Universidade Federal de Alagoas
  • José Luiz Lima Filho Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v11i1.1208

Keywords:

aplicativo móvel, saúde da mulher, monitoramento de saúde, inovação e tecnologia.

Abstract

As doenças ginecológicas causam impactos físicos, psicológicos, sexuais e reprodutivos na saúde da mulher. Estudos sugerem que a falta de acesso a informações e cuidados padrão são fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento de desordens de cunho ginecológico na saúde das mulheres. Diante desse contexto, os sistemas m-Health propõem cuidados de saúde aos pacientes nos mais variados locais e horários. O presente estudo trata-se de uma prospecção tecnológica realizada utilizando metodologia sistemática. A busca eletrônica foi conduzida nos seguintes bancos de patentes: World Intellectual Property Organization (WIPO), United States Patent and Trademark Office (USPTO), European Patent Office (EPO), Google Patents e Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). As pesquisas nas bases de dados por meio das palavras-chave resultaram em 402 patentes, destas, 95 eram duplicadas. Com a retirada das duplicatas restaram 307 patentes. Em seguida foram analisados os títulos e resumos das patentes, sendo excluídas 179, obedecendo aos critérios de exclusão, resultando assim em 128 patentes. Nesta prospecção tecnológica foram apresentados aplicativos móveis referentes à saúde em geral. Não foram encontradas patentes de aplicativos móveis relacionadas ao monitoramento da saúde da mulher.  Portanto, identificou-se a necessidade de desenvolvimento de aplicativos móveis de monitoramento nesta área, para oferta de suporte ao paciente, assim como a necessidade de proteção dos produtos obtidos.

Author Biographies

Karol Fireman Farias, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

Doutorado em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO); Mestra em Ciências da Saúde no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do ICBS-UFAL; Especialização em Saúde Coletiva pela Universidade Gama Filho; Especialização em Processos Educacionais na Saúde, com ênfase em facilitação de metodologias ativas de ensino-aprendizagem pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (IEP); Graduada em Enfermagem Bacharelado (CESMAC/FEJAL) e Química Licenciatura (UNEAL). Professora Assistente II da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), campus Arapiraca; Coordenadora do Projeto de Extensão PIBIP-AÇÃO 2014/2015 - Ações Integradas em Saúde do Adulto: com foco em vigilância em saúde e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e da Liga Acadêmica Multiprofissional em Urgência e Emergência (LAMUE) dsde 2014. Membro do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa Epidemiológica (GIPE-AL)-UFAL. Atual coordenadora estadual TELESSAÚDE RUTE - SIG Alta complexidade.

Renan Macêdo Silva, Universidade Federal de Alagoas

Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Alagoas.

Denise Macêdo Silva, Universidade Federal de Alagoas

Bacharelado em Enfermagem - UFAL. Aluna de Iniciação científica PPSUS/PIBIC/FAPEAL. Estagiária no laboratório de Biologia Molecular e Expressão Gênica - LABMEG/UFAL.

Adriely Ferreira Silva, Universidade Federal de Alagoas

Bacharelado em Enfermagem - UFAL. Aluna de Iniciação científica. Estagiária no laboratório de Biologia Molecular e Expressão Gênica - LABMEG/UFAL.

Elthon Allex Silva Oliveira, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Alagoas (2004), mestrado em Informática e doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Campina Grande (2006 e 2015). É professor efetivo da Universidade Federal de Alagoas desde agosto de 2006. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Métodos Formais, atuando principalmente nos seguintes temas: Verificação de Software, Testes Formais e Informática na Saúde.

Tatiane Luciano Balliano, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Química pela Universidade Federal de Alagoas-UFAL (2005), mestrado em Química e Biotecnologia, área de concentração Físico-química (cristalografia de raios X) pela Universidade Federal de Alagoas (2006) e doutorado em Física Aplicada (Biomolecular) pela Universidade de São Paulo (2010). Atualmente é professora adjunto IV na Universidade Federal de Alagoas no Instituto de Química e Biotecnologia onde desenvolve projetos de pesquisa na área de química de proteínas e cristalografia de pequenas e macromoléculas. Tem experiência na área de Química com ênfase em Química do Estado Condensado, atuando nos temas: cristalografia de raios X com aplicação em Química Medicinal, Biologia Estrutural, Química do Estado Sólido e Inovação Tecnológica envolvendo principalmente compostos orgânicos e produtos tecnológicos.

Cristiane Araujo Nascimento, Universidade Federal de Alagoas

Doutoranda em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO)Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do ICBS-UFAL - Universidade Federal de Alagoas; Especialização em Docência do Ensino Superior pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL); Especialização em Enfermagem Obstétrica pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Coordenadora do Curso de Enfermagem e Professora Assistente das disciplinas: Intervenção e Gerenciamento de Enfermagem em Saúde da Mulher I e II e Embriologia Humana na Universidade Federal de Alagoas, Campus Arapiraca.

Guilherme Benjamin Brandão Pitta, Universidade Federal de Alagoas

Graduação em Medicina pela Escola de Ciências Médicas de Alagoas (1984), pós-graduação lato senso (1985-1987), mestrado (1988-1989) e doutorado (1995-1999) pela Escola Paulista de Medicina (EPM) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), pós-doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (2009-2011), estágio na Universidade de Leipzig (Alemanha) (2014).) e pesquisador colaborador da laboratório de Medicina Regenerativa da Universidade de Leipzig (BioCit)(GER) . Foi presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) (2009-2011), membro do conselho editorial do Jornal Vascular Brasileiro (JVB) e Annals Vascular Surgery (AVS) ,membro do conselho superior da SBACV, chefe do Centro de Medicina Diagnóstica e Intervencionista (CMDI) do Hospital Memorial Arthur Ramos (HMAR) em Maceió/Alagoas, Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual de CIências da Saúde de Alagoas (UNCISAL) (2005-2009), Professor Adjunto da (UNCISAL) (desde 1989) e Prof. Auxiliar da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) do curso de Medicina (Campus UFAL-Arapiraca) (2017), tutor da liga acadêmica vascular (UNCISAL) (desde 2005) e da liga acadêmica de saúde coletiva (UFAL) (2017), orientador do mestrado e doutorado em cirurgia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (desde 2008), orientador do mestrado profissional em Biotecnologia em Saúde Humana e Animal (MPBiotec)(2016), orientador do doutorado em Biotecnologia (Renorbio) (desde 2008) - Rede Nordeste de Biotecnologia e Presidente atual da Comissão Estadual de Honorários Médicos de Alagoas (CEHMAL). Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em cirurgia endovascular e Medicina Regenerativa nas linhas de pesquisa em próteses vasculares e endovasculares, reação endotelial e proliferação miointimal.

Danyelly Bruneska Gondim Martins, Universidade Federal de Pernambuco

Graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Católica de Pernambuco (1997), mestrado em Genética pelo Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco-UFPE (2000) e doutorado em Ciências Biológicas (Microbiologia) pelo Centro de Ciências Biológicas da UFPE (2004). Fez pós-doc em Vacinas de DNA pela Universidade de São Paulo e atualmente é professora adjunto do Departamento de Bioquímica da UFPE. Atua como pesquisadora do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (LIKA/UFPE) coordenando o setor de Prospecção Molecular, que desenvolve projetos voltados à busca de marcadores moleculares para o diagnóstico e terapêutica de Doenças Infecciosas, desenvolvendo trabalhos de Biologia Computacional e Análises experimentais.

Elaine Virgínia Martins de Souza Figueiredo, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Biotecnologia da Saúde pelo RENORBIO, mestre em Bioquímica pela UFPE e graduada em Biomedicina e Farmácia pela UFPE. Professora adjunta da Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca e Coordenadora do projeto aprovado pela Fapeal sobre polimorfismos de dengue no Estado de Alagoas.

José Luiz Lima Filho, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco (1983) e doutorado em Doutorado em Bioquímica e Microbiologia - University of St Andrews (1987). Possui pós doutorado na Alemanha (GBF), Japão (Instituto de Tecnologia de Tóquio) e Estados Unidos (NIST) na área de diagnóstico e desenvolvimento de biossensores. Consultor da FAPERJ, FACEPE, FAPEMIG, FINEP, CAPES, MCTI, FIOCRUZ, FAPEMA e CNPq. Participa no corpo editorial das revistas World Jornal of Microbiology and Biotechnology, FITOS, Journal of Applied Oral Science, além de ser referee da Analytica Chimica Acta, Food Science, Brazilian Journal of Microbiology, Materials Science & Engineering, International Journal of the Physical Sciences, African Journal of Food Science, Human Immunology, Process Biochemistry, Biosensor Letters, Scientific Research and Essays, Polymer International, Enzyme Research e Bioresource Tecchnology. Foi durante seis anos membro da CTNBIO, possui experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Industrial e de Fermentação, e na área de instrumentação e processos biológicos, atua principalmente nos seguintes temas: biosensor, enzimologia, cancer, doenças metabólicas e biotecnologia. Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Pernambuco, diretor científico do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami - LIKA da Universidade Federal de Pernambuco. Em 2010 foi agraciado com o titulo GRÃ-CRUZ da ordem Nacional do Mérito Cientifico.

References

ADIBI, S. Mobile Health: A Technology Road Map. Springer, Switzerland, 2015.

COLLINS, Y. et al. Gynecologic cancer disparities: A report from the Health Disparities Taskforce of the Society of Gynecologic Oncology. Gynecologic Oncology, 133 (2014) 353–361.

CIP. Classificação Internacional de Patentes. INPI 2017. (Disponível em: http://ipc.inpi.gov.br/ipcpub/). Acessado: 21/05/2017.

EPO. European Patent Office. 2017. (Disponível em: http://www.epo.org/). Acessado: 20/03/2017.

FANG R.; POUYANFAR, S.; YANG, Y.; CHEN, S.; IYENGAR, S. S. Computational Health Informatics in the Big Data Age: A Survey. ACM Computing Surveys, Vol. 49, No. 1, Article 12, 2016.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. 2017. (Disponível em: http://www.inpi.gov.br/).

KROK-SCHOEN, J. L.; OLIVERI, J. M.; PASKETT, E. D. Cancer Care Delivery and Women’s Health: The Role of Patient Navigation. Front. Oncol., 28 January 2016.

MILLER, J. G. Gynecologic and Obstetric Care for Breast Cancer Survivors. The American College of Obstetricians and Gynecologists.VOL. 130, NO. 1, July 2017.

MILLER, V. M.; ROCCA, W. A.; FAUBION, S. S. Sex Differences Research, Precision Medicine, and the Future of Women’s Health. Journal of Women’s Health, Volume 24, Number 12, 2015.

OERTELT-PRIGIONE, S.; RUECKE, M.; SEELAND, U.; REGITZ-ZAGROSEK, V. Gynecological Practice Represents the Ideal Setting for Early Opportunistic Cardiovascular Prevention: A Cross-Sectional Survey in an Urban Female Population. JOURNAL OF WOMEN’S HEALTH, Volume 26, Number 1, 2017.

SILVA, I. D.; NUNES, M. A. S. N. Prospecção de Software para Auxílio em Tratamento de Câncer. Revista GEINTEC, Vol. 4, n.5, p.1402-1413. D.O.I.: 10.7198/S2237-0722201400050009.

STOYANOV, S. R. et al. Mobile App Rating Scale: A New Tool for Assessing the Quality of Health Mobile Apps. JMIR Mhealth Uhealth. 2015 Jan-Mar; 3(1): e27.

USPTO. United States Patent and Trademark Office. 2017. (Disponível em: https://www.uspto.gov/).

WIPO. World Intellectual Property Organization. 2017. (Disponível em: http://www.wipo.int/portal/en/index.html). Acessado: 21/03/2017.

Published

2021-01-14

Issue

Section

Management and Social Science